quarta-feira, 28 de julho de 2010

Não sei que título colocar. Talvez "Obrigado"



Há grandes homens que fazem todos os demais
sentirem-se pequenos.

Mas a verdadeira grandeza consiste em fazer
com que todos se sintam grandes.

Charles Dickens





No dia em que terminei a quarta classe os meus pais levaram-me ao Palácio de Cristal no Porto para jantar. Naqueles tempos só se jantava fora em casamentos, baptizados e afins. O dinheiro não dava para "luxos" como jantar fora.

Recordo-me que eu e a minha irmã do meio até tivemos direito a sobremesa. Isso, sim, um verdadeiro luxo só ao alcance de alguns.

No final, imaginem, ainda tive direito a uma prenda.

Agarrei com ansiedade o embrulho castanho com um laço vermelho. Demorei séculos a desembrulhar...como se estivesse a saborear cada pequeno rasgão que ia dando no papel. Afinal, só recebia uma prenda no dia de anos e outra no Natal.

Era um livro. "Grandes Esperanças" de Charles Dickens que guardo religiosamente.

O meu pai olhou para mim e disse:

- "Hoje, quero que retenhas duas coisas: a primeira é que nos orgulhámos de ti. A segunda é um valor que te gostava de transmitir e que está reflectido no livro que te damos. A nobreza de um homem vê-se em duas situações: na maneira como se levanta após uma queda e na forma como trata quem está fragilizado."

Este episódio da minha infância permitiu-me enfrentar o dia de ontem.


9 comentários:

JP disse...

Ni,
Estás orgulhosa do Senhor teu Pai... e com toda a razão.
Desejo-te um dia pleno, um beijinho muito grande

Eu Mesma! disse...

Adorei este post...
mesmo...
sao esses pequenos momentos da nossa infancia que marcam quem somos nos na idade adulta....

Sadeek disse...

Espero que não tenha sido mais uma queda... :S

BEIJOOOOOOOOOOOOOS

NI disse...

JP, foi sempre a minha referência. Um bom dia também para ti. :)

Eu Mesma, tive a felicidade de ter muitos momentos destes.

Sadeek, eles bem tentam aprimorar as rasteiras. Mas não conseguem. Ainda consigo ser mais forte. :)

Beijo

Sara disse...

Sim são os valores que nos transmitem os nossos pais que fazem a diferença e nos ajudam a enfrentar as dificuldades...obrigada palavra muito rica e ilustra bem a foto...faz me lembrar a minha ilha mais linda...conhece São Miguel??
kisskiss

NI disse...

Sara, como já disse uma vez, a herança que os meus pais me deixaram era composta exclusivamente por valores imateriais.

Dos Açores conheço a Ilha Terceira e S. Miguel à "custa" de um Congresso que me permitiu passar cinco dias inesquecíveis. Uma imagem que retenho é a brincadeira dos golfinhos na imensidão do mar aproveitando a baixa altitude do bimotor que nos levou da Terceira para S. Miguel.

:)

Beijos

Sadeek disse...

Menos mau então!!!

Miguel disse...

Grande post, Ni!

Há muita coisa que os verdadeiros pais nos dizem que não entendemos naquelas idades mas ficam e um dia fazem todo o sentido.

Por isso quando oiço certas pessoas a dizerem que as crianças não entendem algumas conversas fico sempre com a sensação que são essas pessoas que se transformam em pais que chegam sempre atrasados para passar a mensagem certa no momento certo.

Muitas vezes não estamos presentes quando as palavras são precisas pelo que ou já as tinhamos dito e eles vão buscá-las às memórias, ou não as tinhamos ditos e passou o momento!

Acho fantástico como nos lembramos de momentos, de palavras, que aconteceram há tanto tempo... Fico a pensar se um dia os meus filhotes se lembrarão das minhas "palestras"...

Beijinho

Francisco o Pensador disse...

Nina, já ontem quis comentar este post e acabei por não o fazer de tal modo me senti emocionado com o teor da frase dita pelo teu pai.
Por muita coisa que já nos contastes sobre ele, e por muito mais que hoje se pode ver espelhado em ti, digo que o teu pai era um homem muito nobre.

Não estejas triste nina, estou certo que esteja ele onde estiver, ele deve se sentir muito orgulhoso de ti.

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso