domingo, 13 de junho de 2010

As escolhas...




“ PARA VENCER NÃO PRECISA DE SER O MELHOR OU O MAIS BRILHANTE,

SÓ TEM QUE FAZER AS COISAS CERTAS ”

DAVID J. LIEBERMAN



Por vezes não é fácil tomarmos decisões ou fazer escolhas.

Nas últimas semanas tive que ponderar se valia a pena fazer a escolha certa ou uma boa escolha.

É que na maioria das vezes a escolha certa não é uma boa escolha. Tenho consciência que a vida me permite neste momento fazer uma escolha certa se pretender manter um dos meus objectivos profissionais. Mas não é, seguramente, uma boa escolha porque terei que esquecer os valores em que acredito.


E, para mim, mais importante que fazer a escolha certa é fazer uma boa escolha. E só será uma boa escolha se estiver de acordo com os valores em que acredito e pelos quais sempre lutei. Para mim isto é que é ser intelectualmente honesto.

Eu acredito na amizade, na lealdade, na solidariedade, no respeito pelo próximo, no reconhecimento colectivo pelo mérito do trabalho e não qualquer outro.

A amizade, por exemplo, não tem um sentido hoje e outro amanhã. Ou há amizade, ou não há. Ponto final. Na amizade não se fazem sacrificios. Na amizade dá-se sem esperar nada em troca e sem arrependimentos.

A lealdade não é uma palavra vã. Recuso-me a quebrar a confiança que depositam em mim, independentemente das circunstâncias. Mas ela deve ser biunívoca sob pena de ela deixar de ter sentido.

A solidariedade é dizer presente quando precisam de nós.

Havendo honestidade intelectual e lealdade, respeitamos os outros porque nos estamos a respeitar. Porque todos os nossos actos são transparentes e verdadeiros.

Muitos estarão a pensar neste momento que sou uma verdadeira "velha do restelo" ou então uma romântica que só sabe ler romances de amor. Respeito tais opiniões mas sabem é que a única herança que vou deixar às minhas filhas são os valores nos quais acredito. Mas os valores só fazem sentido se eu actuar de acordo com os mesmos.

Assim, vou deixar as escolhas certas, que não as boas, para quem os valores são palavras vãs.

Até porque não conseguia ser feliz se fosse de outra forma.



4 comentários:

Chocolate disse...

Bem escrito, talvez com alguns dissabores na concretização... mas com valores acima de tudo!

bjs

Eu Mesma! disse...

É verdade...
de facto para vencermos apenas temos que fazer as escolhas acertadas....

sendo que o mais dificil é saber o certo e o errado...

NI disse...

Chocolate, com muitos dissabores. Tenho essa consciência. Mas actuar de outra forma era violentar-me. Também tenho consciência que quem não actua assim provavelmente não tem tantas insónias como eu. Mas, para o bem e para o mal, é assim que eu sou. Assumo na íntegra.

Eu Mesma, a verdadeira liberdade consiste em poder escolher. Saber o certo e o errado? Cada sociedade tem a sua noção de certo e errado. Ainda por cima não são conceitos estáticos. Vão evoluindo. O que a sociedade ocidental considerava como certo no século XIX provavelmente hoje é errado. Penso que a solução é actuar de acordo com os valores em que acreditámos.

:)

Beijos

Miguel disse...

:)

*

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso