sábado, 1 de agosto de 2009

Amores impossíveis...



Muito se fala de amor.


Sejam lendas, como Tristão e Isolda ou Lancelot e Ginevere;

Ou verdadeiras, como Pedro e Inês ou Rei Mongkut e Anna Leonowenss;

Ou, ainda, fruto da inspiração de um artista como Romeu e Julieta ou Simão e Teresa;


O que têm de comum? Todas elas terminaram mal...


Se fizermos uma viagem através dos tempos, o que constatamos?

Algo que os românticos não gostam de assumir: Todas as grandes histórias de amor são impossíveis...


Sabem que mais? Gostava de ser sereia!


E vocês? Já tiveram algum amor impossível?


5 comentários:

ianita disse...

Isto dá pano para mangas... tudo começou com os gregos... que achavam que todas as formas de amor eram prejudiciais... por issso, porque a literatura era uma forma (talvez a única) de chegar às pessoas, nos livros todas as formas de amor são castigadas... Medeia, Édipo, Helena e Páris... Na Odisseia vence o casamento (para eles não tinha nada que ver com amor) de Ulisses e Penélope e não vence o amor de Ulisses e Nausícaa...

Há um exemplo paradigmático... Eneias. Eneias perde a pátria, o pai e Dido. Porque país, família e mulher podiam desviá-lo da vida de virtude...

Ora, ninguém vive sem sentimentos, sem amor... mas era isso que eles defendiam. Queriam ser estóicos... queriam não sentir porque quem não ama não sofre... mas quem não ama também não vive...

E na vida a sério as coisas não são como na literatura... felizmente!! :)

Pedro e Inês, o que conhecemos é mais ficção que História... ainda assim é verdade que ela morreu. Mas também é verdade que amou e foi amada... e nos poucos anos que teve com o seu Pedro terão valido uma vida inteira sem ele.

A literatura é linda. Porque é literatura. ficção. a vida é outra coisa...

Beijos e desculpa a verborreia... mas já me debrucei sobre este assunto durante alguns meses e é uma temática que me diz muito...

Missanguita disse...

Já...

NI disse...

Ianita, por mim, fala à vontade. Acho que o meu pai não fazia a mínima ideia da filha que estava a criar quando lhe "pegou o vício da leitura".


Missanguita, curta e concisa, ahahahahah

Beijos

PAULO LONTRO disse...

Não !

NI disse...

Paulo, já sabia que a tua resposta seria essa. Porquê? Porque tens a incrível capacidade de tornar o impossível...no possível!

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso