quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Hoje...


Verdadeiramente importante é termos ao nosso lado as pessoas que amámos.

Para todos, um Feliz Natal.



A foto de hoje mostra o meu presépio e a Naru. Não sei se ela deixa o presépio em paz porque fica fascinada com as figuras ou por medo das mesmas. Só sei que não consigo entender como foi possível maltratar uma cadela tão meiga como ela. A veterinária do canil municipal não dava grandes hipóteses de sobrevivência. Mas, dois anos depois, aqui está a Naru. Saudável e meiga como sempre (a não ser quando se enrola nas minhas pernas enquanto faço os doces de Natal).
 
 
A música é a minha preferida do Natal. Mr. Chris Rea.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Ou é a velhice a assolar-me...

 

...ou hoje está um frio do caraças!

Ou, então (há sempre uma terceira alternativa), é a vontade de ter ficado na cama bem enroladinha nos lençóis.

A música de hoje é esta.



quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

E amanhã...



"Não chore nas despedidas,
pois elas constituem formalidades obrigatórias
para que se possa viver
uma das mais singulares emoções da vida: O reencontro."
 
Richard Bach

 
 
A esta hora (se não houver os tradicionais atrasos), estarei a abraçar a filhota mais velha pela primeira vez em três anos.
 
Desde que teve que partir para outro País, volto a ter a "minha" família junta no Natal.
 
O único acontecimento bom naquele que foi, sem dúvida, o pior ano da minha vida. 
 
Fosga-se... ainda faltam 24 horas...
 
 
E porque quando se fala em reencontro com alguém que amámos...
 
 
E porque...
 
"... I've been told
Stay on these roads
We shall meet
I know..."
 
e a música é esta.
 

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Se há algo que eu gosto...



É de vir trabalhar num dia em que muitos aproveitaram para um fim-de-semana prolongado.
 
Parece que a cidade é só minha...
 
 
E esta é a minha companhia ao longo do dia de hoje...



  

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Retorno à idade da inocência....


Imagem da net
 
 
 
"Como eu gostaria de voltar ao tempo
em que, minha inocência,
era a minha maior virtude."
 
Nara Alencar Queiroz


Porque preciso de acreditar que ainda há pessoas boas.
 
Porque preciso de acreditar que ainda há quem nos dê a mão quando dela precisamos.
 
Porque deixar de acreditar nos outros, é deixar de acreditar em mim mesma.
 
A música, obviamente, só podia ser esta.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

As árvores morrem de pé....ou talvez não...

 
 
"A sinceridade tem um preço muito caro,
e os hipócritas não estão dispostos a paga-lo"
 
Gustavo Elias Miranda
 
 
 Imagem da net
 
 
 
Já escrevinhei algures por aqui que o pior que podem fazer a um Povo é retirar-lhe a esperança. Porque sem esperança não há razão para lutar. Vai-se lutar pelo quê? Não há lugar ao sonho. Será que mundo avança sem um pouco de sonho?
 
E o pior que se pode fazer a um ser humano? Exatamente a mesma coisa. Sem esperança, não há lugar a propósitos, a objetivos, a sonhos, a nada...
 
Há uma enorme diferença entre viver e sobreviver. Mas mesmo para sobreviver temos que ter um objetivo: viver. Viver para sonhar. Sonhar que vamos alcançar algo. Algo que nos faz lutar para viver.
 
Pois, é mais uma "pescadinha de rabo na boca".
 
Quando se retira a esperança a um jovem de vinte ou trinta anos ele ainda tem motivos para sobreviver.
 
Mas quando se retira a esperança a alguém com cinquenta anos quais são os motivos para se levantar e recomeçar a lutar?
 
 
E porque hoje estou numa de questões sem sentido, o que sente um ser humano quando destrói outro ser humano, usando aquela arma fantástica que dá pelo nome de "hipocrisia"?
 
Sente-se mais rico? Mais inteligente? Mais poderoso? Será que bebe uma taça de champanhe e come uns moranguitos com prazer redobrado? Será que chega a casa e faz sexo como se tivesse acabado de tomar uma caixa de viagra?
 
Quando era criança sonhava ser uma mosca. Sim, uma mosca. Para poder encontrar as respostas que não encontramos nos livros...
 
Hoje, a música é esta.
 

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Porque o amor não distingue o sexo...


 
Porque sou contra a hipocrisia que admite um homossexual de adoptar mas não um casal de homossexuais.
 
Porque sou contra uma lei que preferia ver crianças em orfanatos do que numa família (seja ela de uma ou duas pessoas, seja ela de duas pessoas de sexo igual ou diferente, seja ela budista, muçulmana ou cristã, seja ela rica ou pobre...) que lhe dê carinho, a mime, que a conforte, que seja o seu porto de abrigo.
 
Hoje estou feliz. Não por mim, mas por elas. As crianças...
 
 

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

O que mais detesto?

Imagem da net


"Saudade tem rosto, nome e sobrenome.
Saudade tem cheiro, tem gosto.
Saudade é a vontade que não passa.
É a ausência que incomoda."
Lu Oliveira



Ter saudade.
 
Principalmente, de ter saudades de quem, provavelmente, já nem se lembrará de mim.
 
A saudade é uma "besta".
 
Quero ir para a "minha ilha"... ou para qualquer outro lado onde possa cantar esta música aos berros sem que ninguém me ouça.

"...My heart is numb, has no feeling.
So while I'm still healing..."
 
 

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Oficialmente "cota"...



Imagem da net



Quando no dia 12 de Dezembro de 2007 a filhota mais velha atingiu a maioridade foi um verdadeiro "soco no estômago". Pela primeira vez tive consciência de que o tempo não espera por ninguém. Corre ágil e livre. Nunca segue atrás de ninguém. Quem quiser que o acompanhe.
 
Apesar de tudo, recordo-me de continuar a persistir no mesmo erro e de pensar: "Tudo bem, ainda tenho a filhota mais nova. Ainda tenho tempo".
 
No passado dia 17, o tempo olhou para mim e deu uma gargalhada. Aquele ser indefeso, de olhos profundos e sorridentes, é agora uma Mulher.
 
Tenho a tentação de olhar aquelas fotos que na minha mente nada têm de longínquo. Partida ou mera defesa do meu "quinto piso"?
 
Apenas sei que aqueles seres indefesos nunca foram, não são, nem nunca serão meus. São da vida. Mas sei também que tal como no passado e no presente sempre darei tudo por eles.
 
E tal como este tema que foi um dos mais tocados no ano de 1997, espero que ela nunca deixe de sonhar. Mesmo quando a vida nos diga que o sonho é um verdadeiro disparate...
 
 
 
 

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Olha...sou malévola e sádica e nem sabia...

 
Imagem da net
 
 
Gostam de café sem açúcar?
 
Gostam de vinagre e limão?
 
Então não se ponham a rir porque são como eu.
 
É que, segundo um estudo publicado aqui, "as pessoas que gostam de sabores amargos têm personalidade malévola e com forte tendência para o sadismo".
 
A notícia completa pode ser lida aqui.
 
 

Mensagens