quarta-feira, 30 de junho de 2010

Ser cortejada ou cortejar?




Presume-se que a mulher deve esperar,
imóvel, até ser cortejada.
Mais ou menos como a aranha espera a mosca.
George Bernard Shaw


É verdade que as fibras da seda da aranha são muito resistentes e elásticas.

Mas será que a mulher se deve limitar a tecer a sua teia até apanhar um incauto?


Será que o jogo da sedução deve ser feito apenas por um?


Não é legítimo à mulher demonstrar o seu interesse antes que ele se manifeste da outra parte?


Ou será que, ao contrário dos homens, faltam qualidades à mulher para cortejar?


Ou, ainda, será que ao homem cabe cortejar e à mulher seduzir?



Será que na sedução ou no cortejar se impõe falar de igualdade?




Traição...


"Fiquei magoado, não por me teres mentido,

mas por não poder voltar a acreditar-te."

Friedrich Nietzsche


A traição tem muitas facetas. Por exemplo, quando traímos os nossos princípios.

Mas isso será tema para outro dia.

Hoje vamos falar da traição que ocorre dentro de uma relação amorosa. Mais propriamente da vossa reacção se soubessem que tinham sido traídos.

A maioria irá dizer que dependia das circunstâncias. Os afectos são assim mesmo.

Mas já pensaram na situação pelo lado mais obscuro que cada um de nós tem?Por exemplo, alguma vez vos passou pela cabeça partir para a violência? Para o "olho por olho, dente por dente"? Para o "pagar com a mesma moeda".

Ou serão hipóteses completamente absurdas e contrárias à vossa maneira de ser?



terça-feira, 29 de junho de 2010

Ai os primeiros amores...


Questão de genética, ou não, a verdade é que toda a minha família sempre teve problemas de visão.

Daí que desde muito cedo que a visita ao oftalmologista era obrigatória para cada uma das minhas filhas.


Felizmente a mais velha sai ao pai.

A mais nova, confiava eu, também sairia.
Engano. Aguentou até aos 12 anos.

Tem exactamente o mesmo problema que eu tive até ser operada e esta semana começará a usar os óculos.


Se para mim foi fácil porque comecei a usar óculos desde os 4 anos, para a minha filha é algo impensável porque, segundo ela, quem é o rapaz que vai olhar para uma "caixa de óculos".


Ainda lhe disse que era pior usar aparelho de dentes mas ela diz que isso é moda e ninguém liga.
Vai daí a tentativa inútil de tentar convencer o médico a usar lentes de contacto.

Neste momento, só pensa que os rapazes vão deixar de olhar para ela.


Ontem à noite foi tempo de sondar os amigos sobre o que achavam de uma rapariga usar óculos. Não me disse a opinião do "amigo" mas pela cara que tinha esta manhã...

Ai os primeiros amores são lixados...


segunda-feira, 28 de junho de 2010

Vírus, Viroses...

O pessoal da informática anda a copiar os médicos.

Os médicos quando têm alguma dificuldade em fazer um diagnóstico vêm com a célebre frase: "deve ser uma virose".


Os técnicos de informática quando não sabem resolver um problema utilizam a frase: "´deve ter sido um vírus no servidor".


Ora, a vida é muito injusta. É que eu quando não me apetece fazer um parecer (daqueles chatos como o raio), não posso dizer ao meu chefe que os meus neurónios tiveram uma virose.


domingo, 27 de junho de 2010

Dormir só, ou acompanhado?






"As premissas poderão não ser controversas, mas a conclusão não deve agradar à maioria dos casais: partilhar a cama pode levar a disputas sobre os cobertores ou a discussões a propósito do ressonar, o que implica a perda de horas de sono. A conclusão de um especialista britânico de que mais vale dormir sozinho chega depois de estabelecida uma ligação entre dormir mal e depressão, doenças cardíacas, derrames, distúrbios pulmonares, acidentes de trânsito e industriais e divórcio.

Neil Stanley, criador de um dosprincipais laboratórios para o estudo do sono na Grã-Bretanha, que dorme separado da mulher, argumenta que a moda de partilhar o leito só começou com a Revolução Industrial, por uma questão de espaço em cidades sobrelotadas, e que, antes disso, era raro os casais dormirem juntos..."



Fonte: visao.pt


Ora aqui está o primeiro tema da semana que começa daqui a pouco.


Será que o "aconchego" de um corpo, uma carícia subtil, um simples olhar, conseguem superar os inconvenientes de um corpo quente no Verão ou de um ressonar que abruptamente nos retira dos braços do Deus Hipnos?

O que preferem?




sexta-feira, 25 de junho de 2010

E lá consegui...



Chegar ao final de mais uma semana de trabalho.

Agora é tempo de relaxar e como tenho esta noite só para mim vou aproveitar para colocar a leitura em dia enquanto ouço um dos meus artistas favoritos.

Divirtam-se e um bom fim-de-semana.




E lá consegui...

Estamos lá...

Crescer...



Aprendi uma coisa:
só se conhece realmente uma pessoa depois de uma discussão.

Só nessa altura se pode avaliar o seu verdadeiro carácter.

Anne Frank




No nosso dia-a-dia partilhámos a nossa vida com um conjunto de pessoas. Nesse conjunto temos aquelas de quem gostámos e aquelas que ou nada nos dizem ou não gostámos.

Convivo muito bem com quem nada me diz ou de quem não gosto. É que basta a indiferença para prosseguirmos o nosso caminho.


O problema é quando gostámos de alguém. Aí é que se pode tornar complicado. É que, o que nos leva a gostar de alguém é essencialmente o carácter porque este revela a nossa verdadeira essência. É aquilo que somos.

É certo que quando gostámos de alguém tendemos a valorizar as suas virtudes. Até nos esquecemos que a pessoa é como nós: um ser humano com defeitos e virtudes. Mas queremos lá saber dos defeitos. Este "filtro" leva-nos a idealizar um carácter que assumimos como certo e imutável.

Já aqui afirmei de que um dos meus maiores defeitos é evitar confrontos. Mesmo que fique a perder prefiro dizer alto e bom senso "tens razão" e virar as costas.

Faço-o de forma consciente. É uma das defesas que utilizo para evitar desilusões. É que no meio de um confronto fazem-se afirmações que colocam em causa tudo aquilo que idealizámos sobre essa pessoa. E ninguém gosta de perder alguém de quem gosta.

A ocorrer, é uma das formas mais desagradáveis de crescermos enquanto seres humanos.







quinta-feira, 24 de junho de 2010

O anzol...





Primeiro, informe-se dos fatos;

depois, pode distorcê-los quanto quiser.
Mark Twain


Costumo dizer que mais do que as palavras, os actos demonstram a verdadeira intenção das pessoas.


Já vos aconteceu encontrar alguém que mais do que distorcer os factos, aproveita alegados factos para justificar uma posição que não teve coragem de assumir?


Mais parecem aqueles pescadores que atiram um isco para ver se apanham um peixe.


A diferença é que o anzol não pretende apanhar um peixe...



quarta-feira, 23 de junho de 2010

Sombra...

Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nós queremos.
Só nós somos sempre

Iguais a nós próprios.


Suave é viver só
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.

Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.

Ricardo Reis

Nunca entendi porque a maioria das pessoas têm medo das sombras.

Muitas vezes da sua própria sombra. Lá terão as suas razões.

Nunca tive medo das sombras.


Por falar em sombras, aqui ficam algumas dicas sobre sombras chinesas.











Ai meu rico S. João...


Conta a história que João terá nascido a 24 de Junho.

Mas o que pouca gente sabe é que, "...segundo os registos do Cancioneiro Português, dos três santos: Santo António, S. João e S. Pedro, São João é o santo menos confiável, por causa da fama de sedutor.

São João fora bom santo
se não fora tão gaiato
levava as moças para a fonte
iam três e vinham quatro."

Sedutor? Está encontrada a razão de ser comemorado à grande no Norte...

Mas, na verdade, "...São João é o Santo mais festejado em todo o país. Pelo menos é o que nos diz o Cancioneiro Popular:

"Até os mouros na Mourama
festejam o São João.
Quando os mouros o festejam
que fará quem é cristão."

Deixo-vos, como não podia deixar de ser, com uma quadras:

"Meu querido São João
És um Santo popular
Traz teu arco e teu balão
Vem com o povo dançar!

Aproveitem bem esta noite...
Fica fresco quem se afoita e regala o coração
Quem se banhe à meia-noite
Da noite de São João.

Delicados pés pisaram
Rosmaninhos pelo chão
Muitos corações amaram
Na noite de São João. "


Um Bom S. João para todos...que esta noite as ruas sejam um rio de afectos e de boa disposição...







Fonte: http://pititi.com/festas/festaspop/sjoao/sjoao.htm

terça-feira, 22 de junho de 2010

Teste...

Uma colega enviou-me um teste com trinta questões de forma a aferir os meus conhecimentos da língua materna.

O resultado foi este.

Quem quiser pode fazer mas, atenção, não vale procurar os significados. O que interessa mesmo é termos consciência do que não sabemos.

Depois, é só publicar o resultado.


Resultado: 25 pontos

Eu tenho um excelente vocabulário.

Teste Seu Vocabulário.

InterNey.Net

Ser forte ou ficar exausta?


Nâo, não vou falar de programas de emagrecimento que ocupam a mente da maioria das pessoas mal os primeiros raios de sol começam a despontar.

O tema é outro.


Uma das minhas séries preferidas dá à segunda-feira no AXN. "

Mentes criminosas" fascina-me pelo argumento, que vai muito além da descrição de crimes e da forma como o perfil dos criminosos é elaborado por um conjunto de especialistas.

Fascinam-me os diálogos que, muitas vezes, passam despercebidos.


Penélope, uma das personagens, representa a inocência. Aquela que não entende, nem quer entender, porque razão um ser humano mata outro. Aquela que acredita na essência do ser humano. Aquela que recusa pensar que há pessoas más por natureza. Talvez por essa razão prefere "esconder-se" atrás de um computador não gostando do trabalho de campo. O computador assume aqui o papel de arma de defesa. Muitas vezes o ser humano prefere fugir a enfrentar o mal de frente, ou, simplesmente, porque se recusa a ser "contaminada" pela maldade.
..

No episódio de ontem ela é confrontada de frente com o lado negro do ser humano e com a morte e é elogiada por um dos colegas pela força que demonstrou. Ela, depois de dizer que não gosta de violência, que é contra a sua maneira de ser, acrescenta mais ao menos isto: "será que foi força ou simples exaustão"? E questiona: "Será que para exercermos a nossa profissão, fazermos aquilo que gostámos de fazer temos de mudar a nossa personalidade? Tenho medo de estar a transformar-me numa pessoa que não sou".

Essa é a dúvida que tenho tido nas últimas semanas. Será que para vermos o nosso trabalho valorizado temos que mudar a nossa personalidade? Temos que usar formas de "nos fazermos notar" sem ser pelo trabalho que desenvolvemos?

Há uns dias atrás alguém me dizia que a sociedade de hoje nos obriga a ser hipócritas e a fazer "jogos de cintura". Mas a sociedade não somos nós? Não somos nós que exigimos a hipocrisia e os "jogos de cintura"? A verdade é que sou uma lírica quando penso que devemos ser, apenas e tão só, nós mesmos e valorizar aquilo que somos.

Pelo que, por opção, é preferível fazer uma longa travessia no deserto ou, simplesmente, deixar-me ficar quietinha, a contemplar como meio mundo "lixa" meio mundo. Ainda não me conseguiram convencer que a "troca" vale a pena...

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Não há fome que não dê fartura...mesmo sem Ketchup!!!

7 - 0 ?


Game Over...



Convenhamos, se o homem já ia com aquela cara para o casamento estava à espera de quê?



Mas será que o casamento é um jogo?




Se o entendermos enquanto tal, e se o jogo chegar ao fim sem prolongamentos sucessivos, há vencedores e vencidos? Ou será que termina tudo num simples empate?

domingo, 20 de junho de 2010

Poetas Andaluces...



"Não há solidão inexpugnável. Todos os caminhos conduzem ao mesmo ponto: à comunicação do que somos. E é necessário atravessar a solidão e aspereza, a incomunicação e o silêncio para chegar ao recinto mágico em que podemos dançar com hesitação ou cantar com melancolia, mas nessa dança ou nessa canção acham-se consumados os mais antigos ritos da consciência; da consciência de serem homens e de acreditarem num destino comum.

Pablo Neruda, in 'Nasci para Nascer' (Discurso na entrega do Prémio Nobel)



Um dos textos que tive que preparar para o espectáculo de folclore dizia respeito a um grupo que vinha de Aller em representação das Astúrias.

Desconhecia o grupo pelo que me limitei, como sempre, a fazer uma pequena introdução histórica das Astúrias e terminar com o historial do próprio grupo.

No final do espectáculo é comum haver um pequeno convívio entre o rancho anfitrião e o grupo que vem do estrangeiro. Ontem não fugiu à regra.

O curioso é que entre as gargalhadas que provocaram as tentativas de ambos os grupos ensinarem as suas próprias danças, e enquanto um dos tocadores lançava os sons da gaita de foles, dei por mim a pensar que todo o esforço do ser humano se resume a não estar só. A partilhar um destino que, quer se queira ou não, é comum: o de viver.

Recordei-me então de um tema que era presença obrigatória num dos programas que tinha na rádio.

O tema é de 1975 mas continuo a gostar dele porque...

"Cantan con voz de hombre, pero donde están los hombres?
con ojos de hombre miran, pero donde los hombres?
con pecho de hombre sienten, pero donde los hombres?

Cantan, y cuando cantan parece que están solos.
Miran, y cuando miran parece que están solos.
Sienten, y cuando sienten parecen que están solos.
...
Cantad alto, oireis que oyen otros oidos
Mirad alto, vereis que miran otros ojos
Latid alto, sabreis que palpita otra sangre

No es más hondo el poeta en su oscuro subsuelo encerrado
Su canto asciende a más profundo,
Cuando abierto en el aire ya es de todos los hombres."

Rafael Alberti









sexta-feira, 18 de junho de 2010



"Saber não ter ilusões é absolutamente necessário
para se poder ter sonhos"

Fernando Pessoa, in 'O Livro do Desassossego'




Em termos de trabalho nunca tive ilusões mas já tive sonhos.


Hoje nem sonhos imperfeitos. Apenas a vontade férrea de aguentar um dia de cada vez e, dessa forma, sobreviver no final de cada semana.


Mas hoje o que interessa é que entrámos no fim-de-semana. Amanhã já tenho o dia reservado. Uma vez mais estarei a apresentar o Festival de Folclore.


Quer estejam a trabalhar ou a descansar, um bom fim-de-semana.



Saramago...


Começo por dizer que não gosto da escrita de Saramago mas enquanto portuguesa é óbvio que sinto orgulho de um homem das letras do nosso País ter recebido o Prémio Nobel da Literatura.



Mas também o mereceriam António Lobo Antunes (o Auto dos Danados continua a ser um dos meus livros predilectos), Sofia de Melo Breyner ou Miguel Torga. E se o prémio já existisse em tempos mais longínquos o "meu" Eça de Queirós ou Aquilino Ribeiro, ou, ainda, o incontornável Fernando Pessoa.




A língua portuguesa é das mais ricas do mundo. Felizmente temos autores que a prestigiam.




Saramago, independentemente de gostar dele, ou não, enquanto escritor foi um autor que prestigiou a língua portuguesa. Bastaria isso para a oportunidade deste post.

O que fariam por amor?




Há sempre um pouco de loucura no amor,
mas há sempre um pouco de razão na loucura.
Friedrich Nietzsch



Eu acrescentaria obsessão. Mas isso agora não interessa nada.


O desafio de hoje é saber o que vocês fariam por amor. Por mais louco que tal atitude pudesse parecer aos olhos dos demais.




quinta-feira, 17 de junho de 2010

Que cama escolhiam?

Confesso que gosto das duas primeiras.


Mas não deixo de imaginar o que seria estar em cima da terceira...





quarta-feira, 16 de junho de 2010

Defeitos e virtudes...






«Há pessoas a quem os defeitos assentam bem
e outras que caem em desgraça
apesar das suas boas qualidades»
La Rochefoucauld


Todos nós conhecemos alguém que enfrenta a vida de tal forma que nos contagia e que quase nos faz esquecer que é um simples ser humano com defeitos e virtudes.



Isso, claro está, se conseguirmos colocar de lado esta nossa eterna mania de tentar descobrir os defeitos dos outros como forma de fugir dos nossos próprios defeitos.



Mas vamos colocar a nossa capacidade critica a funcionar. Enumerem dois defeitos vossos.



Mas, já agora, duas virtudes para que a balança fique equilibrada.



Se gostam destes meninos...





Então não percam o espectáculo. Para além de decorrer num local fantástico, junto à Serra do Pilar, o espectáculo é gratuíto.



A banda continua a apresentar-se com o líder-fundador e vocalista John Lees (igualmente responsável por uma das guitarras) e pelo também fundador Stuart “Woolly” Wolstenholme que, além da voz e guitarra, foi o responsável pelas teclas do Mellotron – o órgão electro-mecânico celebrizado pelos BJH e que se tornaria símbolo do rock progressivo nos anos 60 e 70os Barclay James Harvest têm um som inconfundível.



É no próximo dia 10 de Julho.

Eu apaixonei-me pelo meu professor de ciências porque estava com calor e nervosa...

Este teste mandaram-me por mail.

Podem fazer o teste mas não vale "falcatruas".


Escolha o número do mês em que nasceu:

1. Eu comi

2. Eu bati

3. Eu apaixonei-me por

4. Eu matei

5. Eu dei o meu nº de telefone para

6. Eu marquei um encontro com

7. Eu dancei com

8. Eu cantei para

9. Eu abracei

10. Eu beijei

11. Eu casei com

12. Eu atirei em



Escolha o dia do mês em que nasceu:

1. Um bode

2. O meu cachorro

3. Meu professor de ciências

4. O computador

5. Minhas meias

6. Eu mesmo

7. O meu pai

8.Uma coca-cola

9. Um isqueiro

10. Um pepino

11. Um urso de peluche

12. Um marcador

13. Um polícia

14. Um livro

15. Uma bola de futebol

16. Um DVD player

17. Um clip de papel

18. Um telemóvel

19. Um mendigo

20. A sua empregada

21. Uma banana

22. Um garfo

23. Um(a) argentino(a)

24. Um ladrão

25. Um ninja

26. Meu psiquiatra

27. A minha vizinha

28. A minha cama

29. Um jogador de futebol

30. Um IPOD

31. O namorado da minha melhor amiga



Escolha a cor da sua camisola/blusa/vestido que está a usar:

Branca – Porque eu estava drogado(a)

Preta – Porque eu estava bêbado(a)

Rosa – Porque eu sou muito feminina

Vermelha – Porque as vozes me mandaram

Azul – Porque eu não sei me controlar

Verde – Porque eu me odeio

Roxa –Porque eu estou nu(a)

Cinza – Porque quis

Amarela – Porque alguém me pagou

Laranja – Porque eu adoro-me

Outra cor – Porque eu estava com calor e nervoso

Sem nada – Porque sei lá!



Junte e escreva a frase que deu!

terça-feira, 15 de junho de 2010

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Mudei a cara...

do blogue.


Já que estamos a entrar daqui a pouco no Verão, uma imagem diferente.

Aderi a um dos novos modelos de layouts para blogues do Blogger da Google.




A cor escolhida é apenas uma das minhas favoritas. Espero que gostem.

Crise Económica?



Ou será mais crise de espírito?

domingo, 13 de junho de 2010

As escolhas...




“ PARA VENCER NÃO PRECISA DE SER O MELHOR OU O MAIS BRILHANTE,

SÓ TEM QUE FAZER AS COISAS CERTAS ”

DAVID J. LIEBERMAN



Por vezes não é fácil tomarmos decisões ou fazer escolhas.

Nas últimas semanas tive que ponderar se valia a pena fazer a escolha certa ou uma boa escolha.

É que na maioria das vezes a escolha certa não é uma boa escolha. Tenho consciência que a vida me permite neste momento fazer uma escolha certa se pretender manter um dos meus objectivos profissionais. Mas não é, seguramente, uma boa escolha porque terei que esquecer os valores em que acredito.


E, para mim, mais importante que fazer a escolha certa é fazer uma boa escolha. E só será uma boa escolha se estiver de acordo com os valores em que acredito e pelos quais sempre lutei. Para mim isto é que é ser intelectualmente honesto.

Eu acredito na amizade, na lealdade, na solidariedade, no respeito pelo próximo, no reconhecimento colectivo pelo mérito do trabalho e não qualquer outro.

A amizade, por exemplo, não tem um sentido hoje e outro amanhã. Ou há amizade, ou não há. Ponto final. Na amizade não se fazem sacrificios. Na amizade dá-se sem esperar nada em troca e sem arrependimentos.

A lealdade não é uma palavra vã. Recuso-me a quebrar a confiança que depositam em mim, independentemente das circunstâncias. Mas ela deve ser biunívoca sob pena de ela deixar de ter sentido.

A solidariedade é dizer presente quando precisam de nós.

Havendo honestidade intelectual e lealdade, respeitamos os outros porque nos estamos a respeitar. Porque todos os nossos actos são transparentes e verdadeiros.

Muitos estarão a pensar neste momento que sou uma verdadeira "velha do restelo" ou então uma romântica que só sabe ler romances de amor. Respeito tais opiniões mas sabem é que a única herança que vou deixar às minhas filhas são os valores nos quais acredito. Mas os valores só fazem sentido se eu actuar de acordo com os mesmos.

Assim, vou deixar as escolhas certas, que não as boas, para quem os valores são palavras vãs.

Até porque não conseguia ser feliz se fosse de outra forma.



quarta-feira, 2 de junho de 2010

Pensar e sentir....



Carl Jung escreveu:


"Quando pensamos, fazêmo-lo com o fim de julgar
ou chegar a uma conclusão;

quando sentimos, é para atribuir um valor pessoal
a qualquer coisa que fazemos."


O sentir não é apenas a atribuição pessoal a qualquer coisa que fazemos mas, igualmente, a qualquer coisa que nos fazem.


E, na grande maioria das vezes, perante a mesma acção, o que sentimos é bem diferente daquilo que pensámos.


É que o ser humano tem respostas racionais e emocionais. E, muitas vezes a linha é invisível.


Vem isto a propósito da situação que vivo desde Março deste ano e da dificuldade que estou a sentir pela primeira vez na minha vida em dar a volta por cima. Talvez porque esteja a sentir em demasia, o que me impede de chegar a uma conclusão.

Assim, optei por meter uma semana de férias, tentar racionalizar o que sinto e definir o meu futuro. Se estiver ausente, já sabem.


Entretanto, e a pedido, deixo-vos um tema interpretado por Juan Luis Perales. Escolhi esta música porque era uma das mais pedidas quando trabalhava na rádio. CT, esta é especialmente para ti. Espero que gostes.


Uma questão de perspectiva...

terça-feira, 1 de junho de 2010

O jogo da vida...




"No jogo da vida, as derrotas deixam marcas,

as feridas fazem mesmo doer,

muitas vezes não recuperamos aquilo que perdemos."
(Paulo Geraldo)




Não será legítimo desistir de lutar quando a luta é desigual?


É verdade que desistir é uma covardia.


Mas, pergunto-me: estando a vida constantemente a ganhar por KO e, mesmo assim, levantarmo-nos dia após dia, sem ajuda de ninguém, não é exigir de mais de nós próprios?



Para que raio quero eu um Porsche?



Luís Campos e Cunha, ex-Ministro das Finanças arrisca-se a entrar na imortalidade com a afirmação:


Não sei para que é que querem gastar dinheiro no TGV

se podem perfeitamente oferecer um Porsche

a cada português gastando menos”.



Meu querido Luís Campos e Cunha, o Porsche não é o meu ideal de carro.


Nota - Em abono da verdade, não diria que não a este menino...


Será que posso optar por um desconto significativo no dinheiro que todos os meses me tiram do ordenado?

Razão ou coração?



«Se o coração tem razões que a razão desconhece,

isso deve-se ao facto da razão ser menos sensata do que o coração»

Raymond Radiguet


Em matéria de afectos, e quando a razão vos manda por um caminho diverso que o coração, por qual vocês optam?



Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso