terça-feira, 23 de março de 2010

FIM DO CICLO...



"Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final...

Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.

Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.

(...)

Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram a certas coisas, que eram tão importantes e sólidas na sua vida, e que acabaram súbitamente transformadas em pó.

Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seus amigos, seus filhos, seus irmãos, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no Presente e no Passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem connosco.

O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação que já foi embora e que não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora...

(...)

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se...

Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos.

Não espere que lhe devolvam algo, não espere que reconheçam o seu esforço, ou que descubram o seu gênio, e que entendam o seu amor.

(...)

Não há nada mais perigoso do que rompimentos amorosos que não são aceites, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do "momento ideal".

Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará!

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade.

Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.

E lembra-te:
Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão"...

Fernando Pessoa



Hoje encerrei um ciclo na minha vida. Tento interiorizar este texto de Fernando Pessoa.


Racionalmente, sei que ele tem razão.

Emocionalmente? Não é difícil ultrapassar a desilusão. Mas uma esperança perdida?

Não sei quando me vou levantar. Nem sei se me levantarei.

Mas o ciclo está fechado e não se fala mais nisso.

Já agora, onde raios anda o amor?




14 comentários:

Eu Mesma! disse...

Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão....

eis uma frase cruelmente verdadeira...

Abobrinha disse...

O bom com ciclos que se fecham é que se abrem outros novos.

Miguel disse...

O amor é alinha que separa duas vidas distintas: a vida antes do amor e a vida depois do amor.

Quem já viveu o amor jamais se conformará em voltar a viver uma vida antes do amor...

É por isso, Ni, que custa cada dia...

Beijinho grande (de não estás sozinha e deves saber disso...)

Lena disse...

Texto com frases que não deixam dúvida. Só assim se pode continuar...
E já agora, onde anda o amor? Anda no ar, claro! Mais tarde ou mais cedo volta a pousar mesmo à nossa frente.

Sadeek disse...

A mudança é boa Ni. Faz-nos evoluir...

BEIJOOOOOOOOOOO

NI disse...

Eu Mesma, quanto mais não seja para dizer que não vale a pena "bater mais no ceguinho" :)

Abobrinha, não quando o fim do ciclo coincide com o fim da linha. E é esse o caso. :)

Miguel, quem me dera estar sozinha no meu gabinete. Tinha uma crise de choro e ficava bem. Fazer isso à beira de um trintão não ia ficar nada bem, ahahahahahah

Lena, não sei, não. As alterações climatéricas andam a trazer muito vento para estes lados, ahahahahah

Sadeek, evoluir para onde se já não há mais nenhuma saída para evoluir. Cheguei ao fim da linha. Só tenho que encostar às boxes. :)

Beijos

LBJ disse...

Passei a minha vida a tentar remendar, escolher a evolução em detrimento da revolução. Não sei do que falas, apenas te posso dar o meu exemplo, há 6 meses fechei atrás de mim todas as portas, fiz reset à vida e as janelas começaram a se abrir e o passo que dei atrás foi compensado com a possibilidade de dar dois passos em frente.

Beijos e força

NI disse...

LBJ, essa foi sempre a minha postura até agora.

Contudo, face à minha idade, cheguei ao fim da linha e já não há qualquer hipótese em termos de abertura de janelas e portas.

Bem que gostava!

:)

Beijos

Miguel disse...

Ni,

Com a tua idade não se abrem janelas e portas?

Vou ter de ir aí "dar-te um enxerto de porrada"?

Mas que tosquice é essa?

Quantas pessoas descobrem o Amor, o verdadeiro Amor depois dos 40?
Quantas começam uma nova etapa profissional, até mais velhos?


Vou ali comprar um chicote... vai-te preparando!!!

Mas que assolice!!!!!!!!!!!!!!!!!

Por favor!!!!

Vamos a colocar os pés no chão, ok?

NI disse...

Por estar com os pés bem assentes no chão é que faço tais afirmações.

É completamente impossível haver alterações da situação. Eu sei que é difícil de entender para quem não está na posse de toda a situação mas também não posso acrescentar muito mais.

Quanto ao chicote: sou como tu. Apesar da idade sou liberal mas com alguns limites. Garanto-te que o sadomasoquismo não cai na minha lista de preferências, ahahahahahah

Ainda se me oferecesses um café...

Beijo

Miguel disse...

Ni,

Pois eu também não estou a ver a situação mas tento imaginar o que poderá levar uma pessoa na tua idade, que é praticamente a minha, a dizer tal coisa...

Penso, penso... e penso um pouco mais a trás também... tento ver tudo o que li aqui (que não é muito, ou pelo menos há muito tempo...) e tenho dificuldade em compreender...


Eu, na tua idade, perdi tudo o que era importante, realmente importante, para mim... Uma mulher que amava há 16 anos (e que sei que amaria toda a vida...), deixei de viver com os meus filhos (à pequenina era praticamente eu que fazia tudo...), dois meses depois tentaram despedir-me, estive meses em casa, quase sozinho... Só não perdi a minha casa mas até isso podia ter acontecido, vê lá...

Comecei tudo praticamente do zero... aliás, pior ainda porque fiquei com uma divida que era da empresa da minha ex-mulher que ainda hoje sou eu que pago pois a garantia dessa divida é a minha cas!

Passei um 2007 muito mau, tive um 2008 bom porque no fim de 2007 conheci alguém que pensei especial e, com algum sacrificio, tive um ano bom, depois tive 2009 que foi só o pior ano da minha vida... E cá estou, quase pronto para encarar a vida de frente outra vez...

Espero, um dia, algures por aí, que alguém faça o sol brilhar de outra forma e o resto vai-se vivendo até porque há outras pessoas que dependem de mim e não dá mesmo para ficar sentado à espera que "o amor aconteça" (nem sequer acredito nisso...)!

Entendes, jovem Ni?

:p

NI disse...

Meu jovem Miguel, se arranjares um emprego para esta jovem jurista dou-te um doce.

Falando sério, que empresas conheces que dá empregos a mulheres de 45 anos com as minhas habilitações e que me dê o que ganho actualmente? Nenhuma. Basta correr as ofertas de emprego e verificar o limite de idade que impõem.Acredita.

Quando temos responsabilidades temos que ter os pés bem assentes na terra, mesmo que tal implique sentirmos que a nossa auto estima ficou arrasada.

Se não tivesse responsabilidades...bom, não ficava quietinha. Isso não...

:)

Beijo

Miguel disse...

Jovem Ni,

Não disse que era facil...

Disse que continuam a haver portas e janelas... O mais certo é que não ganhes o mesmo mas outro emprego podes arranjar. Essa nãoé a minha area, por isso não tenho conhecimentos sobre a materia.

E criares algo teu?
Podes trabalhar em casa, não?
É um principio!


Não te deixes ir abaixo. Pelo menos muito abaixo!
Mantem o olhar em frente...

beijinho

Djinn disse...

É bem verdade este texto..custa mas os ciclos fecham-se, podem deixar cicatrizes, mas com o tempo serão apenas mais uma fina linha...

Eu compreendo porque já fechei alguns...

Beijo grande minha amiga

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso