domingo, 8 de maio de 2011

Amor é...



O amor é uma tentativa de penetrar no íntimo de outro ser humano, 
mas só pode ter sucesso se a rendição for mútua.Octavio Paz 


Não me perguntem porquê mas juntar palavras como "sucesso" e "rendição" numa frase que pretende definir o amor não me seduz.

E como hoje estou numa de romantismo bacoco (deve ser um dos meus "peixes" que está com as hormonas avariadas), fiquem com uma música bem antiga e que é propícia a quem está em boa companhia.




 

7 comentários:

Francisco o Pensador disse...

Não te seduz e nem sequer faz sentido.
Para uma rendição ser mútua, tem que abranger as duas partes, logo...quem ficaria com a missão de "tentar penetrar" se ficaram os dois a agitar bandeiras brancas? :)

Tentativa de penetrar...rendição mútua...
Cá para mim este tipo estava mas é a pensar em sexo...

Bjs

NI disse...

Bom, se estava a pensar em sexo, já se compreende melhor o pensamento.

:)

The Girl That lived in a bubble.. high in the clouds.. disse...

Desculpem a intromissão.. Mas..
Vá lá, se pensarmos bem até faz sentido..
Até porque amor que é amor tem de ser um mar de contradições.. certo?
E o que o senhor está a dizer até faz sentido... Para penetrar no mais intimo de outra pessoa precisamos sempre de uma rendição completa.. E vice-versa (dai a rendição mutua) o que não quer necessariamente dizer que ambas as partes estão simplesmente rendidas.. Estão rendidas mas a conquistar ao mesmo tempo (acho que é mais ou menos uma contradiçao que faz sentido neste caso).
(Parabéns pelo blog!)

NI disse...

The girl..., para comentares desta forma podes intrometer-te quando bem entenderes. :)

Uma das razões pelas quais gosto de pensamentos é que eles permitem interpretações diferentes.

Se entendermos rendição como "nos darmos" sem qualquer tipo de reserva mental, o pensamento tem algum sentido. De qualquer forma, o que não gosto neste pensamento é a utilização dos termos.

E, obrigado.

:)

Francisco o Pensador disse...

The girl, primeiro deixe-me dizer-lhe que apreciei imenso o seu comentário.
Em seguida...sou forçado a manter a minha opinião sobre um sentido que ficou mal estruturado neste pensamento, sobretudo, como disse a Ni e bem, naquilo que diz respeito aos termos utilizados pelo autor.

Repare que o pensamento começa forte:" O amor é..."
Alto! Temos aqui um tipo que sabe o que é o amor, vamos ouvi-lo com atenção.
O amor é uma tentativa...
Uma tentativa? Só isso? Nunca chega a ser nada concretizado? Materializado? Fica-se apenas pela intenção?
Não podia ter escrito:" O amor também estás na tentativa.."?
Não, preferiu dizer que o amor É uma tentativa.
Logo, se o amor é a tentativa...tudo o que se segue deixa simplesmente de interressar...entende a ideia?

Em seguida diz que só ter "Sucesso" se a rendição for mútua. Mas qual sucesso? Sucesso na tentativa?
Para a tentativa ser bem sucedida, é isso?
Ok, rendi-me...faz lá a tua tentiva e mesmo que não consigas penetrar no meu íntimo, ganhastes uma vez que conguistes fazer a tentativa e o amor é isso...
é algo que nasce e morre na tentativa.

Hilariante!

Como vê, a frase tem uma mensagem muito mal estruturada que acaba por não ter sentido nenhum, à semelhança de muitos pensamentos que circudam por ai, ditos por supostos grandes autores. São frases bonitas, que leva o ser humano a sonhar, a fantasiar, mas que não tem sentido prático.

Os meus cumprimentos. :)

NI disse...

Ai...

Agora os cumprimentos fizeram-me lembrar alguém, ahahahahah

The Girl That lived in a bubble.. high in the clouds.. disse...

Ni E Francisco, concordo também com a vossa interpretação, realmente falta alguma estrutura, algum apoio digamos assim, ao que o que senhor quis dizer.. Talvez devesse ter dito, o amor é também ou o amor passa pela tentativa.. Mas pelos visto decidiu cortar e deixar o resto para a imaginação do leitor, eu como sou uma romântica "complicadita" no escrever tirei essa ilação.
Faz-me lembrar um bocado o escrever Pessoano talvez.
Deixa realmente um bocado a desejar :)
Um grande bem haja!

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso