segunda-feira, 30 de abril de 2012

O que a vida me ensinou...



" Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência.
Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão."
Lao Tsé


Na minha profissão deparo-me quase todos os dias com pessoas prepotentes.

Pessoas que pensam que são as detentoras da verdade.

Pessoas que pensam que sabem sempre mais do que as outras.

Pessoas que não têm a capacidade de serem humildes porque escondem a sua maior fraqueza, a insegurança, numa redoma de ilusão.

Perante essas pessoas só tenho uma reacção: um sorriso benevolente, uma palmadinha nas costas e a frase "tem toda a razão, qualquer coisa que eu dissesse seria manifestamente uma pura perda de tempo".

Não gostam muito mas sempre é melhor do que dizer: "fique lá com a batata frita mas tenha cuidado para não se engasgar".


*

4 comentários:

Confuskos disse...

Parece-me que tens a situação sobre controlo!!!

Eu já tive uma situação dessas em obra, confesso que fiz um pouco como tu, foi uma situação em que iam furar abrir um rasgo horizontal numa laje alijeirada, com isso diminuindo a sua resistência ao cortar o ferro nela existente e foi algo assim:
Eu: Vocês sabem que não devem fazer isso?
Eles: Sim
Eu: Independente de eu me queixar, ou não, tem de ser na mesma, não tem?
Eles: Tem.
Eu: Então..!

... desde então quando me tiram dúvidas, ouvem-me. Quando sabem a resposta fazem o que têm a fazer!!

Beijinho*

Utena disse...

Ignora minha querida mesmo sendo o que mais custa... é o que vale a pena.

Beijo

Malena disse...

São os chicos espertos... Mais dia menos dia vão bater de frente contra uma parede e aí... **

Tinta Permanente disse...

Gostei da batata frita. A minha mãe é jurista e insiste bastante na Ideia de as pessoas pensarem que são detentoras da verdade. A verdade é uma ilusão, penso eu. Depende dos interesses de cada um. A verdade para ser verdade precisa de um mediador. Um mediador idóneo.
Abraço,
TP

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso