sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

25 anos...

 
 
Ainda me recordo do teu olhar, umas vezes meigo, outras vezes pretensamente severo... mas lembro-me, sobretudo, do teu olhar de orgulho quando me vias...


Ainda me recordo quando à noite, pensando que já estava a dormir, me aconchegavas o lençol e me davas um beijo. E, eu, fazia de conta porque sabia que não gostavas de ser apanhado em flagrante.


Ainda me recordo dos nossos cafés a meio da manhã na Brasileira.


Ainda me recordo do primeiro livro que me ofereceste dizendo que a leitura era a luz dos ignorantes.


Ainda me lembro da primeira caneta que me ofereceste dizendo que seria o meu principal instrumento de trabalho.


Ainda me lembro dos primeiros passos de dança que me ensinaste. E sabes, desde que foste, nunca mais ninguém dançou comigo.


Mas lembro-me, sobretudo, de tudo aquilo que ensinaste. De teres dito que um caminho sem obstáculos não me levaria a parte nenhuma.


Acredita pai, eles têm sido muitos mas continuo a percorrer o mesmo caminho, sem escolher os desvios mais fáceis....


E passados 25 anos é assim que te quero recordar.
 
A música de hoje? A que cantámos juntos muitas vezes ( e, sim, ao contrário de mim tinhas uma voz maravilhosa)...

Nota - Eu sei que a maioria do texto do presente post é repetida. Escrevi este texto há um ano atrás. Mas todos os dias é desta forma que me recordo do meu pai e de quão curta, ingrata e traiçoeira a vida é...
 

5 comentários:

Tanita disse...

Um beijinhos e um xi apertado.

AC disse...

Recorda, já que recordar te faz feliz e aproxima dele.

Beijo grande:)

A Minha Essência disse...

Beijo na alma.

Rui da Bica disse...

Faz-nos bem pensar em voz alta, Ni !...
Bj.
.

S* disse...

Muita força para ti, um forte abraço blogosférico.

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso