domingo, 21 de fevereiro de 2010

Quem sou eu?




Há uns tempos atrás disseram-me que eu era uma pessoa contraditória.

Que era difícil de conhecer e entender.

Não respondi, apenas sorri porque a pessoa para chegar a essa conclusão já tem que me conhecer um pouco. Tanto como eu me conheço a mim própria.

Assumo, sem qualquer tipo de problema, que sou uma pessoa difícil de conhecer e de entender. E, sim, sou uma pessoa contraditória.

Se o espelho mostrasse para lá do que somos no exterior, provavelmente apareciam vários reflexos...
Sou capaz de enfrentar o maior desafio com uma calma surpreendente, e perder a calma só porque uma pessoa passa à minha frente numa fila.

Sou capaz de ver partir para sempre uma pessoa que amo e não verter uma lágrima, e desatar numa autêntica choradeira a ver um filme romântico.


Sou capaz de estar uma semana sem falar com ninguém, e convidar meio mundo para uma jantarada em minha casa.

Sou capaz de me esquecer de pentear o cabelo antes de sair de casa, mas não me esqueço dos aniversários de quem gosto.


Na verdade, não sei muito bem como sou, porque todos os dias cresço...
Florbela Espanca tem uma frase que se aplica bem ao tipo de pessoa que sou:

"Sou uma céptica que crê em tudo,
uma desiludida cheia de ilusões,
uma revoltada que aceita, sorridente,
todo o mal da vida,
uma indiferente a transbordar de ternura"




8 comentários:

Eu Mesma! disse...

sabes uma coisa ni...
pessoas faceis de conhecer e previsiveis são chatas... sao irritantes... sao mesmo previsiveis...

quem não e facil de conhecer nao e previsivel e como tal... bastante mais interessante :)

S* disse...

Posso-me esquecer de mim. Mas do que amo... nunca.

NI disse...

Eu Mesma, só tu é que me compreendes, ahahahahahah

S*, exactamente :)

Miguel disse...

Bem, tenho de vir aqui discordar... bastante.

A fiabilidade das pessoas é importante. As pessoas imprevisiveis é que são estimulantes? LOL!!! Não me façam rir logo numa 2ª de manhã!!!
Nem consigo encontrar argumentos para um pensamento destes... mas deve haver algum, claro! Eu é que não chego lá!

Como podes contar com alguém que é imprevisivel? E fico-me por aqui neste ponto.

Depois, mais uma daquelas frases feitas que cabe em todo o lado e dá sempre uma ajuda importante para explicar de uma forma vaga o que não se quer muito pensado... "todos os dias aprendemos", logo estamos em crescimento sempre, logo não sei como sou!

Wrong!
Toda a gente é de alguma maneira. Toda a gente é alguma coisa.
As pessoas formam-se, no seu carácter e personalidade até uma certa fase da vida e depois seguem esse caminho. Caramba, acabei de fazer um comentário do género no meu blogue! Têm os valores e os ideais formados e é isso que seguirão o resto da vida, excepto se acontecer alguma coisa dramática que os faça mudar.
O que se aprende toda a vida são pequenas coisas que já não vão influenciar os teus valores.
Se, para ti, trair for uma coisa aceitável e normal, seres apanhado não vai mudar isso. Vai simplesmente fazer-te ter mais cuidado para a proxima. É isso que aprendes, e não que estava errado, porque isso já tu sabias, ou não o farias às escondidas.

Ni, antes deste paragrafo, onde não sabes muito bem quem és, tens todos os outros onde dizes claramente quem és. Não vês a contradição?

Há realmente pessoas mais claras, que vivem muito mais no branco e no preto, marcando bem as suas posições sobre os varios assuntos ou temas. Isso não os impede de ter duvidas e ter partes da vida nas zonas cinzentas, ou porque não sabem, ou porque ainda não sabem bem o que acham melhor, se a posição no branco, se a posição no preto. E há quem prefira viver o maximo no cinzento porque isso permite tudo, porque isso é comodo, porque quando marcarem uma posição (no branco ou no preto) sujeitam-se a que lhes apontem o dedo se falharem...

Mas, Ni, até esta opção de viver no cinzento é a definição que as pessoas querem para si. Poderá ser involuntária? Pode. Mas acho que na maior parte das vezes não é!

Bem, vou trabalhar que hoje vai ser complicado...

Beijinho

NI disse...

Miguel, o facto de seres imprevisível e contraditório não significa que não tenhas valores. Estamos a falar de afectos. E estes não são catalogados como sendo pretos ou brancos.

Quando eu digo que sou imprevisível é porque me adapto às situações e ajo em conformidade e àquilo que sinto no momento.

Isso não me torna nem mais, nem menos fiável. Torna-me num ser humano com emoções e estas, por vezes, não são (e não podem ser) racionais.

Bjs

só uma mulher disse...

É "saber viver", Ni.

1 beijinho

Malena disse...

Somos uma manta de retalhos que às vezes não se encaixam tão bem como deviam... Mas não será por isso que somos seres interessantes?

P.S.: Vim de visita e gostei! Até porque mulheres nos "entas", casadas há mais de vinte anos, não são comuns por estes lados. ;-)

NI disse...

só uma mulher, sou capaz de concordar contigo :)

Malena, antes de mais, sê bem vinda a esta sala de estar. Espero que gostes das nossas conversas.

E, tens toda a razão, entas e casadas há mais de vinte anos? Já merecia uma medalha, ahahahahahah

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso