terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Amor eterno...


Emanuel Wertheimer afirmou:

O amor eterno é de muito breve duração;
podemos odiar eternamente,

porém, amar eternamente, não.


Várias questões se levantam com este pensamento.


Vejamos:

Acreditam no amor eterno entre duas pessoas (e não falámos aqui do amor que deriva de laços de parentesco)?

O ódio é um sentimento mais forte que o amor?

11 comentários:

Storyteller disse...

Sinceramente? Não acredito. Acho que o amor tem prazo de validade. Embora não venha inscrito no rótulo, tem prazo de validade. É eterno enquanto dura.
Ou então sou eu que estou muito céptica...

Djinn disse...

Hmmmm e por acaso esta fotozita não será de Pompeia, Herculano ou daquele casal encontrado abraçado num túmulo :P

Hmmm eu acho que é eterno enquanto dura de facto...e por vezes pode durar uma vida :)

TM disse...

Acreditamos naquilo que desejamos acreditar.... e se é no amor que desejamos acreditar, porque não?

Sadeek disse...

Falamos então de amor entre um casal, certo? Não Ni, acho que não. Amor daquela forma arrebatada e doida, quase paixão, não me parece que se mantenha para todo o sempre...

Continuamos a gostar, certamente, da pessoa que escolhemos como parceira mas não da mesma maneira.

Tudo muda na vida...porque razão o "amor" ou os "sentimentos" hão-de ser diferentes? :D

BEIJOOOOOOOOOOOOOO

NI disse...

A todos,

Eu nem acredito. Acho que é a primeira vez que subscrevo, na íntegra, as palavras do Sadeek, ahahahahahah

Falando sério, não acredito no amor eterno. Concordo com a Storyteller.
Mais, ainda, acho que é possível amar mais do que uma vez na vida. Seja lá o que é isso de amar...

Mas a TM levanta uma questão curiosa :)

Djinn, não conheces a minha paixão por Pompeia :)


Agora, conto convosco para o desafio que acabo de lançar... vai ser lindo, vai, vai!

Rui da Bica disse...

Nada, numa pessoa, ou numa relação, é eterno.
O meu conceito de “alma de alguém”, é a “recordação desse alguém”, vivo ou morto.
Ela acaba, quando acaba a última pessoa que possa “recordar esse alguém”. Alma é lembrança.
A alma existe enquanto houver alguém que a possa recordar.
Entre mortos, (eternamente) não há alma, recordação, amor ou ódio.
O amor ou o ódio, estarão do mesmo modo presentes, nas mesmas circunstâncias, embora o conceito de amor, de alguém por quem morre, possa permanecer mais forte e duradouro que o ódio, que tende a desvanecer-se.
O amor e o ódio, podem-se equivaler em vida, mas o amor é mais forte e duradouro, após a morte.
.

Eu Mesma! disse...

para mim sim...
o odio profundo e bem mais longiquo que o amor profundo...

só uma mulher disse...

Eu acredito no amor eterno NI, se ambos derem de si e investirem sempre na relação.. quando um amor acaba, seja porque motivo for, é porque uma das partes deixou de querer...
Também acredito que podemos amar mais do que uma vez... e sim, isso depende da capacidade que temos de nos entregar a uma relação, a alguém.. ainda que as pessoas que pensem assim sejam cada vez menos.. e as pessoas se unam por outros motivos bem diferentes do "AMOR".

O ódio, sinceramente não sei o que é, mas presumo que sendo um sentimento oposto ao amor, deve ter uma intensidade idêntica... assim tipo, amar alguém como se não houvesse amanhã... como se tudo parásse à nossa volta..

:)

1 beijinho

mas isto vale o que vale, é somente a minha opinião..

Sadeek disse...

Não foi nada a primeira vez que concordaste comigo em absoluto...mas duma perspectiva mais séria...talvez...AHHAHA

BEIJOOOOOOOOOOOO

Miguel disse...

O Amor, quase por definição, é eterno.

Quem ama, ama para sempre.

Mas, pronto, lá está, tu perguntas pelo amor e vêm falar de paixão e mais não sei o quê...
Amor nada tem a ver com paixão e outras coisas. O problema é que muita gente nem sabe o que é porque nunca se cruzou com ele... Falam de ouvir falar, de algo que nunca foi sentido, por isso não sabem bem o que dizer...

Quanto ao odio... nem sei o que isso é! A modos que me acontece com isto o que acontece a muita gente com o Amor...

Miguel disse...

Que mau feitio que tenho...

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso