quinta-feira, 15 de março de 2012

A filematologia ou a ciência do beijo...


Vamos recuar até 2009 e recordar um post de então.

Naquele tempo andava muito "beijoqueira" pelo que o tema foi o beijo. Ou melhor, a filematologia. Ai não sabiam que o estudo do beijo é uma ciência?

Pois fiquem a saber que beijar tem muito que se diga.

Não é só lábios juntinhos ou dança de línguas.
Os cientistas acreditam que um simples beijo pode determinar o futuro de uma relação.

Mais, ainda, combate a depressão (ups, tenho que voltar ao estado de "beijoqueira").

E, mais uma vez, lá vêm outras vez as feromonas, (foi tema de outro post mas se a ausência de imaginação persistir vai cair aqui de novo), e tudo terminado em "monas" como "Figueiró dos Vinhos".

E a equação anatómica e fisiológica de um beijo? Bom, nem queiram saber... O acto põe em acção vários músculos, cujo número varia em função da intensidade...  a pressão exercida pode atingir os 12 quilos, os batimentos cardíacos disparam dos 70 para os 150 por minuto e são trocadas pelos menos 250 bactérias Fosga-se...

Mas como o saber não ocupa lugar, vejamos a notícia assinada pelo Nelson Marques do “Expresso”:

“...Afinal, porque beijamos? Simples: porque queremos. Porque nos rendemos aos afectos e nos deixamos levar pelos impulsos românticos. E, contudo, explicam os cientistas, o fenómeno é muito mais complexo que a simples comunhão de duas bocas, seja no entrelaçar das línguas ou, com menos saliva, na união de dois lábios (ou, para ser mais rigoroso, dois pares de lábios). Por isso criaram a filematologia, a ciência que estuda o beijo e as suas funções...

...Por detrás de cada gesto escondem-se não só um emaranhado de reacções orgânicas, mas também uma miríade de motivações que nem sempre são óbvias. Beijamos por paixão, mas também por costume, educação, respeito e até por mera formalidade. A própria forma como beijamos varia de acordo com o que queremos expressar.

Segundo o antropólogo inglês Desmond Morris, as origens do beijo estão num instinto bem mais primário: o das mães primatas mastigarem a comida e a passarem às crias através da boca, um costume que sobrevive ainda em algumas tribos do Planeta. O gesto, especula Morris, terá evoluído para uma forma de confortar crianças esfomeadas quando a comida escasseava e, mais tarde, para demonstrar amor e carinho.

Para outros cientistas, beijar está ligado ao complexo processo de escolha de um parceiro. Quando duas pessoas se beijam, trocam uma série de informações (gustativas, mas também olfactivas, tácteis, visuais e até de postura) que, inconscientemente, as ajudam a perceber o grau de comprometimento do outro na relação. O gesto pode revelar até que ponto se está perante a pessoa ideal para formar família, sendo por isso uma acção fundamental para a sobrevivência das espécies.

...Beijar activa a libertação de feromonas que, ao serem detectadas, de forma inconsciente, pelas mulheres, as ajudam a escolher os parceiros que terão uma melhor descendência... Aqui funciona a lei de que os opostos se atraem: elas preferem homens com um CMH diferente do seu, uma escolha influenciada pela Natureza: juntar parceiros com diferentes genes do sistema imunológico fortalece as defesas da geração seguinte, melhorando, assim, as hipóteses de sobrevivência da espécie.

Talvez por isso, a ciência tem demonstrado que o primeiro beijo pode ajudar a afastar o que as forças do romantismo uniram... Segundo um estudo publicado na revista científica "Evolutionary Psychology", 59% dos homens e 66% das mulheres admitiram já ter perdido o interesse por alguém após o primeiro beijo.

A investigação revela outros dados interessantes, que vêm confirmar alguns estereótipos sobre os comportamentos sexuais dos dois géneros: os homens utilizam mais o beijo como um meio para atingir um envolvimento sexual e estão mais predispostos a ter sexo sem beijar, com alguém que considerem beijar mal ou mesmo com alguém por quem não se sintam atraídos. Já as mulheres, intuitivamente, tendem a usar o beijo para avaliar o estado da sua relação e o grau de comprometimento do seu parceiro.

O estudo revelou outro dado curioso: os homens preferem beijos mais molhados e com mais contacto de língua. A opção, percebe-se agora, não é ingénua. A saliva masculina contém grandes quantidades de testosterona que podem afectar a líbido das mulheres. Os cientistas baralham outra hipótese: a dos homens terem uma menor capacidade de detecção química e sensorial, precisando por isso de mais saliva para fazer a sua avaliação da parceira...

... Por paradoxal que possa parecer, pode também ter efeitos terapêuticos, por exemplo, no combate à depressão. Segundo um estudo realizado no Reino Unido, beijar estimula o cérebro a libertar endorfinas, substâncias químicas que funcionam como uma espécie de 'opiáceo' natural do organismo, proporcionando sensações de prazer, euforia e bem-estar que ajudam a combater a depressão. Quanto mais excitantes e apaixonados os beijos, maiores os benefícios para a saúde. Além disso, baixa os níveis de cortisol, conhecida como a hormona do stress, e pode até funcionar como uma forma de 'vacinação' natural dos bebés: ao beijar o seu filho recém-nascido, a mãe transmite-lhes, de forma diluída e progressiva, os seus germes, desencadeando as defesas do organismo do bebé.

Indiferentes às dissertações científicas, beijamos, sobretudo, pelo prazer de beijar. Porque é, afinal, disso que se trata: de um prazer magnético em que duas almas se unem. Que importa o resto?”


6 comentários:

desejo disse...

Conheço o artigo.
As opiniões dos cientistas são variadas.
Uma coisa é certíssima : o homem que gosta de beijar, prefere o beijo húmido e com a língua.
Não vejo em que possa afectar a libido da mulher. Pelo contrário.
Concordo que muitas mulheres perdem o interesse pelo homem no primeiro beijo.
Finalizando, beijar é muito bom.
O beijo com amor é, para mim, um dos actos que mais admiro numa relação.
Gosto de beijar.

:)

Karochinha disse...

Gostei particularmente desta última frase: "Porque é, afinal, disso que se trata: de um prazer magnético em que duas almas se unem. Que importa o resto?". Acho que está uma descrição perfeita do acto de beijar e obrigada Ni, desconhecia que beijar envolvia ciência...eh eh, apesar de já saber que este acto está associado ao prazer, até à queima de calorias e à felicidade!
Beijocas nossas ;)

S* disse...

Que interessam essas questões técnicas? Eu não sou muito beijoqueira, prefiro mãos dadas e abraços apertados... mas há poucas coisas que me aqueçam mais o peito (e o resto... ahahahah) do que um bom beijo no pescoço.

AC disse...

A técnica é só mais um pormenor.Adoro beijos e perco-me neles.Poucos homens exploram a magia dos beijos, e investem com sabedoria neles...mas um beijo é mágico e delicioso, o verdadeiro inicio de mais qualquer coisa:)

GATA disse...

Não sou muito dada a beijos e abraços... E estes estudos parecem-me sempre uma perda de tempo e de dinheiro! Mas, pronto, nada contra quem é beijoqueira(o)! :-)

Eli disse...

Interessante.

(Já conhecia algumas partes.)

:)

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso