domingo, 25 de março de 2012

Dos erros...




Não, não vou falar dos erros que todos nós vamos fazendo ao longo da vida em matéria de afectos e de encarar a vida. Estaria aqui a vida toda e não conseguiria enumerar todos.

Vou falar daqueles erros que consistem em, sem querer, alterar todo o sentido de uma frase. Se num diálogo esses erros podem passar despercebidos o mesmo não acontece quando estamos a escrever um texto que vai ficar para memória futura.

Como este que se pode ler num aviso paroquial:

" Prezadas senhoras, não esqueçam a próxima venda para beneficência.
É uma boa ocasião para se livrar das coisas inúteis que têm em casa.
Tragam os seus maridos! "

Ora qui está uma excelente ideia de como "despachar um marido". Mas não deve ter sido esta a ideia do Sr. Pároco da aldeia.

Mas deu-me ideia para um desafio: já escreveram ou disseram algo que possa ter induzido alguém em erro? O quê?


A música de hoje? Após uma noite de insónias só podia ser esta.


5 comentários:

Conto de Fadas disse...

O padre é que sem saber provavelmente disse uma grande verdade! Sim, já disse algumas que, depois quando pensei, me saíram mesmo mal...

Conto de Fadas disse...

"Tem aqui o seu troco. Quando se vier é só trazer o talão..." por exemplo. :D

S* disse...

ahahah Mas que grande falha!

AC disse...

uuiiii, que riso! O padre nem deve ter reparado, mas bela associação... coisa inúteis e maridos....hehehe

Lembrei-me de uma anedota do tempo do Salazar.
Uns revoltados contra o regime escreviam numa parede:

Morte ao Salazar não faz falta à nação!

Entretanto chegou a PIDE e queria leva-los presos ao que eles responderam... calma ainda não acabámos falta a pontuação.

Morte ao Salazar? não! Faz falta à nação!

desejo disse...

Já me saíram algumas. O português tem estas coisas que não lidas com cuidado, são mal interpretadas.
Noite de insónias?!

:)

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso