sábado, 24 de outubro de 2009

Privilegiada? Não! Uma vencedora...


Não te julgues um “incompreendido”, porque todos o somos. Dizeres-te incompreendido é supores-te privilegiado, com direito à compreensão alheia. Não te digas incompreendido. Vê antes se te compreendes a ti.

Virgílio Ferreira, in Pensar


Por opção, aproveitei a minha estadia em Bragança para estar algumas horas sozinha. Precisava de reflectir sobre tudo o que se tem passado nos últimos meses.

A necessidade que eu sempre tive de encontrar fundamentos e razões para tudo o que me acontece impede-me, muitas vezes, de relativizar o que é, de facto, importante e de fechar capítulos na minha vida.

Já o disse muitas vezes, este último ano terá sido o mais difícil para mim. Em termos pessoais, familiares e profissionais. O exercício que tentei fazer foi no sentido de saber até que ponto eu era responsável por tudo o que me aconteceu. Quem me conhece sabe que me entrego por inteira a tudo o que faço, vivo e sinto. Talvez por isso sinta as perdas de uma forma peculiar.

Mas, uma coisa é perder.. Outra coisa, bem diferente, é tentar encontrar razões e fundamentos quando não existem. A vida demonstra-nos que muitas coisas acontecem só porque têm de acontecer. Independentemente de contribuirmos, ou não, para um determinado resultado.

Nesta viagem pela minha própria incompreensão da vida cheguei à conclusão que por muito que façamos há sempre o incerto e o imponderável. Variantes para as quais não há justificação.

Não é importante saber porque perdemos. O importante é saber que perdemos. Sem drama. Sem subterfúgios.

Quiçá, por pura ironia, se conclua que enquanto perdedores saímos vencedores na arte de viver a vida de forma intensa.

Não tenho que me envergonhar por viver de forma intensa os meus afectos e as minhas emoções, porque é essência daquilo que sou. É isso que me individualiza enquanto ser humano. É assim que gosto de ser.

Talvez por isso, estou preparada para enfrentar a perda que, soube hoje, vou ter que enfrentar segunda-feira.



8 comentários:

Eu Mesma! disse...

concordo...
na vida tudo acontece por uma razão....

basta percebermos qual essa razao....

Rui da Bica disse...

Estar sozinho/a !... tantas vezes encontramos "aí" o nosso melhor interlocutor e conselheiro!

Muitas vezes, como diz o poeta: “é preciso perder para encontrar”.
.

Missanguita disse...

Ainda bem que voltaste!

NI disse...

Eu Mesma, o problema é quando não entendemos. Mas acho que cheguei àquele momento das nossas vidas em que cansei de tentar saber.

Rui, antes de mais bem vindo a esta sala de estar. Concordo contigo mas é um pouco cansativo estar sempre a perder :)

Missanguita, achas?

Chocolate disse...

Não tens de forma alguma de te envergonhar, és livre de fazeres o que quiseres! és assim e gostas de ser assim então que assim sejas!

Se queres saberes eu gosto de ti assim como és, porque essa é a tua verdadeira essência e é a única coisa que interessa, porque de pessoas falsas estou eu cansadinha!

Beijinhos!!!

NI disse...

Chocolate, neste momento adorava ser falsa. Passava incólume por todas as desilusões.

Deve ser óptimo ser-se falsa!

Sadeek disse...

Era o que mais faltava envergonhares-te por seres como és....eu acho que é motivo de orgulho....muito!!!

BEIJOOOOOOO

NI disse...

Sadeek, tenho sérias dúvidas. Acredita.

:)

Beijo

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso