terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

A teoria da prateleira...


Imagem da net


“Tentaram e conseguiram pôr-me na prateleira.

Mas a verdade é que os outros artistas estão na prateleira e eu estou cá.”

José Cid

 
O “síndrome da prateleira” era geralmente usado para designar aquelas mulheres que não conseguiam arranjar parceiro.

 
Mas a consolidação (?!) da dita emancipação feminina depressa afastou tal conceito. Qual prateleira, qual quê. Se a mulher não tinha parceiro era porque não queria.

 
Mas a prateleira tinha que ser ocupada. De facto, para que exista uma prateleira? Para colocar algo sobre ela, certo? Certo.

 
Ávidos de preencher o vazio, eis que meia dúzia de iluminados encontraram a solução: procurar aqueles que podem ser potenciais adversários, (entenda-se, obstáculos), para uma carreira fulgurante e colocá-los na prateleira. O método é sempre o mesmo: durante uns meses não dar trabalho e remetê-los a uma sala sem luz directa onde cumprem o seu horário de trabalho e, preferencialmente, sem contactos com o exterior. Estilo solitária do sistema prisional, estão a imaginar?

 
Convenhamos que é uma excelente táctica. O problema é que o potencial adversário, se é de facto bom, encara a prateleira como um desafio e vai-se preparando para a batalha final.

 
Afinal, tem muito tempo livre…
 
 
E hoje não há música (não vá o dito cujo da prateleira começar a dançar à falta de outra coisa para fazer)!

4 comentários:

Sorriso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lirio Selvagem disse...

Já estive 2 meses na prateleira, mas um bom advogado resolveu a questão da estante :)

Never Told Words disse...

A minha mãe diz que ficarei para tia.. aqui descubro que estou na prateleira lol

cantinho disse...


Eu já estou na prateleira há muitos anos (solteira), mas não me preocupo.
As actuais "arrumações" são bem mais preocupantes,mas nada como ser persistente e mostrar força.
Beijinho

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso