segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Velocidade





Hoje senti a necessidade de desabafar e escrevi sem parar.


Escrevi sobre o quanto estou magoada mas, acima de tudo, da profunda desilusão que sinto neste momento. Uma autêntica catarse.


Mas, quase no final, parei...


E enquanto via da janela do meu local de trabalho o Alfa a passar a alta velocidade, apercebi-me que a vida passa por nós sem parar. A alguns de nós nem boleia dá, obriga-nos a calcorrear todos os caminhos a pé se a queremos acompanhar.


E ela, a vida, não tem culpa de eu sofrer de uma incapacidade crónica: a de continuar a acreditar no ser humano.


E faço questão de continuar a ser assim.


Não é uma ventania que me vai fazer parar. Tenho ainda muito que andar...sem boleia.



Vou sofrer mais desilusões? Paciência. Foi esse o caminho que livremente escolhi.





16 comentários:

Djinn disse...

Sou como tu...prefiro viver e acreditar mesmo que depois sofra uma desilusão que deixar de viver...

Até provas em contrário, acredito...
Se deixar de acreditar, sigo em frente e continuo a viver...
:)

Tinta Permanente disse...

Penso que fazer uso da Previdência, não faz mal a ninguém.
Viver desenfreadamente, não é saborear.

Sabes, Ni, eu esqueci-me que havia um Alfa...

NI disse...

Djinn, mas viver sem confiar em ninguém é inconcebível para mim.


Tinta, eu já me esqueci tantas vezes do Alfa. E temo com esta idade nunca o conseguir apanhar :-)

Sadeek disse...

É por estas e por outras que eu prefiro os animais.... ;)

Sadeek disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
NI disse...

Sadeek, mas tens que lidar com os seres humanos.

:-)

Tinta Permanente disse...

Ni
A questão é "não o apanhar"...

NI disse...

Tinta, podes não conseguir apanhar mas podes sempre correr atrás dele e, dependendo da tua força interior e do teu esforço, pode ser que, algures, numa paragem, consigas entrar.


Até, quem saiba, consigas boleia para o apanhares na paragem mais próxima. Nunca se sabe o que no destino nos reserva.


:-)

Tentativas Poemáticas disse...

NI
No meu modesto entender a(o) escritora(o)r, a poetisa ou o poeta são pessoas sensíveis, sofredoras...
Além disso, a menina é Peixes (eu também) e já me têm atirado isso em cara.
No meu modesto entender escreve maravilhosamente. Fá-lo duma forma simples, agarrando o leitor e transportando-o para o mundo escondido (ou revelado ?) das suas palavras.
Parabéns. Gostei muito de a ler.
Um abraço
António

NI disse...

Tentativas, obrigado.

Nota - Não sou escritora, nem poetisa. Os caixotes escondidos com os meus desabafos são disso prova. :-)

Um abraço

Francisco disse...

Correr atrás ao Alfa deve ser bem mais fácil do que lutar contra os moinhos de vento... Sugestão: Inter-regional. Sempre dá para apreciar a paisagem.

NI disse...

Ahahahahahah.

Francisco, excelente sugestão.

Sadeek disse...

Tenho de facto de lidar com os humanos. Mas só aqueles por quem tenho alguma consideração eu ligo alguma coisa.... os outros passam-me ao lado... ;)

NI disse...

Sadeek, e eu estava-me a referir àqueles que nos dizem muito.

:-)

Lança em África disse...

Conheço bem esse filme!

Acredita consistentemente!

NI disse...

Lança, o que achas que faço diáriamente?

:-)

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso