sexta-feira, 30 de abril de 2010

F.C. do Porto / S.L. Benfica

Pouco falta para o jogo FC Porto/Benfica.

Pelos vistos vamos ter casa cheia...





Eu é que não vou estar presente. É que me arriscava seriamente a levar com uma das 3.500 bolas de golfe que também vão marcar presença.

Espero que seja um bom jogo, que o FCP ganhe e que todos se portem bem...


Mulher ou patroa?

"Há homens que têm patroa.
Há homens que têm mulher.
E há mulheres que escolhem o que querem ser."
Martha Medeiros



As meninas que param por aqui gostam mais de ser mulher ou patroa?



E, já agora, o que é os meninos gostam mais?




Desta?



Ou desta?




Nota - Os meninos escusam de responder. A intuição das mulheres é formidável!
A falta de imaginação e de vontade para escrever é "lixada".


Mas há faltas bem piores...



quinta-feira, 29 de abril de 2010

Exemplo ou Lição?




Não devemos servir de exemplo a ninguém.

Mas podemos servir de lição.

Mário de Andrade



Este pensamento é curioso porque ainda não consegui chegar à conclusão se concordo, ou não, com ele.


Numa primeira leitura concordei com ele até porque nunca gostei de ser exemplo para ninguém. Cada qual tem a liberdade de fazer as opções que entende como melhores.


Por outro lado, de alguma forma, tento servir de exemplo às minhas filhas no sentido de todas as minhas acções estarem de acordo com os valores que defendo.


E, afinal, qual o sentido da "lição"? Será que as pessoas vão olhar para nós para "aprender" as consequências dos nossos actos? E que actos? Apenas os maus?


Mas nós não aprendemos com as lições que a vida nos vai oferecendo? Aprendemos com todas? Ou será que só aprendemos com o mal que nos acontece (ou que acontece aos outros)?



A música de hoje é de um dos meus grupos favoritos.






quarta-feira, 28 de abril de 2010

O "Eu" e os "Outros"...




"Sempre que nos acontece descobrir algo que os outros supõem que nunca vimos, não corremos a chamar alguém para que o veja connosco? - Oh, meu Deus, o que é? Se, por acaso, a visão dos outros não nos ajudar a constituir em nós, de algum modo, a realidade daquilo que vemos, os nossos olhos já não sabem o que vêem; a nossa consciência perde-se, porque aquilo que pensamos ser a nossa coisa mais íntima, a consciência, significa os outros em nós; e não podemos sentir-nos sós. "

Luigi Pirandello (escritor italiano, 1867-1936), in 'Um, Ninguém e Cem Mil'


Quando não temos a capacidade de nos colocar, nem que seja por breves momentos, no lugar do outro, quando nos limitámos a ver o mundo à nossa imagem e semelhança, quando julgámos os outros pelos nossos próprios padrões, corremos o risco de perder a noção da realidade.


É que, não somos melhores só porque criticámos os outros. Tal como Samuel Butler escreveu:



"A consciência é muito bem educada. Deixa logo de falar com aqueles que não querem escutar o que ela tem a dizer"


O Gigante e o Pigmeu...



Um dia cheguei a casa a chorar da escola.

Uma colega tinha-me "agraciado" com aquelas duas palavras mágicas para qualquer mulher: "feia e gorda".


Depois de algumas insistências o meu pai lá conseguiu que eu lhe dissesse o motivo do meu choro.


O meu pai olhou para mim e não disse nada.


Uns minutos mais tarde voltou ao meu quarto com um livro. Entregou-me e disse-me: lê a frase que está sublinhada na página 22 e reflecte.


A frase era esta:

Quando vemos um gigante,
temos primeiro de examinar a posição do sol

e observar para termos certeza
de que não é a sombra de um pigmeu.

Friedrich Novalis




O meu pai era único!



Pena é que eu me esqueça dos ensinamentos dele.

Parabéns Eu Mesma...


Pois é, "Eu Mesma". Hoje, fazes mais um aninho.

Bem tentei arranjar um bolo à maneira mas, por incrível que pareça, não existe nenhuma imagem com um homem a sair de um bolo.

Mas porque raio existem milhares de imagens de mulheres a sairem de bolos de aniversário e não existe uma única com um homem? Mas será que nunca se lembrou disso?

Bom, fica esta imagem a título de compensação:







Quanto à música, ainda pensei colocar a Mafalda Veiga mas a Abobrinha era capaz de ter um ataque de nervos.

Espero que gostes desta.



terça-feira, 27 de abril de 2010

Lingerie XXL...


"Um anúncio com lingerie XXL que as estações americanas de televisão Fox e ABC não queriam, por ser demasiado provocante, vai passar em ambos os canais em horário nobre.

O braço-de-ferro entre a marca Lane Bryant e as duas estações de televisão acabou com a vitória em tribunal da marca de roupa. As estações de televisão alegavam que o anúncio era demasiado arrojado e a marca acusou-as de estarem com preconceitos em relação a mulheres mais gordinhas e decotes pronunciados. Esta semana o anúncio irá para o ar no intervalo de "American Idol" - ver notícia aqui -.


Esperem aí...

Se as modelos fossem magras já não era provocante?

Mas, então, isso quer dizer que as mulheres "mais gordinhas" são mais provocantes que as magras.

Já ganhei o dia!


Se quiserem ver o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=VMxyZQfMmM4

Consumir Afectos ...


“A expressão Sociedade de Consumo designa uma sociedade característica do mundo desenvolvido em que a oferta excede geralmente a procura, os produtos são normalizados e os padrões de consumo estão massificados...

As principais características da sociedade de consumo são as seguintes:

. Para a maioria dos bens, a sua oferta excede a procura, levando a que as empresas recorram a estratégias de marketing agressivas e sedutoras que induzem o consumidor a consumir, permitindo-lhes escoar a produção.

. A maioria dos produtos e serviços estão normalizados, os seus métodos de fabrico baseiam-se na produção em série e recorre-se a estratégias de obsolescência programada que permita o escoamento permanente dos produtos e serviços.

. Os padrões de consumo estão massificados e o consumo assume as características de consumo de massas, em que se consome o que está na moda apenas como forma de integração social.

. Existe uma tendência para o consumismo (um tipo de consumo impulsivo, descontrolado, irresponsável e muitas vezes irracional)."

Paulo Nunes - Economista, Professor


Cá para mim, existe um consumo impulsivo, descontrolado, irresponsável e muitas vezes irracional" dos afectos, tal é a facilidade com que nos descartamos dos mesmos.


Vejamos, por exemplo, a amizade.


Qual é o problema de acabar com uma amizade? Perder tempo em nos colocarmos no lugar do amigo? Para quê? Mas há "amigos" a "rodos" por aí... Só no facebook a oferta de "amigos" excede a procura. E, ainda por cima, são daqueles "amigos" que dizem "ámen" a tudo o que eu digo.


Mais a mais, parece mal eu não ter muitos "amigos". O que dirão aqueles que me conhecem se eu disser que só tenho um ou dois amigos?


Descartei um verdadeiro amigo? Qual é o problema? Arranjo outro logo a seguir. Quando estragava uma boneca colocava-a no lixo e os meus pais compravam outra.


Perder um segundo da minha vida a colocar-me no lugar do amigo que descartei? Estão doidos? Mas eu tenho lá tempo para isso...É mais fácil fazer tudo para o magoar para ver se ele "enxerga que está a mais..."


Definitivamente, não gosto nada desta sociedade de consumo de afectos e manifesto a minha incapacidade de lidar com ela. Quererá isto dizer que estou a ficar velha? Provavelmente...


segunda-feira, 26 de abril de 2010

Da amizade entre as mulheres...




Dizem-se amigas... Beijam-se... Mas qual!
Haverá quem nisso creia!
Salvo se uma das duas, por sinal,
For muito velha, ou muito feia...

Mário Quintana




Defendam-se meninas. Não sou a pessoa mais indicada para responder a esta!

Como ganhar uma discussão com apenas uma palavra...de cinco letras!

Ao abrir hoje o meu mail, tinha esta pérola!


Pensamento do dia...



"Não creias que, rompida uma amizade,
não tenhas mais deveres a cumprir.
São os deveres mais difíceis, nos quais só a honradez te sustenta.
Deves respeito à antiga amizade.
Deves abster-te de tornar as brigas públicas e de falar delas,
a não ser para te justificares."
(Anne-Therese Lambert)


domingo, 25 de abril de 2010

Injustiça!





Há duas coisas a que temos de nos habituar,

sob pena de acharmos a vida insuportável:

são as injúrias do tempo e as injustiças dos homens.
Sébastien-Roch Chamfort




Tinha doze anos quando fui expulsa da aula de matemática.


Motivo: Insurgi-me contra a professora que tinha marcado injustamente uma falta disciplinar a um colega. De facto, a falta tinha sido cometida por outro colega mas que era filho do "Senhor Dr. Fulano de tal", enquanto que o outro era o "bastardo" que vivia com a mãe que era empregada de limpeza.


Se esta minha atitude valeu um amigo para sempre, a verdade é que ela marcaria a minha vida, também para sempre.


Foi nesse dia que decidi ser advogada. Foi a partir desse dia que entendi que me sentia mais à vontade com as pessoas simples e humildes e não com aqueles que nos davam projecção social. Foi nesse dia que entendi que não conseguia estar calada perante injustiças.


Recordo-me perfeitamente da conversa que tive nesse dia com o meu pai. Então, com a sabedoria que era reconhecida por todos aqueles que privavam com ele, o meu pai disse-me que uma das características que mais gostava em mim era o meu sentido de justiça mas que não tinha qualquer dúvida que seria essa minha característica que mais problemas me daria na vida adulta.


Não se enganou. Sou daquelas pessoas que privilegio o diálogo, a assertividades, o consenso. Não gosto de conflitos. Quando sei que uma discussão não leva a lado nenhum prefiro remeter-me ao silêncio.


Mas esta minha postura não funciona quando o que está em causa é aquilo que eu considero uma injustiça. E esta minha forma de ser trouxe-me mais prejuízos do que benefícios.


O meu pai tinha razão. Mas o curioso é que não me arrependo de ser como sou. Considero a injustiça, seja qual for a forma como ela se apresenta, execrável e que não deve deixar ninguém indiferente. Pactuar com uma injustiça é vender a nossa consciência.


Voltando ao pensamento de Sebastien Chamfort, com as injúrias do tempo, posso eu bem. Mas com as injustiças do homem? Nunca me habituarei...



Porque o homem tem o direito de pensar! Mesmo que para isso tenha que resistir e dizer não...



Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.

Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.

Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.

Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio -- é tudo o que tem
quem vive na servidão.

Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.

Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.

Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Manuel Alegre


E a voz de um homem da minha cidade: Adriano Correia de Oliveira

sexta-feira, 23 de abril de 2010

E eu vou lá estar - Parte 2

A juntar ao Ben Harper, Editors eMorcheeba, este menino também marcará presença no "Marés Vivas".





Bom fim-de-semana e...tentem confraternizar com o inimigo!

Guerra dos Sexos!



Não estou a falar do blogue que três doidos (Francisco Pensador, Teresa e eu própria) decidiram um belo dia criar.

Estou a falar deste pensamento de Henry Kissinger:


'Ninguém jamais vencerá a guerra dos sexos:

há muita confraternização entre os inimigos.'



Em que é que ficámos?




Confesso que gosto mais desta imagem...


Eis um pensamento para os homens...




Que as mulheres, com toda a certeza, irão ripostar!


Eis o melhor conselho para um homem razoável:
não acredites numa mulher,
ainda que ela esteja a dizer a verdade.

Eurípedes


quinta-feira, 22 de abril de 2010

Hoje o dia está negro?






Eram perto das 4 da manhã. Estava a ler calmamente para fazer frente a uma "sessão" de insónias.


Primeiro, uma dor nas costas.


Segundo, não mexia o lado esquerdo.


A minha visão estava boa, os músculos da face também pelo que não devia ser nada de muito grave.


Acordar o "maridinho" que dormia e convidá-lo a uma noite romântica no...hospital.


Exames e mais exames.


Diagnóstico: "5º piso" (nome carinhoso que dou ao meu querido sistema nervoso).


O stress tem umas piadas muito giras. Na parte que me diz respeito, adora os meus músculos e está sempre a brincar com eles.


Cura? Uma injecção daquelas que acordam um cavalo e descanso. Pois claro!


Hoje cheguei mais tarde ao trabalho. Mas cheguei!


Recuso-me a cair.


O dia está negro? Claro que não. Não é qualquer coisa que me verga.


É nas vicissitudes que eu encontro a minha força. Sempre foi assim!
Porque não desisto.


Tal como disse Clarice Lispector:

"O que é verdadeiramente imoral é ter desistido de si mesmo"





Confessem lá meninos...e meninas

Alguma vez fizeram isto (as meninas fazem de conta que são elas que estão no lado esquerdo).



Respeito...



Quando se respeita alguém
não queremos forçar a sua alma sem o seu consentimento


Simone de Beauvoir


Não podemos exigir, nem esperar que gostem de nós.

Principalmente àqueles de quem gostamos.


quarta-feira, 21 de abril de 2010

Educação Sexual...

Ontem à noite, enquanto eu e a minha filha tratávamos de arrumar a cozinha, o diálogo foi este:


- Mãe, comecei hoje com as aulas de educação sexual.

- E então? Correu tudo bem?

- Correu. Mas os rapazes pareciam uns bebés.

- Porquê?

- Olha, primeiro mostraram imagens dos órgãos sexuais masculinos e eles começaram logo a dizer que "não havia necessidade", que "mais valia passar em frente"...

- Filhota, provavelmente estavam constrangidos. É natural (para evitar dizer que o sexo masculino demora muito tempo a atingir a maturidade, dado que ela vai chegar por ela própria a essa conclusão).

- Constrangidos o tanas. Quando começaram a passar as imagens dos órgãos femininos só diziam "boa" e "oh lá, lá". São mesmo crianças!

E com cara de adulta convencida (apesar dos seus 12 anos), a minha filha virou costas e foi para o quarto toda empertigada.

Finalmente...


Um espectáculo que vem ao Porto!

E eu vou lá estar para ouvir estes meninos...





Mesmo sem o Roger Hodgson. O que vale é que já assisti ao espectáculo dele ao vivo.

É difícil...E é fácil...


É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste.
É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada
É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre.
É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia.
É difícil enxergar o que a vida traz de bom,

assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.
É difícil se convencer de que se é feliz,

assim como é fácil achar que sempre falta algo.
É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.
É difícil colocar-se no lugar de alguém,

assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.
Se você errou, peça desculpas...
É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado?
Se alguém errou com você, perdoa-o...
É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender?
Se você sente algo, diga...
É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar
alguém que queira escutar?
Se alguém reclama de você, ouça...
É difícil ouvir certas coisas? Mas quem disse que é fácil ouvir você?
Se alguém te ama, ame-o...
É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz?
Nem tudo é fácil na vida...Mas, com certeza, nada é impossível
Precisamos acreditar, ter fé e lutar
para que não apenas sonhemos,

Mas também tornemos todos esses desejos, realidade!!!


Cecília Meireles


Pois é Cecília. Concordo contigo. Mas é difícil. E chega a uma altura que ficamos cansados de lutar.


Até o melhor pescador claudica face à força das ondas...




terça-feira, 20 de abril de 2010

O que faziam?

Independentemente de serem homens ou mulheres, imaginem que estavam numa situação idêntica à do bombeiro conforme a imagem documenta:



O que faziam?

Porque razão são as mulheres que fazem a publicidade aos carros?

Hoje enviaram-me um mail com esta questão, acompanhada desta foto.





Fosga-se. Assim também sou capaz de concordar.


Mas agora coloquem dois homens que constituam verdadeiras obras-primas da mãe natureza e vamos lá ver se o mulherio não gosta mais...



Como este, por exemplo...






Nota - O carro até pode estar a cair de velho!!!

Pensamento do dia...




O vitorioso tem muitos amigos;
O vencido, bons amigos.

Provérbio mongol




Não sei se é por ter ascendentes mongóis mas gosto deste provérbio.




segunda-feira, 19 de abril de 2010

Será assédio sexual?

Clicar para ampliar

A Rejeição!




Hoje o tema é rejeição.


A rejeição sente-se. E de que maneira....


Sentimos nos olhares compadecidos.


Sentimos quando já não importamos para alguém.


A rejeição ataca as nossas necessidades de carinho e afecto. Por isso magoa.


Como disse alguém: “ é a dor de perder, de desapegar. A dor de mudar uma rotina que gostamos tanto. De esquecer, de deixar de gostar, de deixar de sentir necessidade e de sentir necessário....”.


Talvez por isso tentámos encontrar desculpas para que a rejeição custe menos. Para que se sinta menos. Para que magoe menos.



Mas a rejeição não é nada mais, nada menos que uma escolha. Daquelas que todos nós, diariamente fazemos. Das opções que tomámos.


Provavelmente, em alguma altura da nossa vida já optamos por rejeitar.


Mas quando nos toca a nós...


Todos nós travámos uma luta inglória contra a dor, seja ela física ou psicológica.


Inglória porque, mais tarde ou mais cedo, ela chega.




Viver? Ou sobreviver?


"Nós falamos demais,
amamos raramente,
odiamos frequentemente.
Nós bebemos demais,
gastamos sem critérios.
(...)
.

Aprendemos a sobreviver,
mas não a viver;
adicionamos anos à nossa vida
e não vida aos nossos anos.
Fomos e voltamos à Lua,
mas temos dificuldade em cruzar a
rua e encontrar um novo vizinho.

Conquistamos o espaço,
mas não o nosso próprio.

(...)

Estamos na era (...) do homem grande, de carácter pequeno;

lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos,

vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados.

Essa é a era das viagens rápidas,

fraldas e moral descartáveis,

das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas 'mágicas'.

Um momento de muita coisa na vitrina e muito pouco na dispensa.

George Carlin


sexta-feira, 16 de abril de 2010

Arriscam-se a ouvirem o que não querem. Ou será que querem? (Parte II)

16 de Abril de 2007


Foi no dia 16 de Abril de 2007 que escrevi o primeiro post deste blogue.

Alguns perguntarão porquê "Ni-Entre Amigos". Questionarão se não estarei a menorizar a palavra amizade.

Já afirmei muitas vezes que os meus verdadeiros amigos não ultrapassam o número de dedos que tenho numa mão. São os meus AMIGOS.

Mas será que há vários tipos de amizade?

Sempre entendi que temos "AMIGOS" e "conhecidos". Mas há também quem defenda que existe uma outra categoria de amigos: "os amigos profissionais" (aqueles relacionamentos que mantemos em termos profissionais e que se baseiam na "utilidade recíproca").

Mas, independentemente da noção que temos de "amizade", a dúvida mantém-se. Porquê este nome?

Este é um blogue cujo tema principal é a relação entre pessoas. Os sentimentos individuais e colectivos. Os afectos. E, ao contrário do que possa parecer não é um tema fácil.

Fácil é falar de política ou de desporto (apesar dos nossos afectos não serem alheios às opiniões que omitimos quanto a estas duas questões). Mas todos nós temos dificuldade em dar a conhecer o nosso íntimo. Em dar a conhecer as nossas fragilidades, as nossas dúvidas, os nossos medos...

O curioso é que o ser humano tem, na maioria das vezes, maior facilidade de partilhar os seus seus sentimentos com quem não conhece, provavelmente por saber que não será tão criticado se a sua ideia fugir aos dogmas e ícones ditos "normais".

Todos nós temos um "nome" virtual. Mas é sobre esse nome virtual que muitas vezes nos damos a conhecer aos outros e, acima de tudo, a nós próprios. Porque nos "obrigam" a uma viagem de auto-conhecimento. E nessa viagem vamos descobrir coisas sobre nós que nunca tínhamos imaginado.

Mais, ainda, quantas vezes foram os nossos "amigos virtuais" que nos levantaram a moral? Que nos deram uma palavra de incentivo? Que nos ajudaram a sorrir de novo? Que nos disseram que, apesar de tudo, vale a pena saborear a vida?

Não tenho resposta para a pergunta colocada logo no início deste post. Será que existe um patamar entre AMIGOS e conhecidos?

Apenas sei que os AMIGOS são a família que temos oportunidade de escolher.

Apenas sei que a amizade é, em si mesmo, uma viagem. Uma longa viagem de descobrimento de afectos e sentimentos.

E nos últimos 3 anos tem sido uma viagem que me tem dado mais do que aquilo que esperava...

quinta-feira, 15 de abril de 2010

E o meu gelado favorito era....

Clicar para ampliar


Definitivamente, o Krissipi. Custava 15$00 e eu passava o ano inteiro a amealhar o dinheiro necessário para o Verão.


Vá-se lá saber porque razão a Olá o retirou do mercado.


quarta-feira, 14 de abril de 2010

Dúvida





Quem aceitou um beijo e não aceita tudo,
merece perder aquilo que recebeu.

Ovídio


O que é que Ovídio quererá dizer com isto?

Mas que raio...

Alguém me explica o seguinte:



Todas as estatísticas são unânimes nos seguintes dados:


1. Os salários em Lisboa são superiores aos do Porto (para falar em duas capitais de distrito, uma do sul, outra do norte), em cerca de 30%.


2. O Norte é quem mais contribui para a riqueza nacional.


Não me vou por aqui com aquele discurso miserabilista típico dos portugueses de que os de Lisboa ganham muito. Eu é que ganho pouco. Ponto final.


Mas se esta é uma verdade indesmentível, porque raio é que todos os grandes espectáculos têm que se realizar em Lisboa.


Vamos lá ver:


Os de Lisboa ganham mais. Só pagam o bilhete.


Os do Porto ganham, menos. Pagam bilhete e transportes.


Assim, enquanto um lisboeta para ir ver um espectáculo gasta cerca de 30 euros,os "parvos" cá do Porto, se quiserem ter acesso ao mesmo espectáculo, terão que desembolsar no mínimo 70 euros.


Vem tudo isto a propósito da vinda deste menino.




Saia um café...




De preferência curto.


Hoje comemora-se o dia mundial de um dos meus vícios assumidos: o café.


Não me perguntem porque raio é que existe o dia mundial do café.


Também não me perguntem porque razão o café assume nomes diferentes de acordo com a zona do País onde se pede. Sei porque razão no Sul se pede bica e no Norte cimbalino. Também não é difícil entender o significado de expresso, escaldado ou pingado.


Mas, independentemente do nome que se dê ao café, a verdade é que não passo sem oito a dez cafés por dia.


Pelo menos livro-me desses meninos que dão pelo nome de Parkinson e Alzheimer...


terça-feira, 13 de abril de 2010

É fácil acabar com uma relação?




Alguns dirão que não.

São as palavras que repetimos vezes sem conta em frente ao espelho para na hora "H" não titubearmos, muito menos quando se chega áquela parte fantástica de "amigos para sempre".

É a almofada que assume o papel daquele(a) que irá receber a célebre frase "está tudo acabado entre nós".

São as horas gastas em treinos de expressões faciais que exprimam a nossa "tristeza mas que, enfim, "não há nada a fazer".

São as vezes sem conta que visualizámos o filme "como perder um homem em 10 dias".

Agora têm uma nova ferramenta para essa tarefa tão árdua de acabar relações. São 64 passos. Todos muito simples. São muitos?




segunda-feira, 12 de abril de 2010

O que vos atrai numa mulher?



"Sempre fui atraído por certo tipo de mulher.
É a voz, mais do que qualquer coisa.
Ouço primeiro a voz."
Bob Dylan



Será por ele ter nascido na década de 60? É que por aquilo que me apercebo os homens hoje em dia gostam mesmo é de uma mulher bem escultural.


Bem me parecia que nasci numa excelente década...



Uma questão de ponto de vista!

Compreender que há outros pontos de vista é o início da sabedoria.

Campbell


Mesmo que nos seja difícil aceitar (acrescento eu).



domingo, 11 de abril de 2010

Escravos? Ou estereotipos?




No homem, o desejo gera o amor.

Na mulher, o amor gera o desejo.
Jonathan Swift


Será mesmo assim?


Uma mulher não poderá sentir primeiro o desejo?


E o homem? Só se deixa mesmo guiar pelo desejo?


Então podemos afirmar que o homem é escravo do desejo e a mulher escrava do amor?


Enquanto escrevem a vossa opinão, Roxy Music.






sábado, 10 de abril de 2010

Vinil...


A música sempre fez parte do meu mundo.

Este facto resultará, porventura, de ter nascido no seio de uma família que sempre cantou em coros ou em grupos. Penso ser a única que nunca tive voz para cantar.

Mas durante os anos 80 alguém viu que a minha voz tinha outra finalidade. E durante sete anos a minha voz fez-se ouvir através dos microfones de uma rádio.

Não é, pois, de estranhar que tenha uma colecção de discos bastante razoável. Alguns são gravações originais de 1917 pertencentes a uma colecção que me foi oferecida pelo Consulado do Brasil pelo trabalho de divulgação da música e dos poetas brasileiros num dos programas que tinha.

Hoje compro mais CD's do que discos mas esta semana dei por mim a percorrer a colecção de vinil e descobri um disco que me acompanhou durante a adolescência. Pertence ao senhor que se segue:




sexta-feira, 9 de abril de 2010

O Pacote...



Marie La Fayette escreveu:

"Só o ciúme me faz saber se estou apaixonada"

Pergunto: O ciúme vem no pacote do amor?

Quem não é ciumento, não ama?


O ciúme não é sinónimo de desconfiança?


Já agora, como é que vocês manifestam a vossa desconfiança? Armam-se em Sherlock Holmes ou técnico de investigação criminal (profissão da moda) e começam a investigar os "indícios"? Não será este tipo de comportamento , ele próprio, um indício de falta de respeito?




Nota - À falta de imaginação, vou ao baú das recordações procurar um dos temas já focados neste blogue.,mas com questões novas.

Arriscam-se a ouvir o que não querem...

Estou a falar dos homens e da sua eterna mania de questionar a perspicácia e inteligência femininas.




Clicar para ampliar

quinta-feira, 8 de abril de 2010

De que partido és?




14.50 horas. O telemóvel toca. É a minha filhota mais nova (sim, a mesma que disse que o vestido ficava horrível) que hoje está em Lisboa, mais própriamente na Assembleia da República numa visita de estudo.


- Mãe, de que partido és?

- Porque queres saber?

- Mãe diz lá. Daqui a pouco vou assistir ao debate mas estou à beira do Francisco Louçã. És do Bloco de Esquerda?

- Por acaso não é ele que está a perguntar, pois não?

- Não mãe. Mas se fores do Bloco de Esquerda posso pedir alguma coisa a ele, não posso?

- Pedir o quê?

- Sei lá. Qualquer coisa. Eles não estão aqui para dar o que queremos?


Respondi com uma gargalhada, desejei uma boa visita, mandei um beijo e desliguei.


Como é que se diz a uma jovem de 12 anos que os princípios que levaram milhares às ruas num dia 25 de Abril estão algo subvertidos?


Ela já não acredita no Pai Natal mas ainda acredita que os nossos queridos deputados estão na Assembleia da República para dar o que queremos e não o que eles querem...



Um beijo que demora...

Este Pedro consegue brincar com as palavras e diz mais do que elas parecem dizer!



O vestido...

Quem me conhece sabe que geralmente ando vestida com roupas de cor preta ou castanha de forma a disfarçar as minhas curvas roliças (sim, apesar das gordurinhas ainda dá para se aperceber que este corpo tem umas curvas).
Como estes últimos tempos têm sido verdadeiramente fantásticos em matéria de auto-estima, nada melhor do que ir às compras e tentar comprar alguma peça de roupa que encaixe razoavelmente bem neste emaranhado de ossos, carne e afins.
E o que é que a menina decide comprar? Um vestido decotado (essa já é imagem de marca), todo estampado e cheio de cores. Nada melhor para animar que cores vivas.
Chegada a casa há que perguntar à "famelga" o que achava.
Começando pelo marido:
Eu - Achas que me fica bem?
Ele - Hum, hum...
Eu - Não me faz mais gorda (numa tentativa quase desesperada de obter uma resposta)?
Ele - Faz aquilo que és.
Toma que é para não seres curiosa...
Apesar de contar com tal resposta, não desespero. Mulher que se preze não desiste à primeira tentativa e decide perguntar à flha mais nova.
Eu - Então filhota, achas que o vestido fica mal?
Ela - Fica horrível mãe.
Moral da história (e pode ficar como pensamento do dia):
Se querem subir a vossa auto-estima, sempre que quiserem comprar uma peça de roupa e desejarem uma opinião, peçam-na à empregada da loja. Como quer vender dirá que a roupa fica divinal.

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso