segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Afastada...



Do meu blogue, mas não dos vossos. É viagem obrigatória todos os dias.
 
Mas nesta altura em particular tinha que estar presente.
 
Mesmo não tendo um Natal como o sinto e gosto de partilhar pois não terei na minha companhia uma das minhas filhas que está a milhares de kms, não deixo que o significado desta data me passe ao lado. É o que vale ter a mania da contradição ou, como escreveu Ivan Teorilang "A felicidade está em deixar de reclamar por aquilo que não conseguimos, e passar a agradecer por aquilo que não perdemos."
 
E eu tenho que agradecer o que não perdi.
 
E eu não perdi a minha essência: a capacidade de acreditar, a capacidade de amar incondicionalmente a minha família e os meus amigos, a capacidade de deixar partir quem amo, a capacidade de dizer "estou aqui" quando sei que precisam de mim, a capacidade de "fugir" esporadicamente para o meu mundo encantado, a capacidade de rir e de chorar, a capacidade de lutar contra as injustiças e as adversidades, a capacidade de partilhar os bons e maus momentos. Não perdi porque faz parte do que eu sou. E eu ainda estou viva.
 
Numa altura em que o desalento, a descrença num presente e num futuro nos atinge de uma forma desigual e injusta, não podemos, nem devemos, desistir. Somos melhores do que aquilo que pensamos e daquilo que nos fazem querer pensar.
 
Podia deixar como tema musical a "minha música" de natal preferida de Chris Rea. Mas este ano, não.
 
Para estar de acordo com o pensamento de Ivan Teorilang deixo-vos com este, porque não podemos dar valor ao que é importante apenas e só quando o perdemos e porque, como o mesmo autor escreveu:
 
" Mesmo diante tantos presentes natalinos recebidos,
o mais precioso é o amor,
a emoção dos encontros,
e o esquecimento dos desencontros;
é a esperança renovada..."
Ivan Teorilang
 
 
Um Feliz Natal e tentem ser felizes.
 
 

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Não gosto da palavra "ADEUS"...


Imagem da net


Como não gosto da palavra "Nunca".
 
 
Não gosto da sensação do definitivo. Da sensação que nada mais há a dizer e/ou fazer.
 
 
Estive afastada nas últimas semanas.
 
 
Podia argumentar que ando muito ocupada e que não tenho tempo para escrever no blogue que fez há poucos dias 6 anos. Estaria a mentir... O tempo sempre foi escasso mas nunca impedimento para continuar por cá.
 
 
Estive ausente por decisão própria. Porque entendi, e entendo, que preciso de fazer a "minha travessia no deserto". Uma travessia que terá que ser, necessariamente, só.
 
 
É por isso que não digo Adeus.
 
 
Não gosto da sensação do definitivo.
 
 
Prefiro dizer um "Até breve". Porque as travessias, por mais longas e penosas que possam ser, nos conduzem a qualquer lado. E, quem sabe, me possa conduzir, uma vez mais, à vossa companhia.
 
 
Não vou individualizar todos os que estiveram comigo desde 2007.
 
Assim, a todos os que partilharam comigo esta viagem de seis anos um simples "obrigada". Pelo muito que aprendi. Pelos sorrisos e gargalhadas que dei, pelas lágrimas que verti, pelas emoções que senti. Por aquilo que não esqueci.
 
 

Como não podia deixar de ser, termino com um pensamento. Um que define a situação que hoje se vive.

"Hoje, a vida das pessoas, é terrífica, disse para consigo molhando os lábios no seu whosky. Paira no ar uma angústia horrível. E como poderia ser de outro modo? Agarram-nos pela garganta, obrigam-nos  a trabalhar de manhã à noite, embrutecem-nos, infligem-lhes necessidades que não têm a ver com eles, que os desviam, que os pervertem. Proíbem-nos de sonhar, de vaguear, de perder tempo. Usam-nos à tarefa. As pessoas já não vivem, são usadas. Em lume brando."


Katherine Pancol

"Os olhos amarelos do crocodilo"
 
 
 
Mas deixo-vos também uma sugestão. A leitura do comunicado do Director da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto de 5 de Maio de 2013. Para reflectir. Porque, como escreve Jorge Olímpio Dias, "...O que fazemos e as posições que assumimos são o resultado de uma escolha...a coragem de escolher  é a grande questão da nossa vida, dado que toda a hora temos que fazer opções entre o correcto e o incorrecto, o verdadeiro e o falso, o belo e o feio, o elevado e rasteiro, o transcendente e o baixo, o ideal e o medíocre, o humano e o animalesco..".
 
 
Eu chamo a isto...Liberdade.
 
 
Sejam livres e tentem ser felizes.
 
 
E, porque posso voltar um dia....
 
 
...Até breve...



 
 
 

sexta-feira, 15 de março de 2013

Para o bem e para o mal...



Imagem da net



A tese está entregue e já mereceu a concordância do orientador.
 
Agora é só aguardar pela nota final.
 
Eu sei que a balança diz o contrário mas, acreditem, estou para aí uns 50 Kg mais leve (o raio da balança diz que continuo com os 68 Kgs mas se continua a ser teimosa ainda se arrisca a levar uma marretada).
 
Tenham um grande fim-de-semana que eu também vou fazer por isso.



quinta-feira, 14 de março de 2013

Casos da Vida...

 
 
 
Esta história, verídica, não é daquelas histórias que começa pelo "Era uma vez...".
 
Nem fala de príncipes e de princesas.
 
Nem fala de heróis com poderes sobrenaturais.
 
Nem fala de reinos encantados.
 
Mas fala de heróis. De carne e osso. Daqueles que passam despercebidos. Dos que diariamente se levantam e vão trabalhar e dão o seu melhor. Muitas vezes sem ver o seu trabalho reconhecido. Muitas vezes sendo criticados.
 
E fala de outros seres humanos. Daqueles que não são heróis para os outros mas que serão os grandes heróis para os seus filhos. São aqueles que perderam os seus empregos e qualquer meio de subsistência. Aqueles que tudo fazem para que nada faltem aos seus filhos mesmo perdendo a sua própria dignidade.
 
E fala de uma cidade. De uma cidade com ruelas escuras mas que tem o brilho das suas gentes. fala da cidade do Porto.
 
É uma história que tem quase um mês. Mas valerá recordar:

" Em determinado momento durante a semana que está a terminar, foi a policia solicitada para um supermercado sito na cidade do Porto. Chegados ao dito supermercado, foram os elementos policiais informados pelo vigilante do estabelecimento que determinada pessoa tinha sido travada à saída na posse de artigos furtados.


Questionado sobre a tipologia dos artigos furtados, a gerente do supermercado e o vigilante referiram tratar-se de 4 iogurtes, 6 pães e 2 pacotes de leite. Os agentes, dirigiram-se então ao autor do ilícito e este, a chorar compulsivamente, lá foi dizendo que tanto ele como a esposa, estão desempregados, têm 2 crianças em casa e nem leite tinha para lhes dar. Este acto, visava apenas levar pão à boca dos seus filhos que ainda não tinham comido nada durante todo o dia.


De volta à gerente, esta, depois de passar os artigos pela caixa lá mostrou o talão, com um valor monetário pouco acima dos 4 euros.

Nesse momento, o agente, tirou dinheiro do bolso, perguntou se a casa aceitava o pagamento e após este ter sido efectuado ainda questionou se pretendiam procedimento criminal.
Uma vez que os artigos estavam pagos e nada mais restava a fazer, foi o autor do furto chamado à parte, onde lavado em lágrimas, ouviu o conselho de que pedir não é crime, pedir é ser humilde e que se for detido, com toda a certeza, não vai conseguir levar seja o que for para a boca dos filhos. Não volte a furtar mais nada pois para a próxima pode não ter a sorte que teve hoje. De seguida mandou-o embora com os iogurtes, o pão e o leite.
Existem Homens assim nestas fileiras que dia após dia, noite após noite presenciam homens, mulheres e crianças com fome, sem nada para comer, que o último recurso é pedir ou furtar.
Note-se que não estou a falar de criminosos, de delinquentes que passam os seus dias a mandriar, a viver à custa de RSI, estou a falar de pessoas de bem, que sempre trabalharam, sempre pagaram os seus impostos e que agora se vêem privados de tudo e incapazes sequer de alimentar os seus filhos.



Se achas que a atitude deste agente é louvável, partilha a história."
 
Eu partilhei.
 
 

O que não perdoo?


Imagem da net



" Perdoar é lindo, mas como eu não me importo com beleza não perdoo mesmo"
Desconhecido
 
 
 
 
Não serei tão radical. Há atitudes e palavras que não relevo e/ou perdoo.
 
Mas há algo que não consigo perdoar: deslealdade.
 
Mesmo que esta minha intransigência não abone muito a meu favor não consigo perdoar. Para mim a relação está inquinada para sempre porque perco a confiança na pessoa.
 
 Os "traidores" não merecem que eu perca tempo a encontrar justificações para os seus actos. Mas lamento que não provem do seu próprio veneno porque talvez crescessem enquanto seres humanos.
 
E se a deslealdade parte de quem gostámos e é preparada pelas costas? É o "descasca o pessegueiro". Para além de não perdoar, não esqueço.
 
Já me perguntaram se não gostaria de  mudar esta característica da minha personalidade. Pensei bastante antes de responder e disse que não. Terei outras características que fazem menorizar este meu defeito.
 
E a música pode ser esta.
 
 
 
 
 

quarta-feira, 13 de março de 2013

Quem sou eu.... 2ª parte

 
 
 
Repescando as respostas dadas num inquérito há uns anitos atrás, aquifica um pouco mais sobre mim:
 
 
 
01 - Nome? Ni
 
02 - Tatuagens? Não tenho. Mas a filhota mais velha tem pela famelga toda.
 
03- Piercings? O meu pai costumava dizer que o ser humano já nascia com todos os buracos que precisava para ser feliz.
 
04 - Já foi à África? Marrocos fica em África, não fica?
 
05 - Já ficou bêbado? Já aqui confessei que apanhei apenas uma bebedeira. Foi na minha noite de núpcias.
 
06- Já chorou por alguém? Só os armados em parvos nunca choraram.
 
07- Já esteve envolvido em algum acidente de carro? Já. Mas sem consequências de maior.
 
08 - Peixe ou carne? O que vier ao prato.
 
9- Música preferida? Desde que seja boa música...
 
10- Cerveja ou Champanhe? Ambas. São as minhas bebidas preferidas.
 
11 - Metade cheio ou Metade vazio? Como em tudo na vida gosto do meio termo.
 
12 - Lençóis de cama lisos ou estampados? Indiferente.
 
13- Filme preferido? Vocês por acaso já imaginaram quantos filmes eu já vi em 48 anos de existência? Acham que é possível enumerar um único filme? Chiça…  

14 - Flores preferidas? Tulipas.
 
15 - Coca-Cola simples ou com gelo? Não aprecio coca-cola. Mas deito uma abaixo com rum.

 
16 - Quem você acha que vai responder a esse e-mail mais rápido? Quem tiver a mesma pachorra que eu...

 
17 - Quantas vezes você deixa tocar o telefone/telemóvel antes de atender? É muito raro ligarem-me para o telemóvel pelo que quando ele toca muitas vezes nem sei que é o meu e deixo tocar...

 
18 - Qual a figura do seu mouse-pad? A minha cara é que não é.

 
19 - Espero que este ano eu possa? Passar uns dias sozinha num belo hotel com spa. Mas o Sr. Passos não deixa.



20 - Pior sentimento do mundo? Saudade.


21 - Melhor sentimento do mundo? Amizade 

 
22 - O que uma pessoa não fazer para ficar com você? Ser desleal.

 
23 - Qual o primeiro pensamento ao acordar? Se passo as noites em claro dificilmente acordo...

 
24- Qual o último pensamento antes de dormir? Dava-me jeito dormir umas horitas.


25 - Se pudesse ser outra pessoa, quem seria? Uma gaja com um bocadinho de sorte.

 
26 - O que você nunca tira? Dinheiro ao jogo.

 
27 - O que você tem debaixo da cama? O chão com algum pó.

 
28 - Qual a pessoa que talvez não responda a este desafio? Duvido que exista alguém com a minha pachorra.


29 - Aquele que com certeza vai responder? Não faço a mínima ideia e, acreditem, não estou minimamente preocupada.

 
30 - Quem gostarias que respondesse? Não digo. Também tenho direito às minhas "perrices".

 
31 - Qual o livro que estás a ler? Agora? Nenhum. Ontem acabei de ler um da sabrina e hoje começo outro da bianca, sabrina ou afim. Vai dar tudo ao mesmo. A minha cara-metade está a ler a Arte da Guerra. Não sei se é bom ou mau sinal.

 
32 - Característica tua? Perita em  ser ultrapassada por quem menos espero.


33 - Decepções que tiveste ao longo da vida? Já vos disse que tenho 48 anos de idade não disse?


34 - Programas de TV que assistias quando criança? Pipi das meias altas; Verão Azul, Os pequenos Vagabundos; Sandokan, Heidi, etc.

 
35 - Programas de TV que assisto hoje? Séries do AXN,  Fox e filmes.


36 - Formas diferentes que me chamam? Nani, Ni e já me chamaram Nina.

 
37- Comidas Favoritas? Comida portuguesa.

 
38 - Lugar em que desejaria estar agora? À beira-mar. Que se lixe o frio. Ah, e sozinha porque estou com um humor do caraças.
 

É chover no molhado...





Imagem da net
 
 
 
Mas não dizem que a esperança é a última coisa a morrer?
 
(Eis uma frase que nunca entendi porque cá para mim é o coração quando deixa de bater)
 
 
 

Afinal...



Imagem da net




...É muito fácil esquecer. Pelo menos para ti.


Só por isso mereces esta música.


Eu não mereço nenhuma porque não consigo ter essa capacidade...


terça-feira, 12 de março de 2013

Como aproveitar uma desilusão...



 
Vá-se lá saber porquê desde que fiz 40 anos que a "famelga" cá de casa deixou de festejar os meus anos.
 
Vá lá que este ano se lembraram que eu fazia anos e foram os primeiros a dar os parabéns, não fosse o diabo tecê-las e a aniversariante ter um "ataque de caspa" como no ano passado.
 
Mas, mais uma vez, vejo-me sozinha em casa no dia do meu aniversário.
 
Entre "mandar vir" com meio mundo ou enfiar a casca do calimero e aproveitar o facto de estar sozinha, optei por esta última.
 
Vai daí, estou a ver um bom jogo de futebol e a ver o Barcelona a dar, até ao momento, 3 ao Ac. Milan enquanto como uma tablete de chocolate que é bem melhor que uma fatia de bolo de aniversário.
 
Desiludida? Sim. Mas a grande vantagem que a idade dá é a capacidade de relativizar e aproveitar os maus momentos da melhor forma.
 
E fiquem com a música dos Supertramp porque o dia convida e é um dos temas que mais gosto de ouvir com o volume no máximo quando estou com o "tau".






E hoje...





A "minha" página do google  aparece com este desenho e a frase " Parabéns Nina ". 


Afinal, só se faz 48 anos uma vez na vida.


No longínquo dia 12 de Março de 1965...


Adenda:
 
 
Obrigada a todos o que me fizeram "companhia" neste dia. Soube bem.




Imagem da net


...e por escassos cinco minutos, quis o destino que nascesse esta menina.
 
E o meu destino estava traçado. Basta pensar que nesse ano a música que teve mais sucesso foi esta e a letra diz tudo...
 
 

"J'avais dessiné sur le sable
Son doux visage qui me souriait
Puis il a plu sur cette plage
Dans cet orage, elle a disparu

Et j'ai crié, crié, Aline, pour qu'elle revienne
Et j'ai pleuré, pleuré, oh! j'avais trop de peine

Je me suis assis près de son âme
Mais la belle dame s'était enfuie
Je l'ai cherchée sans plus y croire
Et sans un espoir, pour me guider

Et j'ai crié, crié, Aline, pour qu'elle revienne
Et j'ai pleuré, pleuré, oh! j'avais trop de peine

Je n'ai gardé que ce doux visage
Comme une épave sur le sable mouillé

Et j'ai crié, crié, Aline, pour qu'elle revienne
Et j'ai pleuré, pleuré, oh! j'avais trop de peine

Et j'ai crié, crié, Aline, pour qu'elle revienne
Et j'ai pleuré, pleuré, oh! j'avais trop de peine..."


 E as vezes que eu, anos mais tarde, cantei esta música aos altos berros.


segunda-feira, 11 de março de 2013

"Ouch"... O mundo da net pode ser "lixado".





Cartoons - viuva
Recebida por mail
 
 
 
 
 
 
 
 

Eu sei...

 
 
Que uns nascem com o "cú virado para o sol" e têm sempre sorte mesmo nada fazendo.
 
Depois, há aqueles que nascem com o "cú virado para a lua". Aqueles que, mesmo sem ajuda de ninguém, não desistem e partem para a luta todos os dias mas que a sorte teima em não acariciar.
 
Dizem que é a vida, ou melhor, a roleta da vida.
 
Mas cá para nós que ninguém nos ouve, por uma vez na vida sabia bem ter alguma sorte. É que o cansaço de estar sempre a lutar contra a maré começa a ganhar...
 
E hoje só me dá para ouvir isto.
 
 
 

domingo, 10 de março de 2013

Se eu voltasse atrás...


Imagem da net



" Se tivéssemos como voltar atrás, nunca iríamos seguir em frente."
Demi Lovato


Tudo bem. Não adianta ficar agarrado ao passado. Há que dar um passo em frente na estrada da vida porque o tempo não espera por nós.
 
Mas imaginem que podiam, por breves instantes, voltar ao passado. Alteravam alguma coisa? Não se arrependem mesmo de nada que fizeram?
 
Durante muitos anos afirmei, convictamente, que não me arrependia de nada do que fiz no passado porque foi com os erros que cometi que aprendi lições de vida.
 
Hoje não penso da mesma forma. Claro que errei. Claro que os meus erros me fizeram crescer e aprendi com eles. Mas daí dizer que não me arrependo de algumas coisas que fiz? Não. Não posso afirmar tal coisa. E se pudesse voltar ao passado mudaria algumas coisas que fiz e não deixaria de fazer outras que não fiz por medo.
 
E a música só podia ser esta.
 
 
 

sábado, 9 de março de 2013

Frustrante...




Tinha consciência que o curso que estou a frequentar não iria ser fácil dadas as matérias que estão a ser leccionadas. Isto para já não falar de ter aulas à sexta e ao sábado e ter exames praticamente de 15 em 15 dias.
 
Mas não deixa de ser frustrante quando se estuda "forte e feio" para um exame e sai consciente de que não fez nada de jeito.
 
E ainda não chegaram os módulos de contabilidade e afins, porque quando chegarem vai ser ainda mais bonito...
 
 
E, já agora, essa de dizerem que " quem corre por gosto não cansa " não se aplica a mim. Nunca gostei de correr (com, ou sem gosto).
 
 
 

sexta-feira, 8 de março de 2013

E no mês em que nasci...

 
 
Imagem da net


 
Comemora-se o Dia Internacional da Mulher.
 
E porque em matéria de mania da contradição não há novidades quanto à minha personalidade, mantenho o que disse no ano passado:
 
Beijos e abraços aos homens.
Porque a sociedade que defendo e pela qual sempre lutei não precisa de recordar que em pleno século XXI a igualdade de oportunidades ainda não é uma realidade.
Porque a sociedade que defendo e pela qual sempre lutei vê homens e mulheres a lutar, lado a lado, por causas comuns sem distinção de sexo e raça.
 
 
E, acrescento este ano:
 
Porque ficarei feliz no ano em que não seja necessário comemorar este dia. É sinal que vivo na sociedade que defendo e pela qual luto.
 
 
Este ano a música é esta porque:
 
 
".. Não é a dor que é cruel
É o amor que rasga a pele
Grita, sente, o meu corpo junto ao teu até morrer
Prende, quente, o meu rosto de guerreira e de mulher..."
 
 
 

quinta-feira, 7 de março de 2013

Porque hoje, segundo a Rádio Comercial, é dia de dizer bem de alguém...

 
 
 
Ando meia desaparecida? Afirmativo.
 
Estou com bastante trabalho? Afirmativo.
 
Estou sem inspiração? Claro. Se assim não fosse não escrevia estas linhas.
 
Mas, verdade seja dita, para além de dores nas costas e do acidente do Liedson bem pertinho do meu estaminé de trabalho, não há grandes novidades.
 
Vejamos:
 
O frio e a chuva continuam.
 
Os bancos e os grandes empresários continuam a facturar "à grande e à alemã" (a francesa já era).
 
O desemprego continua a aumentar mas nada que preocupe os meninos e os seus especialistas de 23 aninhos que entendem da vida como eu entendo de carburadores.
 
O poder de compra continua a descer e as casas a fechar porque deixaram de ter clientes.
 
O Sr. PM continua a dizer disparates e a manifestar uma insensibilidade deveras preocupante.
 
O Sr. PR continua impávido e sereno a gozar a sua velhice ao lado da Sr.ª sua mulher.
 
Os militares estão à espera que chegue o 25 de Abril.
 
E o "zé-povinho" enfrenta a situação com uma calma que já me começa a assustar (vá-se lá  saber porquê não me sai da ideia o filme "O inferno de Dante").
 
 
Afinal há outra novidade: Dei conta que esta "sala-de-estar" ultrapassou as 250 mil visitas. Não digo é o número de anos que ando por aqui que até parece mal.

 
Fosga-se...lembrei-me agora que não disse bem de ninguém e o título do post fala disso.
 
E como ainda não encontrei quem não esqueci, a música é esta.
 
 



terça-feira, 5 de março de 2013

Não fosse eu ter um "cagaço" do caraças...



... de andar de moto, (tenho a desculpa de ter tido um acidente), e comprava uma brincadeira destas:



Imagem da net
 
 
É que é um autêntico absurdo o que se gasta em gasolina e portagens para se poder ir trabalhar.
 
Só gostava de saber como é que em pleno século XXI ainda existem cidades que não têm uma rede de transportes públicos.
 
 
 

segunda-feira, 4 de março de 2013

Vamos lá alterar esta brincadeira...e vamos falar de paixão...

 
 
Imagem da net
 
 
 
É que para hoje tinha um post preparado para "comemorar" os meus 28 anos na empresa onde trabalho.
 
Mas decidi não publicar. "Tristezas não pagam dívidas" já lá diz o povo e com razão. E, sinceramente, há datas que mais vale passarem despercebidas.
 
Vamos então alterar o tema desta noite e vou buscar ao baú de memórias deste blogue (desculpem lá mas o cansaço não dá para mais), um post de 2010 e vamos falar de ... Amor e Paixão.
 
 
François La Rochefoucauld, escreveu:
 
 
"Todas as paixões nos levam a cometer erros,mas o amor faz-nos cometer os mais ridículos"
Não vou perguntar se já cometeram algum erro por paixão ou por amor. É algo redutor e não tem piada nenhuma falarmos somente nos erros que cometemos.
Vamos alterar um pouco a frase do François - ele de certeza que não leva a mal - e vamos confessar as coisas mais doidas que fizemos por paixão ou por amor.
 
 
 
 
 

O que a vida me ensinou ...



Imagem da net
 
 
 
" Saudade é amar um passado que não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida. "
Pablo Neruda
 
 
Sentir saudades de alguém que está vivo mas que, por algum motivo, nos "deixou" pelo caminho é, definitivamente, o sentimento que mais me intimida.
 
Porque nos aprisiona no passado na ânsia de encontrar "o porquê".
 
Porque nos faz questionar se algum dia fomos importantes para essa pessoa e nos cega quanto ao mundo que nos rodeia, bloqueando-nos e impedindo de avançar.
 
Porque nos faz acreditar que algum dia possa voltar, armadilhando o caminho que temos que trilhar...
 
Porque é difícil tentar crescer quando estamos aprisionados a algo ou a alguém.
 
Alguns, paulatinamente, tal como a semente que foi deixada perdida e sem água, conseguem rebentar as amarras, encontrar uma fuga na couraça da vida e avançam.
 
Avançam mesmo sabendo que pode não dar flor mas com a esperança de dar algumas folhas...


E a primeira música desta semana é esta. Tenham uma grande semana.


domingo, 3 de março de 2013

Podia-me dar para pior...


 
 
Hoje às 7.30 horas da manhã:
 
- Já te vais levantar?
 
- Já. Vou ver se estudo um pouco.
 
A vontade era tanta que quando dou por mim eram 11.30 horas da manhã e em cima da mesa da cozinha tinha:
 
- uma travessa de leite creme para a sobremesa;
 
- 1 taça de morangos prontos a comer;
 
- 2 litros de molho de francesinha para logo à noite;
 
- 1 bolo de laranja;
 
- 10 queques para o lanche
 
 
Como devem imaginar estudei de "caraças"...
 
 
 

sexta-feira, 1 de março de 2013

Porque hoje é sexta-feira....


 E é o primeiro dia do mês que me viu nascer (e não é um mês muito mau porque a Primavera também escolheu este mês para nascer), e amanhã é dia de manifestação...
 
 
Imagem da net
 
 
 
Tenham um grande fim-de-semana e não se esqueçam que o humor é o ansiolítico mais eficaz, mais barato e sem contra-indicações.
 
 
 

Aguenta-te...




Ontem, como a filhota mais nova tinha combinado ir dormir a casa  de uma amiga e o homem lá de casa tinha aulas à noite, dei por mim a pensar que esta vida são dois dias e decidi ir ao cinema depois de sair do trabalho em vez de ficar a estudar.
 
E como tinha que restabelecer a minha dose de humor diária fui ver este filme:
 

Imagem da net
 
Uma mulher que não aceita ter 40 anos e que tem uma loja que não dá muito lucro. Um homem que pensa que já precisa do Viagra para reacender a "paixão" e que criou uma empresa discográfica que está falida. Duas filhas que não se entendem. O pai do homem que para casar com uma mulher jovem aceita ter um filho por inseminação artificial e acaba por ter três filhos de uma assentada mas que não gosta muito de trabalhar e vive à custa do filho mais velho. O pai da mulher que a abandonou quando ela tinha oito anos e criou outra família. A empregada da mulher que nas horas vagas é acompanhante mas que faz sexo seguro "porque só fez sexo 15 a 30 vezes por ano"... Enfim, uma sucessão de situações que não fogem muito da realidade e a retratam com bastante humor.
 
Não será um grande filme mas dá para descontrair e lançar umas boas gargalhadas. Mas, acima de tudo, demonstra que mesmo numa família aparentemente disfuncional as situações resolvem-se quando as partes assim o desejam.
 
 
 

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Homens e Mulheres - Versão jovem




Imagem da net


Sempre que tenho uma daquelas conversas "mãe-filha" ou sempre que a deixo na escola manhã cedo, fico com a sensação que a ala feminina está cada vez mais atiradiça e a masculina cada vez mais retraída.
 
Até aqui tudo bem. O problema é que o mundo da sedução, desde sempre explorado de forma sublime pela ala feminina, também deve estar atravessar uma enorme crise.
 
É que é ver as meninas todas "larocas" de manhã cedo e a colocar o sorriso mais "colgate" quando se apercebem da presença de um rapaz e este está "nem aí"...
 
Eh pá, no meu tempo eramos nós que tínhamos que fugir deles.
 
 
 

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Verdades absolutas sobre relações amorosas e afins...


... Ou talvez não...

Aviso, desde já, que este texto é praticamente um "copy past" de um post que coloquei há uns anos atrás.
 
Mas o facto de ter sempre assumido a minha idade faz com que receba alguns mail's de jovens a pedir a minha opinião sobre como "... conquistar o(a)....", ou, ainda, "...o que fazer para o(a) reconquistar...".

Sempre disse que não sou ninguém para dar conselhos. Com os meus quase 48 anos apenas poderei enumerar algumas verdades que a vida me ensinou. Mas são as "minhas verdades". Porque a vida não é igual para todos.

As "minhas verdades":

1 - Não adianta fingir o que não sentimos. A linguagem dos sentidos, mais tarde ou mais cedo, acaba por nos "apanhar" em falso.

2 - Não adianta dar uma imagem daquilo que não somos. Ou gostam de nós como somos, ou não.

3 - Não podemos ser dependentes dos outros, mas devemos estar prontos para nos darmos...e receber.

4 - Temos que saber dar espaço para o "eu". Só assim encontrámos o equilíbrio.

5 - Não há relação quando não exista respeito, confiança e lealdade.

6 - Deixarmos partir quem gostámos só porque temos medo de assumir os nossos afectos, ou por qualquer tipo de preconceito ou dogma, é um dos exemplos da estupidez humana.

7 - Nada nos impede de amar. Seja certo ou errado. Seja possível ou impossível. Mas podemos sempre dizer - Já amei. Logo, vivi.

8 - Não podemos recuperar aquilo que nunca tivemos.

9 - Ter a percepção de quando estamos a mais e partir, é um sinal de sabedoria.

10 - O que tiver que ser...será. A vida não é uma linha contínua.

 
Não ajudou pois não? Eu avisei.

Mas se amam, digam "amo-te". O máximo que pode acontecer é que vos digam "Eu não".

E??????? A vida continua...quanto mais não seja para ouvirmos este tema.

 

Como é que se esquece alguém que se ama?



Imagem da net



Eu, como alguém simplista e sem o dom da palavra, costumo dizer - mais para me convencer a mim própria diga-se em abono da verdade - que a melhor forma de tentar esquecer alguém é tentar não esquecer. Contraditório? Talvez nas palavras mas não nos actos.
 
É que tentar esquecer alguém que foi importante na nossa vida é uma tentativa infrutífera de rejeitar uma verdade: ela fez parte da nossa vida.
 
E só quando aceitarmos este facto estaremos preparados para reiniciar a caminhada da vida.
 
Sempre que perco alguém importante na minha vida recordo-me sempre daquela que considero a melhor frase de sempre num filme:
 
 
Ilsa - "E nós?"

Rick - "Nós, sempre teremos Paris".


(Casablanca, de 1942)


E tal como Ilsa diz para o Sam: "Toque uma vez, Sam. Pelos bons velhos tempos." Esta música.



Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso