quarta-feira, 2 de junho de 2010

Pensar e sentir....



Carl Jung escreveu:


"Quando pensamos, fazêmo-lo com o fim de julgar
ou chegar a uma conclusão;

quando sentimos, é para atribuir um valor pessoal
a qualquer coisa que fazemos."


O sentir não é apenas a atribuição pessoal a qualquer coisa que fazemos mas, igualmente, a qualquer coisa que nos fazem.


E, na grande maioria das vezes, perante a mesma acção, o que sentimos é bem diferente daquilo que pensámos.


É que o ser humano tem respostas racionais e emocionais. E, muitas vezes a linha é invisível.


Vem isto a propósito da situação que vivo desde Março deste ano e da dificuldade que estou a sentir pela primeira vez na minha vida em dar a volta por cima. Talvez porque esteja a sentir em demasia, o que me impede de chegar a uma conclusão.

Assim, optei por meter uma semana de férias, tentar racionalizar o que sinto e definir o meu futuro. Se estiver ausente, já sabem.


Entretanto, e a pedido, deixo-vos um tema interpretado por Juan Luis Perales. Escolhi esta música porque era uma das mais pedidas quando trabalhava na rádio. CT, esta é especialmente para ti. Espero que gostes.


3 comentários:

Miguel disse...

Ni,

A situação não parece fácil, ainda que, confesso, não a tenha entendido perfeitamente... Parece que te tiraram de um sitio onde fazias algo que gostavas e te colocaram noutro sitio onde tens de fazer "trabalhos menores"... No fundo, algo que não gostas...

Agarrando nisto e no que escreves, o que me parece é que te sentes meio perdida na situação...


Não me parece que chegues a alguma conclusão enquanto não te encontrares a ti... Tens de te situar na tua vida e perceber o que realmente queres...

Ninguém é velho aos 45, a não ser que o queira ser! É isso que queres? Não me parece...

Eu tinha a tua idade quando (praticamente) perdi tudo o que era a minha vida na altura: mulher com quem esperava viver sempre, os filhos que foram com ela, como normalmente acontece, e o emprego que me dava uma relativa estabilidade e que foi o suporte economico da familia alguns anos. Foi um recomeçar de vida, vinte anos depois, com esses 20 anos a mais, com encargos muito superiores, com varios processos entregues a advogados (que são uma cambada de chupistas...)... Achas que foi facil?
Mas isso é secundário. Nunca é facil mas fica muito mais dificil se não souberes para onde queres ir. E eu, felizmente, sabia!

Hoje tenho uma situação relativamente estabilizada outra vez, mesmo tendo levado algumas pancadas grandes pelo caminho até aqui chegar.
Haverá sempre alguém que te desiludirá, sempre alguém que te dificultará seguir tranquila o teu caminho...

Mas o teu caminho tens de ser tu a saber qual é... Não adianta dizerem-te...

Outra coisa que acho importante: este caminho, esta caminhada, tens de fazer ou sozinha ou com alguém que esteja a 100% contigo (nitidamente a opção melhor!). Fazeres com alguém que está semi-contigo, só atrapalha... Vais consumir energias nisso que vais precisar para dar a volta ao resto!

Deixo-te um grande beijinho e a certeza que estarei aqui para te puxar as orelhas se precisares...

;)

Eu Mesma! disse...

Ni...
a dualidade entre a razao e o sentir é o dia a dia da vida...

devemos sentir sempre mas... nunca nos deixar ir apenas pela emocao... nem tudo na vida pode ser vivido e avaliado apenas pelo coracao...

devemos ser sempre a nossa propria dualidade...

JP disse...

"Ni"
Bom descanso... boa meditação. Estou certo que depressa alcançarás o ponto de equilíbrio... que reencontrarás o caminho.
Leva o tempo que desejares... nada de pressas.
Beijinhos grandes

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso