terça-feira, 31 de janeiro de 2012

A pedido de muita gente, aqui fica o habitual desafio "Dia dos Namorados""





Está certo. Confesso. Foram só duas pessoas que pediram. Mas isso agora não importa nada.

Desde 2007 que o desafio é lançado. No ano passado deu-me a neura e, em vez de colocar o habitual desafio, coloquei um post sobre "separações".

Este ano, para não ser chamada de cínica e/ou "desmancha-prazeres", o desafio é retomado. Quiçá, e apesar de não comemorar a data por razões que agora não interessam nada, façam regressar o meu romantismo bacoco.

Vamos, pois, às regras:

  • Até ao dia 10 de Fevereiro têm que enviar para o mail deste canto uma frase bem romântica e o nome da música que gostavam de ouvir. À medida que forem chegando, vão sendo publicadas.
  • De 11 a 13 de Fevereiro as frases serão colocadas à votação.
  • Dia 14 de Fevereiro a frase vencedora será colocada em forma de post, acompanhada da música escolhida.


Mas, para já, levam com a música do ano passado e que é uma das minha "top ten".


Aqui.



NOTA IMPORTANTE: Quem puder, namore todos os dias independentemente de existir um dia em que o amor é celebrado.

Afinal havia outra...



Ou melhor, outras.

Mas a mulher só teve um verdadeiro acesso de ciúmes quando soube que o marido partiu a cama a fazer sexo com outra mulher.

Quer dizer, que fizesse sexo com outras mulheres, vá que não vá. Mas, agora, fazer sexo daquele que até camas parte, fosga-se...esse só com a mulher.

Já agora, o nome da dita cuja é Nonkazimbo Dube e a notícia reza assim:

"Uma mulher do Zimbábué entrou com um processo contra o ex-marido depois de ele ter partido a cama do casal ao fazer sexo com a amante.
Nonkazimbo Dube alega que um carpinteiro confirmou que a cama partiu durante o acto sexual, noticia o site brasileiro «G1».
«Um carpinteiro disse-me que a avaliar pela forma como a cama partiu, algo muito brusco tinha acontecido», disse a mulher.
Nonkazimbo disse que o marido confessou que estava a ter relações sexuais com outra mulher. Ela obrigou-o a arranjar a cama mas, como ele se recusou, entrou com um processo judicial.
«Comprei a cama o ano passado e apanhei-o a fazer sexo com duas mulheres diferentes, mas perdoei-o. Agora não posso mais perdoá-lo, porque ele partiu a cama a fazer sexo com outra mulher, em vez de fazer comigo», disse. "


Portanto, e em conclusão, aqui fica um recado aos meninos: se forem casados com uma mulher do estilo da Nonkazimbo Dub tenham sexo à vontade com outras mulheres mas nunca, mesmo nunca, partam a cama, sob pena dela ter um verdadeiro acesso de ciúmes pois "sexo parta camas" está reservado para ela.
 
 
Nota - Ou façam no chão.
 

Falta de interesse por sexo...

Faz baixar drásticamente a taxa de natalidade no Japão.

Segundo o jornal japonês «Mainichi Daily News», " o estudo revela que muitos jovens do país não têm interesse em sexo e 40 por cento dos casais entrevistados não têm vida sexual activa.E, se não há sexo, não há crianças. Os homens casados (19,7 por cento) justificam a falta de actividade sexual com o cansaço sentido depois do trabalho e as mulheres alegam que o acto em si traz problemas (26,9 por cento). Muitos dos casais (20,9 por cento) evitam as relações intímas para não engravidar - (notícia daqui)

Querem ver que o decréscimo da taxa de natalidade em Portugal tem os mesmos motivos?

Mas eu sou optimista. Com a crise instalada no nosso País vamos voltar ao tempo da outra senhora.

Vejamos:

Mais um bocadinho o povo português fica sem dinheiro para pagar a televisão e a electricidade.

Por outro lado, os anticoncepcionais deixam de ser comparticipados.

Resultado? Vão para a cama mais cedo. E com o frio que está...


A arte de lidar com a TPM...



Um dos maiores temores masculinos é lidar com a famosa TPM.

Para eles é pior que a pandemia da Gripe A, ou não atingisse cerca de 75% das mulheres.

Se perguntarmos aos homens o que é a TPM, a resposta é unânime: "Pois, sabes, são aqueles dias que as mulheres têm".

Ora bem meus queridos, a tensão pré-menstrual (conhecida pela sigla TPM) é uma síndrome que atinge as mulheres e que ocorre, em maior ou menor grau, nos dias que antecedem a menstruação, caracterizando-se pela irritabilidade e ansiedade, dor nas mamas, distensão abdominal e cefaleia. A culpa, segundo os especialistas, é do organismo feminino que retém o sódio e a água.

Bom, pois eu só conheço a EPM.

E o que é isso da EPM, perguntam vocês?

A EPM, ou euforia pré-menstrual é uma síndrome que atinge algumas mulheres e que ocorre, em maior ou menor grau, nos dias que antecedem a menstruação, caracterizando-se pela euforia, boa disposição e uma capacidade física invejável.

Conclusão: sou uma mulher com quem é fácil de lidar.


Mas, perguntarão os meninos, o que fazer para lidar com as mulheres que têm TPM?


Como sou vossa amiga, aqui fica:



FRASES E PROCEDIMENTOS PARA SOBREVIVER A UMA MULHER COM TPM:


"PERIGOSO: O que tens para o jantar?

SEGURO: Posso te ajudar com o jantar?

SEGURÍSSIMO: Onde queres ir?

ULTRA-SEGURO: Come esse chocolate.

PERIGOSO: Vais vestir ISSO?

SEGURO: Ficas linda de marrom.

SEGURÍSSIMO: Uau! Estás uma gata!

ULTRA-SEGURO: Come esse chocolate.

PERIGOSO: Estás nervosa porquê?

SEGURO: Será que não estamos exagerando?

SEGURÍSSIMO: Vem, anda cá para eu te fazer um mimo...

ULTRA-SEGURO: Come esse chocolate.

PERIGOSO: O que fizeste o dia todo?

SEGURO: Espero que tenhas trabalhado demais, hoje.

SEGURÍSSIMO: Adoro quando vestes esse robe!

ULTRA-SEGURO: Come mais um pouco de chocolate."


Mas, lembrem-se sempre:

'TPM é aquela época do mês quando 'algumas mulheres' se comportam, por alguns dias, da maneira como 'grande parte dos homens' se comportam durante TODO o ano.'



Nota 1 - E eu sei que este post é repetido mas já tem mais de dois anos e, de quando em vez, é necessário recordar aos mais incautos.

Nota 2 - Não estou nem com a TPM nem com a EPM. É mesmo falta de imaginação para escrever um post.

Conselho do dia...

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Afinal, as mulheres estacionam (o carro, bem entendido) melhor que os homens...



Até que tiveram sorte. Se fosse comigo não ficavam apenas com um único olho pisado nem tinham direito a colchão.

Mais a mais, fiquem os meninos a saber que segundo um estudo britânico as mulheres estacionam melhor do que os homens. Para além disso, as mulheres são mais precisas em alinhar o veículo antes de iniciar a manobra e a procurar um lugar para estacionar o carro. E, ainda não acabou, enquanto apenas 25 por cento do sexo masculino consegue centrar o carro, 53 por cento das mulheres consegue fazê-lo.

Tomem lá e embrulhem.

O "Eu e os Outros" e a "Blogosfera"...




A propósito do que vem acontecendo ultimamente, aqui e ali, na “blogosfera”.


Já aqui escrevi que, tal como o título do meu blogue indica, pretendi, apenas e tão só, criar um espaço onde os "amigos" se encontrassem e falassem essencialmente de afectos.


Porquê a opção de falar do que somos e de como lidámos com os afectos?

Banal, dirão uns. Frases feitas, dirão outros. Vazio de conteúdo dirão, ainda, outros.

Na verdade, falar de afectos é bem mais complicado do que possa parecer. E demonstrar? Ainda pior...

É relativamente fácil criticarmos um político e/ou uma política governativa.

E, ainda mais fácil, e criticar os outros. Espezinhar o bom-nome e a honra mesmo sem provas, só porque está na moda a ignomínia.

Não é difícil defender a nossa fé, bastará acreditar.

E criticar aquele árbitro que se lembrou de marcar uma grande penalidade contra a nossa equipa de coração, quando toda a gente viu que foi falta do atacante que se lembrou de saltar para o costado do nosso defesa? Ainda mais fácil. Então quando não vimos o jogo mais fácil se torna...

Mas se perguntarmos a alguém porque razão tomou uma atitude e não outra, dificilmente terá uma resposta imediata. Se perguntarmos porque razão o seu sorriso é falso, ele pensará duas vezes antes de responder. Se perguntarmos a alguém qual é a definição de um qualquer afecto, ele olhará para nós antes de responder e, provavelmente, recorrerá a uma daquelas “frases feitas”, simplesmente porque alguém já pensou nisso antes e ele não tem tempo para pensar em “assuntos menores”.

É que, não é fácil falarmos de nós, daquilo que somos e a forma como interagimos com os outros, de e para a sociedade. É bem mais fácil vestir o fato da indiferença e/ou da “pseudo intelectualidade” com que encarámos o mundo diariamente.

Comecei a trabalhar aos 16 anos para tirar o curso que queria. Já perdi pessoas que amei, já fui traída, já tive momentos felizes, já sofri, já sonhei, já acordei para a realidade...

No fundo, já vivi.

Mas, mesmo esta vivência não me dá total segurança para falar convictamente dos meus próprios afectos. Muito menos dos afectos dos outros...

Mas gosto de dizer o que sinto, mesmo que não saiba o que dizer...porque, simplesmente, gosto de entender. E é na dialéctica que se aprende. É na troca de opiniões, (em que o respeito para com o outro é a única exigência), que podemos, quiçá, encontrar uma resposta.

Não sei definir o amor, a amizade, o ódio, o ciúme, a inveja, a indiferença. Mas em algum momento da minha vida já senti. Porque o ser humano não é um ser isolado. É um ser que interage, que se dá, que se entrega. E que recebe. Recebe por vezes aquilo que não merece e/ou está à espera. E o que fica? O que aprendemos? Mudámos alguma coisa nesta relação de "deve-haver"? Evoluímos enquanto seres humanos e parte das relações que se estabelecem todos os dias? Ou fechámo-nos numa redoma porque é mais seguro?

É destes sentimentos que gosto de falar. Outros, bom, gostarão de falar de outros assuntos. Qual é o problema?

 
Termino com mais uma frase feita e que é mais do que repetente neste blogue:


“Se escrevo o que sinto
é porque assim diminuo a febre de sentir.
O que confesso não tem importância,
pois nada tem importância.
Faço paisagens com o que sinto”.

Fernando Pessoa



Pelos vistos entre mim e as meninas que se seguem existem semelhanças...

Graças à Essência fiquei a saber que sou parecida com estas meninas:




Kristin Krenk - 71% 




 Keira Knightley - 64%



 Kate winslet  - 63%




 Tiffani Thiessen - 56%


Pelo menos é o que dá aqui.  Que eu cá não engano ninguém. Assim, qualquer eventual desilusão não será nunca por minha culpa.

Pensamento do dia...



sábado, 28 de janeiro de 2012

5ª Regra da Vida...





Arnaldo Jabor afirmou:

"Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem,
caso contrário os honestos e simpáticos
teriam uma fila de pretendentes batendo a porta"



Passámos parte da nossa vida a pensar que existe o ser perfeito.

Muitas vezes condicionámos a nossa vida e, atrevo-me a afirmar, a desperdiçar a nossa vida nessa busca incessante.

Esquecemo-nos que os outros, tal como nós, têm defeitos e virtudes.

A vida, quando estamos abertos a ela, vai-nos ensinando a lidar com as diferenças e os defeitos dos outros, a entendê-los e a superá-los.

É esta capacidade de vermos nos outros um simples ser humano que vai determinar o nosso percurso.



E daqui a duas horas...

Vou ouvir, entre outras, este tema..



"Hoje acordei, e senti-me sozinho
Um barco sem vela, um corpo sem ritmo
Amanheci e vesti-me de preto
Um gesto cansado um olhar no deserto
Quando todos vão dormir
É mais fácil desistir
Quando a noite está a chegar
É difícil não chorar
Eu não quero ser
A luz que já não sou
Não quero ser primeiro
Sou o tempo que acabou
Eu não quero ser
As lágrimas que vês
Não quero ser primeiro
Sou um barco nas marés
Adormeci, sem te ter a meu lado
Um corpo sem alma, guitarra sem fado
Um sonho na noite e olhei-me ao espelho
Umas mãos de criança num rosto de velho
Quando todos vão dormir
É mais fácil desistir
Quando a noite está a chegar
É difícil não chorar
Eu não quero ser
A luz que já não sou
Não quero ser primeiro
Sou o tempo que acabou
Eu não quero ser
As lágrimas que vês
Não quero ser primeiro
Sou um barco nas marés"
Pedro Abrunhosa




Adenda: Ainda bem que estava sozinha numa das filas da plateia. É que o raio da glândula lacrimal fez outra vez da suas... 

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

A dificuldade de comunicação entre homens e mulheres...



E ainda acusam as mulheres de mandarem mensagens encriptadas.

Não sei onde está a dificuldade.

Para que raio ela ir querer um "da no ninho"? Ele só tinha que "agarrar" nela e dar-lhe um beijo daqueles e ela caía que nem uma "patinha". Tão simples.

E as mulheres é que são complicadas!!!

Pensamento do dia ...



"A sexta-feira é tão boa que até começa por sex."



quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Histórias da Vida - 1º



Ao longo da minha vida profissional já me deparei com imensas situações. 

Hoje começo esta nova rubrica com uma história que já tem cerca de 15 anos. Obviamente terei que omitir os nomes dos protagonistas e os locais de trabalho.

Mas vamos à história:

O N. era bombeiro (era porque neste momento já está reformado). Antes de continuar devo dizer que o N. era conhecido por ser o "barraqueiro" lá do sítio. Uma coisa era certa: onde o N. estivesse a má disposição não entrava. Continuando...

Numa bela noite de Verão estava de piquete e receberam uma chamada para ir combater um incêndio que deflagrava numa habitação. Chegados ao local, aperceberam-se que o fogo era afinal num terreno baldio. De qualquer forma, como perto se situava uma habitação, o chefe mandou o N. pedir às pessoas que lá habitassem para a abandonarem por uma questão de precaução.


E o N lá foi à habitação. Bate à porta e atende-o um senhor já perto dos 80 anos que mal se mexia apesar da ajuda de uma bengala. Acontece que o idoso não recebeu muito bem a notícia de que teria que sair da habitação e não tem mais nada: levanta a muleta e...aqui vai disto! Deu forte e feio no pobre do N.

Este, que nunca gostou de ser o primeiro a rir decide fugir a sete pés e vai ter com o chefe com o qual tem, mais ao menos, este diálogo:

Chefe - Então N.? Não estava ninguém na habitação.

N - Estar está chefe. Mas o velhote diz que só sai se for o Chefe a falar com ele.

Chefe - Ora que raio, mas não o conseguiste convencer?

N - Eu bem tentei chefe mas ele diz que só fala com o meu superior.

Perante isto que remédio teve o chefe senão ir falar com o velhote. Chegado lá, nem tempo teve de dizer boa noite. A bengala deu-lhe as boas vindas e "arreou-lhe" forte e feito, de tal modo que conseguiu fazer uma ferida na cara.

Escusado será dizer que o chefe decidiu fazer uma retirada estratégica e pedir ajuda para retirar o teimoso velhote da habitação.

Já à beira do N. o chefe ainda incrédulo exclamou: - E não é que o velho me deu uma tareia? 

Ao que o N, com o ar mais cândido lhe respondeu: - Ai o chefe pensava que só eu é que ia levar? Ou levam todos, ou não leva nenhum.

No dia seguinte uns quantos funcionários juntaram-se e ofereceram uma bengala ao chefe para assinalar a ocorrência.



Nota - Decidi começar esta rubrica com uma das muitas histórias relacionadas com um grupo de homens e mulheres por quem nutro um respeito enorme e a quem presto a minha homenagem. 


E já cá canta...

O bilhete que me vai levar no próximo sábado a ouvir este "menino"...


" A porta fechou-se contigo

Levaste na noite o meu chão

E agora neste quarto vazio

Não sei que outras sombras virão

E alguém ao longe me diz



Há um perfume que ficou na escada

E na TV o teu canal está aberto

Desenhos de corpos na cama fechada

São um mapa de um passado deserto

Eu sei que houve um tempo em que tu e eu

Fomos dois pássaros loucos

Voamos pelas ruas que fizemos céu

Somos a pele um do outro



Não desistas de mim

Não te percas agora

Não desistas de mim

A noite ainda demora



Ainda sei de cor o teu ventre

E o vestido rasgado de encanto

A luz da manhã e o teu corpo por dentro

E a pele na pele de quem se quer tanto



Não tenho mais segredos

Escondi-me nos teus dedos

Somos metades iguais

Mas hoje só hoje

Leva-me para onde vais

Que eu quero dizer-te



Não desistas de mim

Não te percas agora

Não desistas de mim

A noite ainda demora



E não desistas de mim

Não te percas agora"

 
Pedro Abrunhosa





 
 

Desisto...

Não é que a dita cuja,  (sim, a menina do post anterior), pensava que podia substituir o "toner" da fotocopiadora por um tinteiro da minha impressora.



                                       
 (é que qualquer semelhança é pura coincidência)


Após lhe ter explicado, (acreditem, com imensa paciência), que são duas coisas totalmente diferentes ela não ficou convencida.

Enquanto isto, o meu colega escapuliu-se para o gabinete do chefe e quando olho estavam ambos às gargalhadas e a gozarem-me que nem uns doidos pela situação caricata.

Ai é? A vingança serve-se fria.

Tinha trazido uns "ferrero rocher" para distribuir mas pensando melhor estou carente (e que se lixe as gramas a mais).

Já não há pachorra...


...




Hoje estava no trabalho ainda não eram oito horas. Tenho que elaborar um parecer aborrecido e queria estar uma hora sem telefones, sem reuniões e sem colegas a falar.

Azar do caraças, a colega nova, (chegou há poucos dias para nos dar apoio administrativo),chegou mais cedo e ... acabou-se a paz.

Palavra de honra que eu gostava de saber como é que há pessoas que conseguem estar todo o dia ao telefone e ao telemóvel em "contos e ditos". Mas, e valham-me os santinhos todos, ela até com a cadela fala ao telemóvel.

O problema é que ela afecta o trabalho dos outros porque trabalhámos todos no mesmo gabinete.

O chefe quando chegou nem precisou de me perguntar o que se passava porque as minhas queridas feições eram um livro aberto.

O tipo de trabalho que executo dá-me alguma liberdade, é certo. Tenho prazos definidos para a entrega de relatórios e pareceres e tenho a liberdade de gerir o tempo que me dão, mas faço sempre questão de entregar os trabalhos muito antes. Mais a mais, detesto ver a secretária com dossiers amontoados. 

Mas hoje estou a ver que é um dia perdido...

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Os 3 ...


Recebida por mail

Um preso.

Outro desaparecido.

E um com dificuldades económicas.

 
Chiça, é preciso ter azar... Estão a precisar de ir à bruxa.
 
É que a idade não perdoa.
 

Da serenidade...


Se dúvidas tivesse elas desapareceram hoje com uma notícia.

E não contive as lágrimas que teimosamente cairam face ao "definitivo". Porque o definitivo também pode assustar. Porque o definitivo pode trazer um vazio que nunca será preenchido.

Mas dei por mim a sorrir. Um sorriso triste mas sereno. Não pelas lembranças, que vou fazer questão de guardar com todo o carinho num cantinho bem especial, mas por conseguir manter a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso modificar porque, pura e simplesmente, não dependem de mim.

Porque a idade e a experiência da vida também têm aspectos fantásticos.


Diferenças...

No mundo animal...





terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Previsões para 2012...



Desengane-se quem pense que vou voltar às previsões para os signos.

Já me chamaram de mulher de turbante, de profeta da desgraça e vou aguardar pelo próximo cognome dado pelo meu amigo Confuskos.

É que desta vez as previsões são de âmbito político e futebolístico (ora toma!!!).





Recebida por mail


Assustou-se com o IVA...



Pelos vistos, pela hora do almoço, numa praia da Foz, uma lontra saíu calmamente do mar e sentou-se na esplanada da "Pizza Hut".

Obviamente, quando viu que o IVA na restauração em Portugal tinha subido para 23% apanhou um susto e decidiu procurar outras paragens.

Só não entendo porque raio é que a polícia marítíma afirma ter feito várias tentativas para "apanhar o animal". Mas já se paga só por estar sentada?

Morte à tanga...


Pois é, para quem gostava de usar, (e ainda mais para quem gostava de apreciar), uma "coisinha" assim:




(estou a falar do pedacinho de renda, para que dúvidas não subsistam)


há uma má notícia. O salão de lingerie de Paris decretou o fim da tanga (se duvidam podem dar um saltinho aqui e os meninos vão arregalando os olhos).

Cá para mim tem a ver com a época de crise que estamos a passar. É que se forem a ver bem, tanga levamos nós todos os dias. Para que é que precisamos de mais?


...



E assim passaram 6 meses.

Num conjunto sucessivo de dias, horas, minutos e segundos. Porque as verdadeiras perdas não se extinguem com o tempo.

Mas há muito que aprendi que há que relativizar as coisas.

Há muito que aprendi que nosso só aquilo que somos e os nossos afectos. Apenas isso. Não somos donos da verdade, do destino, dos afectos dos outros, da presença de quem gostamos.

Daí que não conceba a possessão das pessoas ou os "ciúmes" dos afectos. Todos temos que partir. A diferença é que uns partem mais cedo que outro. E destes há aqueles que partem cedo de mais.

Se sinto a tua falta? Todos os dias.

Racionalmente sei que partiste.

Mas algo em mim dá-me a certeza que iremos falar de novo.

Não sei quando, nem onde. Até porque se é verdade que nunca fui pessoa de ficar presa no passado, não é menos verdade que nunca me coloquei a imaginar o futuro.

Mas gosto de imaginar que estás bem.

Gosto de imaginar que algures há uma conversa à nossa espera.

Se estou bem? Tão bem quanto a consciência tranquila permite e a saudade "emperra".

Mas sabes, sinto a tua presença todos os dias. E gosto de imaginar que também pensas em mim...de vez em quando. Portanto..."I'm okay, i'm alright".

 

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Meninos, façam sexo e depois...durmam!!!




E as meninas deixem de barafustar.

É que afinal, segundo estudos recentes, (e ainda há quem dê dinheiro para fazerem estudos destes), «Quanto maior a tendência para adormecer depois do sexo, maior é o desejo de ligação com o parceiro». Podem tirar as dúvidas aqui.

E andámos nós tanto tempo "enganaditas".


O mistério das crianças desaparecidas...ou de como algumas nasceram como árvores







Mais precisamente 111 mil, (que raio de número), crianças que "desapareceram" do nosso País.

No tempo da ditadura, (para lá caminhámos), muitas famílias tinham filhos para os colocar a trabalhar nos campos, nas fábricas ou, (se fossem do sexo feminino),  nas casas das "famílias de bem" como empregadas internas.

Digamos que para muitas famílias ter filhos correspondia a uma fábrica de procriação com o intuito de dar lucro.

Os tempos mudam, as pessoas evoluem...

E depois temos os "xiquinhos-espertos" que não fazem mais nada que não seja o de inventar como lixar o Estado (entenda-se, os restantes concidadãos).

E não é que descobriram que podiam ter lucro sem qualquer despesa e, ainda por cima, sem procriar? Pelos vistos foi um ver se te avias para conseguir obter  190 euros por ano. E só precisavam de "inventar" um filho.

Outros, com menos imaginação, decidiram "duplicar" os filhos. Estilo holograma, estão a ver?

Até estou a imaginar o diálogo entre o um casal:

"- Oh Maria, o que achas de nos divorciarmos? Eh, pá, enquanto solteiros pagamos menos impostos. Continuamos a morar juntos, claro, e quando formos preencher o IRS tu dizes que os nossos filhos moram contigo e eu digo que moram comigo. Num instantinho sacámos ambos 380 euros. É melhor do que termos uma conta poupança".

Segundo o «Jornal de Negócios» desapareceram 111 mil «filhos» dos registos do Fisco de um ano para o outro, e tudo graças à obrigatoriedade de se apresentar o número de contribuinte dos menores quando da apresentação do IRS " ...precisamente porque existiam suspeitas de que havia famílias a declarar filhos inexistentes..."

Agora pergunto: E isto fica assim? Não vão cruzar os dados com as declarações dos anos anteriores e castigar forte e feio os "xicos-espertos"?


domingo, 22 de janeiro de 2012

Podia...




Falar de como num simples sábado somos confrontados com situações que vão custar cerca de dois mil euros. 

De manhã o dentista que me comunica que a filhota mais nova vai precisar de aparelho (não foi propriamente uma surpresa). Ainda de manhã, e após uma consulta de rotina , o choque de saber que num curto espaço de seis meses a visão da filhota mais nova piorou pelo que vai necessitar de mudar de óculos.

Pensei para comigo que daí para a frente o dia só podia acabar bem.

Sonhar não custa. Certo?

Para espairecer decidi fazer um bolo. Fiquei pela intenção porque o forno...pifou. Já andava a ameaçar mas bem que podia avariar de vez num outro dia qualquer. Resultado: mais uma despesa.

Mas todas estas situações perderam o sentido quando falo com a minha querida amiga Dark Phoenix. 

Porque todas as situações que nos arreliam no dia-a-dia são mesquinhas e perdem todo o sentido perante uma notícia que nos dá conta de uma perda que é irrecuperável.

E naquele momento esqueci-me de todos os problemas e só queria estar em Lisboa, perto da minha amiga, uma das mulheres mais fortes que conheço, para lhe dar o maior abraço do mundo.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Porque hoje me apetece dizer isto...



" Love Is Where You Are
I used to walk between the shadows
Lost in the world that move too fast
I was afraid, I'd always be alone
Then I saw your face at last

I found my way even in the dark
Though at times it seem too far
I knew if I'd listened to my heart
I'd find that love is where you are

I close my eyes and see tomorrow
My dreams begin and end with you
I hear you say you'll be there
Always for me there
I must believe it's true

I found my way even in the dark
Though at times it seem too far
I knew if I'd listened to my heart
I'd find that love is where you are

Love is where you are
And anywhere you are
It's where I want to be
No matter what may happen
No matter where I go
Your arms are home to me

I found my way even in the dark
Though at times it seem too far
Somehow I knew even at first sight
That love is anywhere you are
Love is where you are
That love is anywhere you are "
Diana Krall

Aqui.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Quando a noite se aproxima...


Sexta-feira será provavelmente o dia onde as pessoas mais se apressam a sair do emprego rumo ao fim-de-semana.

No meu local de trabalho às 17.30 horas, (hora de saída), já só eramos meia dúzia de "gatos pingados".

Agora que são 19.00 horas posso dizer que sou a única "gata" (vou deixar assim) que ainda está a trabalhar na empresa.

E gosto de estar sozinha a trabalhar. Sem telefones para atender, sem dúvidas para responder, sem reuniões para falar. Estar apenas a fazer o que gosto: elaborar pareceres. Ao meu próprio ritmo, com a música no ar. E a fazer pausas (como esta), para me desligar momentâneamente do que me mantém aqui.

Sabem aquela sensação de termos uma hora do dia em que ficámos sozinhos e podemos ser nós mesmos?


Tenham um grande fim-de-semana, tentem ser felizes e fiquem com a música que neste momento me está a fazer companhia.

4ª Regra da Vida...




"Quando duas pessoas se encontram
há, na verdade, seis pessoas presentes:
cada pessoa como se vê a si mesma,
cada pessoa como a outra a vê
 e cada pessoa como realmente é."

William James

 
 
Não sei se será precisamente pela razão invocada por William James, mas a vida ensinou-me um princípio basilar: confiar em poucas pessoas mas nunca ser injusta.
 
Mas o benefício da dúvida há-de ser proporcional ao respeito que a pessoa tem por nós.
 

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso