quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Pois...

 
A Feira Medieval de Santa Maria da Feira já começou.
 
A exemplo dos anos anteriores já tenho a minha pulseira para dar uma salto até lá sempre que quiser (menos aos fins-de-semana porque a confusão é enorme)...
 
E por causa do trabalho ainda não consegui ir lá. Boa!
 
Imagem da net
 
A música? É esta porque na feira medieval do ano passado fui transportada para o ambiente que o vídeo nos transmite.
 
 

6 comentários:

AFRODITE disse...


Pode ser que este ano dê para lá dar um saltinho :))

Quanto à versão do "When a man loves a woman" em canto gregoriano... fiquei de boca aberta! Não só musicalmente está um trabalho muito bem conseguido, como o vídeo está uma delícia!
(mesmo a propósito pois estes últimos dias andei pela rota dos templários e senti-me transportar de novo para aqueles claustros que visitei!)

Beijinhos medievais
(^^)

NI disse...

Afrodite, se for num dia que eu possa ir, avisas e pode ser que nos encontremos.

Qualquer que seja a música interpretada por eles é mágica.

:)

Retribuo os votos medievais (toda a gente diz que sou doida mas eu adorava ter vivido na idade média)

Clementina disse...

Confusão, confusão...
Cheguei a ir à Feira Medieval de Sta. Maria da Feira.
Este ano não vou, até porque vou estar fora. Fica para a próxima.

AFRODITE disse...


Se for, aviso sim :))

(eu quando era novita também dizia o mesmo... hehehe)
Precisavas de arranjar trabalho no "Ministério do Tempo"... :)))

Francisco o Pensador disse...

Eu fui uma única vez e achei essa festa maravilhosa. Todo o espectáculo está bem montado e faz-nos viajar até um passado que nunca conhecemos mas que parece bem mágico. Gostei muito e espero um dia poder voltar a visitar essa feira.

NI disse...

Clementina, não deve ser a última edição.

Afrodite, podes crer. :)

Francisco, e eu espero que dessa vez eu vá contigo e não mande representantes. :)

Beijos a todos

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso