sábado, 20 de fevereiro de 2010

O que mais te magoou até hoje?




Esta foi a questão que me colocaram durante uma conversa no talk.


Pergunta simples para uma resposta complicada. Foram tantas as situações que me magoaram ao longo de quase 45 anos.


A resposta que dei foi que nunca me deixei aprisionar pelo passado de forma a viver da melhor maneira o presente. E é verdade que todos os dias luto para viver o presente da melhor forma mas, não é menos verdade, que a pessoa que hoje sou resulta do meu passado.


A minha forma de estar, de pensar, de ver o mundo, de encarar os problemas, é o resultado desse passado.


Se hoje encaro os 10 Kg a mais que tenho com humor é porque me cansei de chorar quando na escola me chamavam "gorda", "barril" "Miss Piggy" (ok, este cognome ganhei à custa de um valente murro que preguei a um engraçadinho que na sala de aula se lembrou de me chamar gorda quando eu estava com uma paixão assolapada pelo colega dele. Ora, miúda de 12 anos que se preze não se podia ficar face a um insulto dessa natureza).


Continuando,


Se hoje encontro o meu refúgio na solidão e viajar para um local bem longe, mesmo estando rodeada de uma multidão, é porque foi a forma que eu encontrei de fugir da sensação de abandono quando, ainda criança, saí por uns tempos da casa dos meus pais para ser criada pela minha avó.


Se hoje encaro a morte com toda a naturalidade, é porque desde cedo fui perdendo as pessoas que amava.


Se hoje não tenho grandes expectativas e ultrapasso as desilusões, é porque aprendi muito há doze anos atrás: estava grávida de oito meses e devido a uma taquicardia estive uma semana internada nos cuidados intensivos de um hospital. Durante essa semana, ligada a fios e máquinas cujo nome não me dei ao trabalho de decorar, apenas tive a visita de uma amiga no 2º dia. Mais nenhum familiar e/ou amigo me foi visitar. Apesar disso, sobrevivi física e psicológicamente. A lição que retirei? Várias: de que não tinha tantos amigos como pensava; que não podemos restringir a nossa vida à família porque ela, por vezes, não está disponível ou apenas nos procura quando precisa de nós e, acima de tudo, nunca demonstrar que nos podem magoar. Tive a minha filha e durante sete meses assumi tudo sózinha, recusando qualquer ajuda que então todos se prontificaram a dar. Tinha que provar a mim própria de que conseguia. E consegui.



O que mais me magoou até hoje? Muitas coisas...mas, sem elas, não seria a pessoa forte que hoje sou. Não me levantaria da maneira que me levanto sempre que a vida me prega uma rasteira. Porque só ficámos no chão se quisermos e não quando os outros quiserem...
E vocês? O que mais vos magoou até hoje?



10 comentários:

S* disse...

Murro no gajo... eheheh

Bem... ser traída.

NI disse...

S*, ele não merecia outra coisa. Ainda hoje, tantos anos volvidos, o dito cujo quando me vê trata logo de mudar de passeio, ahahahah

Miguel disse...

Poucas perguntas serão tão fáceis para mim...

O que mais me magoou até hoje foram as desilusões com as pessoas. Em primeiro lugar, até surpreendente para mim, a minha ultima relação. A pessoa que mais gostei (amei) foi responsável pelo pior ano da minha vida e pelo pior aniversário que já tive. Em segundo lugar, a mãe dos meus filhos, não pela quebra de um sonho, mas pela ingratidão que ainda hoje demonstra e pelo pouco cuidado que tem com as crianças...

E pensar que estas foram as 2 mulheres que mais amei na vida...

só uma mulher disse...

Ni,

O que mais me magoou até hoje, foram indiscutivelmente as pessoas... mais concretamente as pessoas relacionadas com os meus relacionamentos...
Para descomprimir.. eu fui a Miss Piggy durante muito tempo... era gooordinhaaa... nunca tive a coragem de dar um tabefe... merecido, diga-se...

1 beijinho

Eu Mesma! disse...

O que mais me magoou até hoje?

Passados quase 34 anos não te consigo responder... a intensidade com que fui magoada dependeu em muito da situação que nesse momento vivia...

sinceramente... nem sei realmente responder... nao sei mesmo... foi um sem numero de situacoes que... ao me relembrar delas umas nem me recordo o porque de ficar magoada... outra passados tantos anos nao percebo como não me magoei mais...

NI disse...

Miguel e só uma mulher,

Só o ser humano tem a capacidade de magoar outro ser humano. As desilusões são sempre de responsabilidade humana.

Eu Mesma, as tuas afirmações apenas revelam algo que há uns tempos atrás me recordo de te ter dito: começas a relativizar o que de mau te vai acontecendo. E isso é muito positivo. :)

Bjs a todos

Sadeek disse...

Curioso...não te consigo responder a isto Ni. E não por serem tantas que nem sei por onde escolher...é mesmo porque não me lembro de nada que me tenha marcado assim a esse ponto!

BEIJOOOOOOOO

NI disse...

Sadeek, essa é a melhor postura. Para a frente é que é o caminho :)

Beijo

Sadeek disse...

Não sei se é a postura que é boa ou se tenho tido alguma sorte... ;)

BEIJOOOOOOOO

só uma mulher disse...

Parece-me a postura adequada, Ni e Sadeek, consegui-la é que não é fácil.

1 beijinho

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso