quinta-feira, 27 de maio de 2010

Vamos terminar?



Uma das coisas mais difíceis em termos de exercício dos afectos é terminar relações.


São poucos os que conseguem chegar à frente de outra pessoa e, de forma simples e concisa, diga "acabou tudo entre nós", vire as costas e vá à sua vida.


Hoje, com as novas tecnologias há uma maneira ainda mais fácil. Não temos sequer que enfrentar os olhos da outra pessoa. Terminar uma relação está num "enter" ou num "ok".


Mais fácil ainda? Simplesmente "desaparecer". A indiferença e ausência encarregam-se do resto.


Quem persiste em enfrentar as situações mas não deseja magoar o "outro" lá vai treinando em frente ao espelho o eventual diálogo.


Será que terminamos uma relação sempre da mesma forma? Não depende do tipo de relação que estamos a terminar?

6 comentários:

Eu Mesma! disse...

Acho que consoante o que a pessoa significar para nós.. a nossa forma de estar no momento e as quais as razões para o afastamento... a forma de acabarmos é sempre diferente...

nao existe uma receita unica!

Sadeek disse...

Não terminamos. Eu pelo menos não termino. E sempre foi a pior coisa que alguma vez tive de fazer. Doloroso, pá!

Beijãoooooooooooo

Ana disse...

Acho que nunca se termina um relacionamento da mesma forma, depende do tipo de relacionamento e das razões, principalmente.

Seja como for, acho que a pior coisa que se pode fazer a alguém é "desaparecer" sem dizer nada. Seja lá quem for, merece sempre uma explicação.

só 1 mulher disse...

Cada relação é uma relação, assim como as pessoas envolvidas.. nunca conseguimos terminar uma reelação da mesma maneira..

1 beijinho

najla disse...

Depende de tanta coisa. Basta que as pessoas sejam diferentes para haver um relacionamento diferente e por arrasto um termino, também ele diferente. Nós próprias mudamos, com a idade, maturidade, etc. Nada é igual.

Miguel disse...

Deves ter um dom qualquer...

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso