segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Para sempre...




Hoje fiquei em casa sozinha e tenho aproveitado para arrumar papéis que se foram acumulando com o passar silencioso dos dias.

Entre os papeis está uma das melhores prendas que recebi no ano passado. Uma mensagem num postal de natal.

Uma mensagem que dei como uma certeza para sempre.

Mas o que é isso de "para sempre"? Algo imutável? Uma certeza irrefutável e infinita?

É que hoje aquela certeza não passa de uma simples mensagem escrita. De uma intenção que não se concretizou.

Ou ter-se-á concretizado e, hoje, não passa de um simples recordação?


Mas está escrito "para sempre". Tenho a certeza. Terá sido um erro de escrita? Uma mentira?


Penso que não...

O "para sempre", independentemente das mudanças e da transposição silenciosa dos dias, apenas significou "para sempre na memória"...



E como hoje estou numa de recordações, aqui fica um texto de Vinicius sobre a amizade. Não aquela amizade que fica na memória mas aquela que cresce todos os dias...


"Preciso de um amigo para não enlouquecer, para contar o que vi de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade.

Deve gostar de ruas desertas, de poças d´água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.

Preciso de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já tenho um amigo.

Preciso de um amigo para parar de chorar. Para não viver debruçada no passado em busca de memórias perdidas.

Que bata nos ombros sorrindo e chorando mas que me chame de amigo, para que eu tenha consciência de que ainda vivo."

Vinicius de Moraes





9 comentários:

VCosta disse...

Tinha o vício de escrever para sempre tb...
Hoje já não, pelo menos na forma pensada e sentida...
O que hoje é verdade, amanhã é mentira...
Será isto uma forma de evolução ou crescimento?! Não sei...
O que hoje tento é evitar as palavras nunca e sempre...
Amigos?! Precisam-se... ou pelos menos colegas que estejam perto de nós por bem!!!

NI disse...

Mas era bom quando escrevíamos o "para sempre" quando acreditávamos, não era? :)

Prefiro pensar que não é uma forma de crescimento mas, antes, a assumpção de que, por vezes, não podemos cumprir aquilo que queremos ou pensámos.

Porque, se é uma forma de crescimento, é porque chegámos à conclusão que a nossa fé no ser humano e em nós próprios foi suficientemente abalada para deixarmos para trás aquilo em que acreditávamos.

Pode parecer a mesma coisa...mas não é.

Por exemplo, no caso vertente, prefiro acreditar que a pessoa não pode cumprir a promessa. Sempre é melhor do que pensar que estava a brincar quando escreveu aquele postal.

:)

Beijo

Rui da Bica disse...

Muitas vezes vão-se buscar "frases feitas" de acordo com a finalidade. Não são sentidas...são "copy / past" e o resultado está à vista.
Acontece muito com as mensagens de Natal e Ano Novo por SMS ou e-mail enviadas para o "recepient" carregadas de carinho e amor e quem as recebe sente que são pessoais e ilude-se... ;(
.

VCosta disse...

Sim, seríamos mais felizes!!!
Mas o tempo molda-nos!
Resultados finais estão à vista!
À terceira cai quem quer (se bem que a minha terceira já foi à um bom tempinho)...

NI disse...

Rui, e o erro é de quem? De quem escreve, ou de quem acredita?

VCosta, em matéria de afectos...estou sempre a cair, ahahahahahah

Rui da Bica disse...

Ni, acho que é um bocadinho dos 2, mas mais de quem escreve.
Para quem escreve ou faz copy/past, é muito cómodo transmitir (enviando) uma coisa muito bonita, carregada de sentimentos, que copiou de qualquer lado ou simplesmente reenviou para toda a gente da sua lista, após ter recebido de alguém.
Para quem recebe, é recomendável tentar perceber se se trata de uma situação dessas ou não, correndo o risco de sofrer desilusões.
Bj.
.

NI disse...

Rui,

Mas as desilusões fazem parte da vida.

Prefiro as desilusões do que a descrença total no ser humano.

Mas eu sou meia doida pelo que não sou exemplo para ninguém :)


Beijo

Rui da Bica disse...

Não és "meia doida" e isto só prova que és "boa alma" e um grande exemplo para muitos, não só por isto, mas certamente por muitas outras coisas!

As desilusões e o ser humano, fazem realmente parte da vida. Só que a vida nos vai sucessivamento pregando algumas partidas e nos vai ensinando a tentar evitar ou reduzir essas ilusões.
Ninguém gosta de bofetadas.
Isto é cruel, mas é isso que a vida nos ensina.
.

NI disse...

Bom, se eu acreditasse no céu...a minha alma tinha lá lugar :)

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso