terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Ai, a indiferença...


 
Imagem da net
 
 
O pior pecado contra nosso semelhante não é o de odiá-los,
mas de ser indiferentes para com eles.
George Bernard Shaw
 
 
 
Sim, aquela que vem de quem é importante para nós.

Aquela que nos transmite a terrível sensação de que estamos a mais.
 
A que, devagar (mesmo muito devagar), nos vai alimentando a ideia de que não somos importantes.
 
Pois, o verdadeiro problema é que as ideias, essas, não são indiferentes....e vão criando raízes...
 
 
Vamos até 1979 para ouvir este tema da Senhora Rita.
 
 

7 comentários:

Same Old Guy disse...

Sem dúvida. E é a mesma arma que teremos de saber usar quando quem é importante para nós nos magoa, desilude e prova que teve uma importância, tempo de antena, que não fez inteiramente por merecer.

A indiferença é uma arma poderosa, tem de ser usada com cuidado!

Beijo grande* ...nunca indiferente

NI disse...


Pois eu manifesto a minha total inabilidade para lidar com a indiferença. Querem-me magoar? Eis a arma secreta.



Beijo enorme (é maior que grande?) e recíproco.
:)

Nikita disse...

Tens toda a razão.
Pior do que todas as diferenças que possam existir, pior do que discutir, pior do que nos desentendermos, só mesmo o facto de sentirmos que somos ignorados.
É algo que sentimos que nos vai matando por dentro.
Não há nada pior do que gritar e sentir que ninguém ouve!

Beijo NI

NI disse...

Nikita, mas olha que gostava de conseguir "responder" à letra.

Beijo

Sorriso disse...

Sim a indiferença é quanto a mim a arma mais poderosa que existe, pior que ódio.. e deve ser usada com cuidado. Pessoalmente só a uso se me magoarem muito.
Se for a vitima e me sentir injustiçada, tento ultrapassar e saber viver com isso, mas é dificil é...

Um beijinho Ni e que não seja indiferente:)

S* disse...

A indiferença é dos sentimentos mais feios.

NI disse...

S*,e uma verdadeira "arma".

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso