domingo, 6 de abril de 2014

Vão ficar por casa?

 
Nos últimos meses tenho optado por ficar em casa aos fins-de-semana.
 
Se no sábado o dia é tirado para fazer limpezas e afins, os domingos geralmente têm um só sentido: a cozinha.
 
Hoje não é excepção. Depois de tomar dois cafés, sem os quais neurónios e músculos não começam a funcionar, coloquei, literalmente, as mãos na massa.
 
O resultado foi este:



Depois de uma amiga me ter dado a receita decidi fazer os chamados "pães de Deus".
 
São extremamente fáceis de fazer e para quem quiser aqui fica a receita para 10 bolos:
 
500 g. de farinha brioche.
235 ml de água morna
100 g de coco
100 g de açúcar
1 ovo e 1 gema
 
Misturam a farinha com a água e amassam com as mãos enfarinhadas. Quando a massa estiver bem ligada colocam a repousar cerca de uma hora para levedar.
 
Depois, numa superfície polvilhada cm farinha, colocam a massa e fazem dez bolinhas que colocam num tabuleiro forrado com papel vegetal e deixam repousar mais hora e meia para levedar mais.
 
Entretanto podem fazer a cobertura. E só juntar o açúcar, o coco e o ovo inteiro e envolver bem.
 
Passada a hora e meia, pincelam cada bolinha com a gema de ovo e colocam a cobertura de coco que fizeram.
 
Vai ao forno pré-aquecido a 200º durante 15 minutos.
 
Deixam arrefecer e polvilham com açúcar em pó.
 
Depois...bom, depois, comam e que vos saiba bem.




5 comentários:

AC disse...

Têm tão bom aspecto mham mham...

Beijinho :))

O Blog da S. disse...

Mas que óptimo aspecto!!!

Same Old Guy disse...

Estás feita uma cozinhadeira de mão cheia!! Mas foram só 4?
:p

Beijo (a modo que provocador)

Ricardo Santos disse...

E essas deliciosas arrufadas/pães de Deus custam quanto ? As que fizeste claro ! E em que padaria em que as vou encontrar ?
Estão com um aspecto delicioso !
Só de visitar alguns Blogues engordo ! :)))

cantinho disse...

adoro esses pães de Deus.
Vou experimentar.
Obrigada.

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso