quinta-feira, 30 de julho de 2009

É exactamente assim...


Que me sinto hoje...

Alguém me diz como se pára de chorar?

É que não tenho feito outra coisa na última hora.

Estou mesmo aviada para o hospital psiquiátrico mais próximo...

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Neste momento...


Em que eu estou com a porcaria do trabalho, a minha cara-metade e a minha filha estão a assistir a este espectáculo...




E o problema é que ao contrário da música, sinto-me mais morta que viva....

E tenho a noite toda....


Pensamento para o resto da semana....




Um simples sentimento de amizade
pode ter mais força do que um sentimento de amor"
Pensador


terça-feira, 28 de julho de 2009

FOSGA-SE...


É nestas alturas que suspeito seriamente que existem bruxas e que alguém foi à bruxa e pediu para me fazer a vida negra.

Então faz-se um trabalho seguindo as directrizes impostas e depois de concluído vêm dizer que: "ah..pois, afinal a senhora é que tinha razão e era preferível termos seguido outro critério"!!!

EU AVISEI!

Agora reformular tudo de novo?

Depois do trabalho concluído?


Caramba, fazia jeito uma boa notícia, pequenina que fosse. Há cinco longos meses que só são azares atrás de azares...


Se eu sei quem foi à bruxa desfaço-o (a)...



Viagem medieval...e Sir Lancelot



"El-rei D. Afonso IV inicia o seu reinado com ódio e sede de vingança, opondo-se a seus irmãos naturais Afonso Sanches e João Afonso, resultando em três anos de conflitos senhoriais em que a rainha D. Isabel, vivendo em clausura no Convento de Coimbra, não deixa de intervir procurando a paz e a reconciliação.

Após o terminus da guerra, El-Rei dedica-se a assuntos de Estado, reafirmando o seu poder e autoridade na promoção de reformas judiciais e legislativas. Como rei centralizador determina, que os representantes do povo tenham assento nas Cortes e manifestem os seus desagravos contra os grandes senhores do Reino. O rei legislador satisfaz os pedidos e anseios dos representantes do povo, criando as figuras de juíz de fora e de corregedor.

Preocupado com a política externa, D. Afonso IV faz acordos de casamento para seus filhos, casando
a formosíssima Maria com Afonso XI, de Castela e o infante D. Pedro com D. Branca, este não se chega a concretizar, já que a princesa tinha quebra natural de entendimento. Depois de tomar conselho, el-rei firma o casamento de seu herdeiro com D. Constança Manuel, filha de um poderoso de Castela, mas Afonso XI, de Castela opondo-se a este casamento, detém D. Constança.

Este incidente, agravado com o facto de sua filha D. Maria sofrer injúrias e maus tratos por parte do marido Afonso XI que tomou por manceba Leonor de Guzman, leva a que el-rei D. Afonso IV declare guerra contra Castela.

E finalmente, é chegado o dia do casamento do Infante D. Pedro com D. Constança, trazendo no seu séquito Inês de Castro, jovem galega e filha natural do fidalgo castelhano Pedro Fernandes de Castro."



Eis o tema da 13ª edição da Viagem Medieval que vai decorrer de 30 de Julho a 09 de Agosto em Santa Maria da Feira.


Como todos os anos estarei lá. E já na próxima quinta-feira. Já tenho saudades de comer aquelas febras de porco assado.


Se alguém precisar de cicerone, avise...


E já que estamos numa viagem através dos tempos, aqui fica o filme mais romântico que vi até hoje de Sir Lancelot.

Atenção, isto é só para os românticos sem cura mas, quantos de vós, já não sentiram o que a letra da música espelha... Falta saber quem tem a coragem para assumir...






Aqueles momentos...


Tinha consciência que após entregar o trabalho me ia "abaixo das canetas".

A adrenalina fez jeito durante as últimas duas semanas.

Não tive grande tempo para pensar no que não devia.


Tenho trabalho acumulado mas que resolvo em três tempos.

Nada que me obrigue a terminar, de vez, com os meus parcos neurónios.

Com excepção do meu gabinete e da secretaria todos os outros gabinetes estão fechados. Sinal que estou sozinha.

Sem ninguém para dizer alguns disparates, o tempo vai demorar...a hora passa a ter mais de sessenta minutos. Doze horas assim são uma eternidade para pensar.


Para pensar naqueles momentos que o tempo nos dá.


Aqueles que retemos para sempre.


Aqueles momentos em que nos sentimos únicos e queridos...


Aqueles momentos em que nada nos derrotará porque sabemos que não estamos só!


Aqueles momentos em que nos sentimos imortais!


Aqueles momentos que queremos segurar no tempo...para sempre!





segunda-feira, 27 de julho de 2009

Era este...



Hoje, a minha filhota mais nova perguntou-me qual era o desenho animado que eu mais gostava.

Disse que era difícil dizer um porque gostava de quase todos. Não havia a variedade que existe hoje. Se não fosse o saudoso Vasco Granja nem desenhos animados teríamos (para além da Heidi e do Marco).

Mas, se tivesse que escolher um, seria este. Quanto mais não fosse pela tanga que ele dava ao Sylvester...





A música era esta:


/span>

É por estas e por outras que prefiro ser cremada...







E as minhas cinzas espalhadas pelo mar para voltar às origens.

Falta pouco ...para a sornice!




Daqui a uma hora ou duas entrego, FINALMENTE, o dossier que me ocupou nas últimas semanas.


A segunda parte só chegará para finais de Agosto.


Esta tarde, está prometido: não olho para o trabalho que se foi acumulando na minha secretária. Amanhã também é dia. Vou fechar a porta do gabinete, vou-me recostar na cadeira e colocar as pernas na secretária. Vou ouvir música e ler um ou dois daqueles romances que acabam sempre bem...


Preciso de acreditar...


Amanhã começo a despachar o trabalho que foi acumulando na minha secretária...





domingo, 26 de julho de 2009

Finalmente...




Um pensamento com o qual me identifico totalmente (e já sei que a Abobrinha vai contestar...)



A realidade é dura, mas ainda é o único lugar onde se pode comer um bom bife...
Woody Allen



Sei que não estou a ser simpática...




Tati Bernardi afirmou:


"Nada muda no mundo quando você não caminha ao meu lado,
as pessoas quase não percebem que falta metade do meu corpo
e que eu não posso ser muito simpática
porque toda a minha energia está concentrada para eu não tombar."



Nunca me considerei uma pessoa dependente, pelo contrário. Desde muito nova tive que ser independente.

Sinceramente, penso que a necessidade que tive de ser mais matura do que a minha idade me obrigava não me trouxe mal nenhum.

Mas penso que o crescimento precoce centrado em ajudar os outros me impediu de pensar em mim própria.

Sei que os meus últimos post´s são negativistas.

Sei que aqueles que não desistiram de mim e que me fazem companhia de manhã à noite no talk apenas recebem o silêncio.

Não é nenhuma desconsideração. Gosto imenso de vocês. Só me trazem boas recordações.

Mas, tal como afirmou Tati Bernardi, toda a minha energia centra-se em não tombar. Não posso tombar porque tenho consciência que desta vez não tenho forças para me levantar.

"Os cavalos também se abatem..."

E esta noite, enquanto trabalho, a companhia vai ser esta música...



sábado, 25 de julho de 2009

Pela noite dentro...



E durante a noite vou ter como companhia a música deste menino...










Adenda às 00.56 - Mal consigo abrir os olhos...


This is the life...



Partida de casa pela manhã. Destino: feira de artesanato de Vila do Conde porque durante a tarde seria impossível.

Chegada pelas 10h.30 m e dar com o "nariz na porta". Pelos vistos só abria às 15h.30 m.



Traçado novo rumo: IKEA.


Objectivo: Gastar dinheiro sem necessidade. Mais um móvel para roupa, mais umas cadeiras para eventuais visitantes à procura de iscas e arroz de feijão vermelho (como se não tivesse cadeiras que chegue...).

Depois de colocar as coisas no carro...EUREKA!!! Lembrámo-nos que tinhamos que ir buscar a filha mais velha, o namorado e a mãe do namorado à Boavista para os levar ao aeroporto.

Perguntam vocês: "Ni, como coube tudo no carro? Ou tens alguma camioneta?"

Não, não tenho nenhuma camioneta. Ligou-se para a filha para chamar um táxi e fomos ter com eles ao aeroporto. para não parecer muito mal, pagámos nós o táxi...


Hora prevista de partida do avião: 17.50 horas. Hora efectiva de partida do avião: 19.15 horas.

Novo rumo: um centro comercial qualquer para comprar umas sapatilhas para a mais nova que não compreendia porque razão é que a irmã ia de férias e ela tinha que ficar em casa com os cotas.

Uma autêntica aventura a aquisição da porcaria de umas sapatilhas que tinham que ser iguais às das amigas caso contrário a catraia não consegue arranjar namorado.

Eu bem a tentava convencer com umas bem baratinhas dizendo que com aquelas ela arranjaria paletes de gajos. Não adiantou. Venceu-me pela exaustão. Porra, andar das 19.30 até às 21.30 a procurar umas sapatilhas desgasta uma cota...

22.30 chegada a casa e com uma maratona de trabalho que, uma vez mais, me vai levar a noite toda.

Adoro os sábados em família... Fosga-se!!!






Eu sei...




Sei que estou a falar para aqui sozinha.

Pudera, numa sexta-feira à noite só uma besta quadrada como eu está a esta hora sozinha a trabalhar.

Quero lá saber. Falo sózinha. Ainda não se paga imposto...

E sonhar também não. Pelo que sonho. Sonho em ir uma semana sozinha para qualquer lado.

É pedir muito?

Parece que sim...

É melhor voltar ao trabalho. É a única coisa que ainda consigo segurar...



sexta-feira, 24 de julho de 2009

Porque a Missanguita me fez recordar bons velhos tempos...



Os tempos em que eu e o meu amigo inseparável desde os meus 10 anos dançavamos feitos loucos esta música no "Trocadero".

Mesmo quando estava cansada, saía ele. "Nina, nem penses. Esta é a nossa música. Mexe-me estas ancas".







Não é propriamente a história da branca da neve e os sete anões, mas anda lá perto...


Dois anões resolvem divertir-se e vão a uma casa de meninas. Depois duns copos, pegam as meninas e sobem para os quartos..


Mesmo estando animado, um dos anões não consegue “levantar”, por mais que se esforce.


Fica ainda mais desapontado quando ouve o seu amigo no quarto ao lado:

- Um, dois, três e... jaaaaaá!


Novamente o anão tenta entusiasmar-se, mas... nada.

Passado mais alguns minutos e ouve novamente o amigo gritar:

- Um, dois, três e... jaaaaaaaaaaaá!


O anão tenta-se animar, encorajado pelos gritos do companheiro no quarto ao lado, mas... nem sinal de vida!!!


Passado mais um tempo, volta a ouvir:

- Um, dois, três e... jaaaaaaaaaaaaaaaá!


Então ele pensa: “o meu amigo está-se a divertir pra caraças... e eu aqui neste sufoco sem conseguir nada!”

E ouve outra vez:

- Um, dois, três e... jaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaá!


Passada a hora “contratada”, os anões encontram-se para ir embora, e vendo o amigo todo suado, descabelado, ofegante, o que não “levantou” comenta:

- Bolas! Foi uma porcaria! Por mais que me esforçasse, não consegui “levantar” isto!


- Não!? Diz o outro anão, perplexo:

- E eu, que nem consegui subir prá cama????..


Hoje ainda não parei. Ou melhor, parei agora para escrevinhar este desabafo!


Ainda não almocei e só não fiquei sem os cafés graças à amabilidade de um colega de trabalho.

A Pinxexa já não está. A partir de hoje estou só no meu local de trabalho. Vai tudo de férias!


Isto quer dizer que vou estar um mês sem falar com ninguém. Só estava mesmo à espera disto para ajudar à festa!



Estou apaixonada...


Finalmente!

Estou irremediavelmente apaixonada.

É o único que me entende. Que me olha nos olhos e me mostra o que eu quero e preciso ver.

À frente dele não há tristeza. Só um olhar cúmplice, protector, amigo.

Ainda não lhe confessei o meu amor por palavras. Mas o meu olhar diz tudo.

Nem o simples facto de estarmos separados ao fim-de-semana impede que a paixão esmoreça.

Finalmente, decidi assumir a minha paixão e dizer a todos o quanto estou apaixonada pelo espelho da porta da casa de banho junto à cantina da minha empresa que me tira à vontade 10 Kg.




quinta-feira, 23 de julho de 2009

Ranking da semana



Segundo dados recolhidos, os termos mais usados para acederem a este blogue, são:



1º O signo de Peixes e o Amor;

2º O homem Touro e o Amor;

3º Sexo grátis com cinquentonas;

4º É possível uma amizade entre um homem e uma mulher


Quanto aos dois primeiros direi que, decididamente, tenho que começar a levar dinheiro pelas consultas de astrologia. É que dá dinheiro como tudo...

Quanto à terceira, já nem sei o que diga...querem sexo grátis? Com uma cinquentona? Eh pá, porque não tentam colocar um anúncio no jornal? Se não aparecer nenhuma sempre têm aquelas meninas que vos leva um preço em conta...


Finalmente, quanto à última direi que aqui não aprendem nada. Quanto mais velha estou menos percebo de amizade...



E agora vou chorar mais algumas lágrimas de crocodilo. Só faz bem aos olhos cansados...




Conversas sem nexo I

A - Sabes, apenas gostava de receber uma mensagem a dizer "olá, estou bem". Acredita, amiga, já ficava feliz.



P - Que não seja por causa disso. Vou-te mandar uma mensagem a dizer: "Olá, estou bem. Gosto muito de ti".


A - Porra, sabes como tirar a pica a uma pessoa!

Dúvida existencial!


“Odeio quem me rouba a solidão
sem verdadeiramente me oferecer companhia”
Nietzsche


O que se ganha em tirar alguém da solidão, mostrar um mundo sem horizonte para, de repente, obrigar essa pessoa a voltar, uma vez mais, para a solidão?

Foi o tema da hora de almoço.







Ela - Morreu alguém?


Eu - Sim, eu!


Para ver se param de me chatear por vir toda vestida de preto.



Para além de covarde, estou lamechas!

No dia 2o de Junho alguém, se fosse vivo, faria 68 anos.

Escrevi muitos textos mas não tive coragem para os publicar.

São apenas desabafos meus.

Ainda por cima porque é numa altura em que estou, assumo, particularmente fragilizada.

Uma altura em que sinto a falta do seu amor incondicional.

Uma altura em que gostaria de ter ao meu lado a única pessoa até hoje que, voluntáriamente, nunca me deixou.

Aliás, questiono-me muitas vezes como é que conseguiu aturar-me tantos anos.

Hoje, passado mais de um mês, sinto necessidade de me recordar dele. Não vou colocar aqui o que escrevi. Vou cometer um "pequeno crime" e colocar um texto que uma pessoa escreveu sobre ele sem nunca o ter conhecido.

Meu querido "cunhado", sei que não vais levar a mal o que estou a fazer.

Aqui fica o texto:



Nunca te vi, aliás, é mentira.
Vi-te mas não te vi assim, na realidade,
em carne, em voz, em choro e em riso.
Nunca te vi assim, como te viram os teus.
Com dia e com noite, com loucura e com siso.

Nunca te vi, mas sei como és.
Sei o que viste,
aquilo que fizeste,
e os passos que te levaram,
para chegar onde chegaste.

Nunca te vi mas sei como és.
Os sonhos que tinhas, para aqueles que amaste.
Sei até as palavras sentidas, que nunca falaste.

Nunca te vi mas sei como és.
Sei da justiça que tinhas no ser.
Da verdade, da mentira e da vontade de amar.
Sei que voz gostavas de te ouvir chamar.
Eu sei o que sentias quando dizias não,
ou quando escondias a revolta na mão.

Nunca te vi mas sei como és.
Sei das tuas lágrimas e da tua dor,
das agonias passadas ao teu redor.

Nunca te vi mas sei como és.
Ainda manténs aquele olhar de criança,
que teimaste em deixar-nos, para sempre, na lembrança.
Um abraço! Até logo...

O texto foi retirado daqui: http://gostodetiassim.blogspot.com/


Obrigado pai!

Fica com a música que gostavas e que estivemos a ouvir antes de me dizeres adeus pela última vez...


quarta-feira, 22 de julho de 2009

Conversa de surdos - III



Hoje falava-se de ausências e de partidas. Discutia-se porque razão alguém desaparecia sem nada dizer e sem deixar rasto.


A: Desculpa lá. Desaparecer sem nada dizer é um acto covarde.

P: Já pensaste que pode ter boas razões para partir sem nada dizer?

A: Não. Nada justifica tal comportamento.


Como ando em maré de parvoíce assumida, confesso que estou sem disposição para discutir temas sérios. Ou melhor, as pessoas começam com temas sérios e eu trato de levar o tema para a brincadeira.

Eu: Já pensaram que a pessoa partiu por já estar cheia de nos aturar? Eu, no lugar dela, ia para o Tibete...

As duas olharam para mim e responderam em unissono:

- "Minha querida, o tabuleiro de cima da Ponte D. Luís fica a escassos 300 metros daqui. Aproveita o vento para cair ao Rio Douro."


A conversa ficou por ali. Quando fiquei só recordei-me de uma frase das fábulas de La Fontaine:


A ausência tanto é um remédio contra o ódio
como uma arma contra o amor


Não lhes vou dizer que, apesar da minha nova capa, ainda consigo pensar em coisas sérias...




Conversa de surdos II




- "Amo tanto o meu marido que quero morrer primeiro que ele"!


- "Eu também quero morrer primeiro. Que fique ele com as dívidas!"



Estava para colocar na íntegra a conversa que as habituais 4 quarentonas e a cinquentona-mor (que me mete num saco, mas isso agora não interessa nada) tiveram durante a hora de almoço. Mas não sei onde colocar a bolinha vermelha no blogue...


Poderei apenas adiantar que mete profano, sagrado e ménage à trois. Confusos? Também eu fiquei.



E a saga de fazer de bobo da corte continua!!!






Os silêncios...



Nenhum pensamento se adapta melhor ao meu actual estado de espírito.


Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,

Depende de quando e como você me vê passar.

Clarice Lispector



Acho piada quando as pessoas chegam ao pé de mim nestas alturas e dizem que gostam de me ver "assim". Que se vê que ando feliz e bem disposta. Daqui resultam três conclusões:

1. Nasci para actriz.

2. Significa que não me conhecem minimamente.

3. Demonstra que as palavras são ocas.



Sempre gostei mais dos silêncios. As palavras dizem-se da boca para fora. Escreve-se o que se sabe que o outro vai gostar. Apenas isso! Sem sentido... simplesmente porque se impõe ou fica bem dizer algo.



Os silêncios? Não mentem. Não criam expectativas. Não defraudam.




terça-feira, 21 de julho de 2009

Conversa de surdos - I



"- Estou preocupada contigo. Cá para mim entraste num processo de autodestruição. Estás sempre a fumar, tomas café a torto e a direito, não comes em condições e passas noites seguidas sem dormir. Vais acabar mal. Sabes disso, não sabes?

- És parva? É tudo uma questão de adrenalina".







Voltamos à mulher de signo de peixes...

Recordam-se do post que fiz em Março sobre a mulher de signo de Peixes?

Não? Pois eu também não.

Mas, perguntam vocês, "porque raio vem ela com um post que tem menos de 5 meses?"


Pela simples razão que a Ni de Julho é uma Ni completamente diferente.

Recordemos algumas características que tinham a ver comigo:


É uma pessoa meiga, sonhadora e sensível !

Basicamente o nativo de Peixes é uma pessoa sonhadora, flexível, pouco prática , adorável de se conviver que, quando se apaixona, só lhe falta morrer de amor.


Nada abala a sua tranquilidade e embora à superfície as suas águas possam parecer bastante agitadas, no fundo do oceano tudo está em paz (ora nem mais).

De um modo geral, homem ou mulher, são pessoas gentis, dóceis, delicadas .


O nativo deste signo é um sonhador nato e vive num mundo onde imperam a esperança, a amizade e o amor.


Os nativos deste signo são os sofredores do Zodíaco. Extremamente sensível, tudo o que acontece à sua volta interfere na sua personalidade. A importância que este signo dá aos sentimentos e pensamentos dos outros é enorme e, mesmo sem se aperceberem, absorvem os sentimentos das outras pessoas, sejam eles bons ou maus, lutando com todas as suas armas para fazer um mundo melhor e mais humano. Afinal, os Peixes só conseguem ver o melhor das pessoas que, se imperfeitas, só merecem a sua ajuda e compreensão.


Se há alguém que se pode gabar de conhecer o amor esse alguém é sem dúvida o nativo de Peixes que, quando se apaixona, só lhe falta morrer de amor .


No relacionamento amoroso é romântico, sensível, muito dedicado, carinhoso e pode gabar-se de conhecer o milagre do perdão e a grandeza do amor incondicional.


Nestes raros momentos, a timidez e meiguice que o caracterizam desaparecem por completo e chega a levar o assunto às suas últimas consequências. Tão depressa como se transformou rapidamente regressa à calma e docilidade que o caracterizam, conseguindo que os maus momentos sejam esquecidos para sempre...

Traços positivos da personalidade: Meigo, Suave, Romântico Adaptável, Receptivo, Impressionável. Emocional, Intuitivo, Artístico, Simpático, Compreensivo, Sensível, Gentil, Caridoso, Humilde. Capaz de valorizar as pequenas belezas da vida. Curioso acerca das peculiaridades da vida das outras pessoas e da natureza do Universo onde vive. Desprendido de coisas materiais.

Traços negativos da personalidade (só para que não me acusem de parcial, seguem-se os aspectos negativos que, garanto, são falsidades absolutas): Pessimista, Tímido, Inseguro, Preguiçoso, Desorganizado, Vicioso, Indeciso, foge da realidade mediante algum meio fácil. Prefere sonhar a viver.



Ora muito bem. Eis tudo aquilo que deixei de ser.


E sinto-me bem!!! E que vá tudo para o inferno!!!


Não fumei nada fora do normal (mas o que é normal?)

E é nestas alturas que gostaria de ser gajo.


Ontem à hora do almoço, tortura com instintos de malvadez: depilação na face. É que não estão mesmo a ver. Ou melhor, a sentir...


Teve uma vantagem. Como ando há quase cinco meses a engolir as lágrimas para não dar parte de fraca, ontem aproveitei a onda. Chorei até dizer chega. Sempre tive a desculpa das dores.


Hoje, calçado novo. E estarão as outras gajas a pensar: "Pois, calçado novo, estão apertados. Coitada!!"


Coitada a porra!


Quando os comprei devia ter os pés inchados. Resultado: parece que ando com umas galochas. Mas, tudo bem, tenho mais 10 cm. Não sei muito bem para quê. Mas chego mais facilmente à prateleira onde está o café.


Dirão vocês: "Este post está parvo!"


Óptimo. Sai à dona. E demonstra coerência o que hoje em dia é quase impossível.


Mas hoje, com as minhas parvoíces, já provoquei algumas gargalhadas nos outros.


Cá dentro, parece que a depilação continua...mas isso não interessa nada!!!


Mas foi com esta música que.... esqueçam!




segunda-feira, 20 de julho de 2009

Será?



Que para sentirmos verdadeiramente a falta de alguém ela tem que desaparecer...para sempre?


Hoje...



Apesar do meu afastamento, fazem questão de continuar a fazer-me companhia.

Apesar da minha frieza continuam a afagar-me.

Apesar de fazer de conta que nada me afecta, não me deixam só.

Apesar de não saber se voltarei a ser o que era, continuam a acreditar em mim.

Hoje, apetece-me agradecer a todos aqueles que não desisitiram de mim.


O coração parou?




Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração
parar de funcionar
por alguns segundos,
preste atenção:
pode ser a pessoa mais importante da sua vida.
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE


Será esta frase verdadeira? O vosso coração já parou?


Falando sério...


Sei que tu é que mandas em mim e que se quiseres dar tudo por concluído, nem pensas duas vezes.


Sei que abusei de ti. Provavelmente até merecias melhor sorte que teres que me aturar.


Mas a tua sede de vingança é tão grande que sintas necessidade de me assustar?


Sei que já não tenho vinte anos mas porra, também não tenho oitenta. Ok, também não quero ter oitenta. Mas cinquenta...já não digo que não. Depois, fazes o que te apetecer...


Sei que estou acabada para a idade que tenho. O café, o tabaco e as insónias tiram-te do sério.


Bolas, o que queres? Que prescinda dos meus únicos prazeres?


Também é um exagero, não achas?


Falando sério: não vou prescindir de tomar os cafés que entender, de fumar nas quantidades que bem entender e de estar noites e noites seguidas sem dormir. Se quiseres acabar, acaba. Também eu estou cheia de te aturar.


Eu é que te tenho que ver todos os dias ao espelho...


E só para te chatear mais um bocadinho (não à Abobrinha que está a gozar umas merecidas férias), levas outra vez o Roberto. E aproveita enquanto és surdo de apenas um ouvido.




domingo, 19 de julho de 2009

Pensamento da semana!



"As pessoas esquecerão o que você disse.

As pessoas esquecerão o que você fez.

Mas elas nunca esquecerão como você as fez sentir"





Domingo à noite...




Filha mais velha ausente a gozar as férias.

Marido e filha mais nova numa festa.

E eu? A fazer um relatório que já vai na 68ª página e numa altura em que estou literalmente sem cabeça... de cansaço. Mas não me deito enquanto não acabar. Isso é ponto assente.








Será que sou doce?




Esta dúvida existencial surgiu não porque goste de doces ou de açucar em particular.

Não porque seja uma doçura de mulher.

Não porque eu seja um doce.

Mas porque, enquanto estou a acabar um parecer, o raio de uma mosca não deixa de pousar em cima de mim.

Mas, agora me lembro, as moscas também gostam de pousar na porcaria...ai o caraças!!!


sábado, 18 de julho de 2009

Este é meu...




Quando pedimos a alguém para nos entender, o que queremos é partilhar.

E, quando do outro lado está alguém disposto a partilhar, estamos a ser entendidos.

Porque era isso que desejávamos nesse momento.



Já estou a imaginar a Abobrinha a arrancar alguns cabelos quando vir que estou a ouvir novamente Roberto Carlos...

Mensagens

Arquivo do blogue


Porque não defendo:guetos, delatores pidescos, fundamentalismos e desobediência civil. Porque defendo o bom senso