sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Pensamento para o fim-de-semana


Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar

E eu não vou me resignar nunca

Darcy Ribeiro

15 comentários:

Tulicreme disse...

Olhós prémios da Tulicreme ;)

NI disse...

Obrigado Tuli.

Já fui ver e vou colocar com todo o gost.

:-)

Beijo

CarvalhoCapela disse...

Também se pode gostar da vida.
Essa frase apesar de não conhecer o autor é claramente duma pessoa depressiva.
Adequada para tempos de crise.

NI disse...

Carvalho Capela, mas há quanto tempo!...

É uma perspectiva.

Penso, contudo, que não nos resignarmos perante a vida, ter a capacidade de nos indignar e lutar contra o que está errado também é uma forma de respeitar e gostar da vida.

Um abraço.

Abobrinha disse...

Carvalho Capela

Discordo completamente de a frase ser depressiva. Acho que é uma atitude a ter sempre: em crise e em tempos de abundância. Porque o mundo e a vida estão sempre em mudança e o mundo não se resume ao nosso umbigo.

MJ disse...

Já somos duas...
Hmmm...tão bom ouvir este sonzinho...lembra-me quando era ainda uma adolescente..!:)
Beijinho, bom fim-de-semana!*

CarvalhoCapela disse...

Resignar e indignar são palavras de carácter obscuro, porque não amar a vida?
Só pelo facto de a vida não ser perfeita não implica que não lhe tenhamos amor, nada do que amamos é perfeito, a vida não é evidentemente excepção.

Francisco o Pensador disse...

Concordo em absoluto com o sr Carvalho Capela. (Espera ai!...algo de errado se passa aqui!?)

Também achei esta frase extremamente depressiva.
E olhem que sou daqueles que, ao contrário da maioria, considera a vida uma "condenação", mas isso não se torna um impedimento para que eu goste dela.

Eu gosto da vida. Nem me sinto resignado, nem indignado perante ela.
Logo... este conceito está errado porque não se limita apenas a 2 opções.

:-)

(Ps: Sr Capela, muito gosto em revê-lo!)

NI disse...

Carvalho Capela e Pensador, não concordo que a frase seja depressiva, quanto muito redutora que é algo completamente diferente.

Mas que é um prazer ver os dois de acordo, lá isso é verdade.
:-)

Francisco o Pensador disse...

Nina, desculpa insistir mas a frase é depressiva porque assume que a vida é algo mau e só nos indica 2 opções de sentimento marcadamente negativo, quando existem e podem ser aplicadas nesta questão, várias opções com influência marcadamente positiva, tais como: Gostar da vida ou amar a vida.

Uma frase redutora seria: "Não é tão bom como à partida parece", mas teria que ser indicado uma componente positiva para que se possa fazer a comparação.
E onde está ela neste caso?

Nina, já alguma vez vistes alguém pular de alegria por se sentir "resignado" ou "indignado" ?
Nãaaa...não me parece....hehehe

Bjs

NI disse...

É redutora a partir do momento em que apenas dá duas hipóteses.

Mas é a minha opinião.

Bjs

Francisco o Pensador disse...

Bom...deixemos lá essa parte porque até nem é o cherne da questão.
O que queria mesmo perguntar é:

1 - Concordas com a frase?

2 - Na tua opinião, se eu gostar da vida que levo, sou forçado a resignar-me ou devo antes sentir-me indignado com isso?

:-)

Bjs

(Ps: Num ponto dou-te razão, se a frase me dá vontade de rir, não pode ser depressiva...)

:-))))

NI disse...

Francisco, não concordo com a frase porque é redutora.

Mas se apenas existissem estas duas opções eu nunca me resignaria.

Aliás, e porque a vida não tem sido muito amável para comigo, todo o meu percurso é fruto da minha não resignação. Iso não quer dizer que não aprecie a vida. É, precisamente, por gostar dela que não me resigno.

Quanto à 2ª pergunta, se a vida é amável para ti...aproveita...

:-)

Beijo

pinxexa disse...

Conta os canhões, marchaaaar, marchaaaaaar!!!!!!!!

É fase para época de crise, sim senhor! Mas como a crise é o fado português....

CarvalhoCapela disse...

Fico feliz por partilharmos da mesma opinião, confesso sentir acima de tudo uma enorme saudade dos nossos debates.

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso