quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Pensamento do dia ...


" As pessoas que mais gostamos são as que mais nos decepcionam,
pois pensamos que são perfeitas e esquecemos que são humanas"

Giulia Passagem


Eu até sou capaz de concordar. Mas porque raio é que errar é humano?

Ou melhor, porque razão é que os humanos erram? Ou, melhor ainda, porque razão é que um erro do humano prejudica mais o outro do que quem o pratica?

Seria bem mais interessante que aqueles de quem gostamos pensassem um pouco antes de nos decepcionarem. Mas são humanos. Já percebi... (às vezes custa, mas chego lá).


8 comentários:

A Minha Essência disse...

Entendo perfeitamente o raciocínio do pensamento e até o teu. Mas, se dermos logo comoo dado adquirido que a perfeição não existe e que erramos por isso mesmo, talvez custe menos lidar com os erros alheios e até com os nossos. ;)

agridoce disse...

Se calhar nós é que temos muitas expectativas...

Malena disse...

Ainda por cima, se gostamos da pessoa, dói muito mais!!

só 1 mulher disse...

certissimo.. infelizmente os humanos não são perfeitos, e tendencialmente caiem no egoismo... e não se importarem com mais ninguém, a não ser eles próprios

1 beijinho

Confuskos disse...

Como tu andas.....

Beijinho*

Miguel disse...

Essa do errar é humano já enjoa... Isso serve para quê? Para nos desculpar das coisas idiotas, ou das pouco dignas que fazemos?

Todos erramos, Ni, porque ninguém é perfeito mas uma coisa é errarmos a pensarmos que estamos a fazer bem e outra é errarmos porque nos deu jeito...

A diferença é gigantesca!
Há erros que são difíceis de aceitar, "engolir", perdoar...

Depois, é evidente que o mesmíssimo erro feito por alguém de quem gostamos e por alguém que nos é indiferente, tem um peso também bem diferente.

NI disse...

Miguel, os teus dos primeiros parágrafos vão ao encontro do que penso e tentei dizer no post.

Beijo

Miguel disse...

Eu sei...

bj

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso